Moody’s: vacinação em massa tem potencial significativo de melhora do PIB global

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Tire dúvidas sobre investimentos

Receba notícias pelo Telegram

A vacinação em massa da população contra o coronavírus tem potencial para melhora significativa das perspectivas de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) mundial, avalia a agência de classificação de risco Moody’s. Mas este movimento só deve ocorrer de fato a partir da segunda metade de 2021, avaliam os analistas, ao comentar as recentes notícias positivas sobre a eficácia das vacinas contra o coronavírus nos testes em larga escala. Hoje foi a vez da AstraZeneca, que seguiu as farmacêuticas Moderna e Pfizer nas semanas anteriores, todas com eficácia na casa dos 90%.

A Moody’s alerta que no curto prazo, o cenário pouco se altera, apesar dos resultados animadores dos testes. “As recentes notícias positivas sobre a eficiência das vacinas em desenvolvimento vão fazer pouco para reduzir as preocupações imediatas sobre o atual crescimento dos casos de covid nos Estados Unidos e Europa”, afirmam os analistas. No curto prazo, a evolução da pandemia permanece como gatilho essencial para o PIB dos diversos países.

Caso a vacinação em massa da população ocorra antes da metade de 2021, a Moody’s pode melhorar as previsões de crescimento para a economia mundial, na medida em que este movimento vai antecipar a retomada da atividade. Contudo, os analistas pontuam que há uma série de entraves, incluindo aprovações de reguladores em cada país, produção de bilhões de doses, além do armazenamento e da redes globais de distribuição de um medicamento sensível. “A distribuição provavelmente vai ocorrer em fases, uma vez que os reguladores aprovem a vacina.”

A Moody’s observa que há 10 vacinas na fase 3 de testes e, em um gráfico mostrado no relatório, os países que mais fizeram pedidos são, nesta ordem, Estados Unidos, União Europeia e Índia. O Brasil aparece em nono lugar no ranking, logo atrás de Canadá e Japão.

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Leia também

Conheça o Painel Acionista: em um só lugar tudo o que você precisa saber sobre investimentos