Mais de 33 empresas aderem ao movimento contra o desmatamento ilegal da Amazônia

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Receba notícias por Whatsapp

Receba notícias pelo Telegram

Representantes de 71 empresas, reunidas no Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (Cebds), disseram ter saído satisfeitos do encontro com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, na manhã desta terça-feira. A pauta de reivindicações é a mesma apresentada ao vice-presidente da República, Hamilton Mourão, no início do mês. Mas, dessa vez, contou com a assinatura de mais 33 empresas, inclusive do setor financeiro.

A reunião faz parte de uma série que está sendo realizada com os poderes executivo, legislativo e judiciário, na tentativa de as empresas influenciarem o atual debate sobre o meio ambiente e de melhorar a imagem do Brasil no comércio internacional. Os empresários têm preocupação especial que o desmate ilegal da Amazônia e outras práticas irregulares causem prejuízos no desenvolvimento dos seus negócios.

Após Mourão e Maia, o grupo deve conversar com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, e com o procurador-geral da República, Augusto Aras. Também devem entrar nessa agenda os governadores, principalmente os da região amazônica.

Segundo a presidente do Cebds, Marina Grossi, com essas reuniões, tem sido criado um canal de comunicação com os três poderes. “Hoje, há uma articulação melhor entre o setor privado e a Câmara. Esse grupo é pela transparência e, de forma alguma, para baixar o sarrafo da questão da sustentabilidade. Pelo contrário, para que a gente possa justamente mostrar o que a gente faz, dentro da segurança jurídica”, disse Grossi.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Publicidade

Leia também

Destaques da bolsa ativos durante o pregão - das 10h as 17h - Fonte: Google Finance - delay aprox. de 20 min.

*Dados inativos fora do horário do pregão.