Descubra a história das ações da Rede Americanas no Brasil

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Receba notícias por Whatsapp

Receba notícias pelo Telegram

Uma das maiores empresas de varejo possui um longo histórico na Bolsa de Valores brasileira

Entenda o histórico das ações da Americanas na Bolsa de Valores

As Lojas Americanas é um dos maiores varejos do Brasil. Segundo o ranking do Ibevar, ela está entre as cinco maiores do país. São mais de 1700 estabelecimentos espalhados por praticamente todos os estados. 

Para quem está pensando em comprar ações, as Americanas podem ser uma excelente opção para começar a investir. Como uma das empresas mais sólidas do país, essa acaba sendo uma opção segura. 

Mas antes de abrir a carteira, é importante conhecer a história da empresa e como ela abriu o seu capital. Isso é algo que deve ser levado em consideração no hora do investimento em qualquer empresa. 

Origem da Lojas Americanas

Muitos não sabem, mas as Americanas é uma empresa quase que centenária no Brasil. Ela foi fundada em 1929 por John Lee, Glen Matson, James Marshall e Batson Borger. A ideia inicial era abrir uma loja com produtos de baixo custo na América do Sul. O plano A era começar em Buenos Aires, mas graças aos brasileiros Aquino Sales e Max Landesmann, os norte americanos optaram por começar no Rio de Janeiro. 

Há muitos anos, as lojas de departamento são sucesso nos Estados Unidos. São lugares enormes, com todo o tipo de produtos (desde roupas até artigos para decoração de casa e escritório). A principal característica desse lugar são os preços baixos. 

Era nisso que os fundadores das Lojas Americanas se inspiraram. Um único comércio, onde era possível encontrar de tudo e com preços baixos. E eles acreditaram que o Rio de Janeiro seria o lugar ideal para começar por conta do alto número de funcionários públicos e militares que ganhavam um salário bem modesto. 

O sucesso foi praticamente imediato. Um ano depois da inauguração da primeira Lojas Americanas, os donos já haviam expandido e aberto mais quatro unidades (três do Rio de Janeiro e uma em São Paulo). 

Abertura de Capital 

A Rede Americanas já possui um bom tempo na estrada e é gigante no Brasil. Um dos motivos disso é que a abertura de capital aconteceu há muitos anos atrás. Não é algo recente. 

Em 1940, depois de onze anos da abertura da primeira loja, a Lojas Americanas se tornou uma Sociedade Anônima (S.A) e abriu o capital. Se esse texto fosse um anúncio no YouTube, a primeira coisa que o apresentador iria falar seria: “Já pensou se você tivesse investido R$ 2000 em 1940, imagina quanto teria agora?”

Ao longo dos anos, diversas empresas compraram ações da Lojas Americanas. Uma das principais foi o Wal Mart em 1994. Na época, foi feito uma “joint venture” com o nome de Wal Mart Brasil S/A, com participação de 40% das Lojas Americanas S.A, e 60% por parte da Wal Mart Store Inc. na composição do capital. 

Ações da Rede Americanas 

Atualmente, essa grande marca não se limita apenas a Lojas Americanas. Ela é mais conhecida como Rede Americanas, com diversos formatos de loja (Americanas, Express, Local), e-commerce e cartão de crédito Americanas

Por conta dessa expansão e da longevidade da companhia, as ações da Americanas se tornou uma das mais seguras do mercado. Entre outubro de 2008 e janeiro de 2020, houve uma valorização de 1150% no valor. Esse é uma grande opção para quem foca em investimento de longo prazo. 

Com a pandemia do coronavírus, que forçou a maior parte das lojas permanecer fechadas por meses, o valor da ação acabou caindo. No mês de março, por exemplo, a ação custava R$ 29 despencou para R$ 16. No final do mês de outubro, já houve uma recuperação, mas ainda com saldo negativo. Atualmente, a ação está na casa dos R$ 25.

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email