Publicidade
Publicidade
Publicidade

Venda de eletrônicos cai até 30% na Black Friday

Data da publicação

“O Estado de S. Paulo” é o mais antigo dos jornais da cidade de São Paulo ainda em circulação . Em 4 de janeiro de 1875, ainda durante o Império, circulava pela primeira vez “A Província de S. Paulo” – seu nome original.

Destaques

Data da publicação

As vendas de eletroeletrônicos na Black Friday deste ano foram um fiasco. A queda na quantidade de produtos comercializados na data mais importante para os eletroeletrônicos chegou a 30% em relação à Black Friday do ano passado, segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Produtos Eletroeletrônicos (Eletros). A maior retração nos volumes ocorreu nas vendas de aparelhos de ar-condicionado (30%) e da linha branca – geladeiras, fogões e lavadoras (25%). Nos eletroportáteis e na linha de áudio e vídeo, o tombo foi menor, de 10% e 12%, respectivamente.

Em receita, houve um aumento nominal de 7% a 9%, mas, com uma inflação acumulada no ano de mais de 10%, a queda foi real. A expectativa de vendas da indústria para a data era de elevação do faturamento em cerca de 5%, já descontada a inflação.

Publicidade

“Tivemos queda no volume e um pseudo crescimento de faturamento, estamos muito preocupados”, afirma o presidente da Eletros, José Jorge do Nascimento. A preocupação é especialmente com o início do ano que vem. Em períodos normais, depois da Black Friday as lojas começam a fazer os pedidos para janeiro, pois geralmente negociam um único pacote de mercadorias para a promoção de novembro e o Natal. Neste ano, no entanto, como o varejo ficou estocado devido à frustração nas vendas, os pedidos para janeiro estão baixos ou nem estão sendo feitos.

O presidente da Eletros atribui o fraco desempenho da Black Friday à insegurança do consumidor para comprar bens duráveis, à concorrência com outras despesas, como os gastos com serviços, em razão da reabertura da economia, e sobretudo à inflação. Os preços dos eletroeletrônicos foram reajustados entre 12% e 15% na ponta neste ano.

Custos

Nascimento diz que o setor aumentou preços porque enfrenta forte alta de custos. Segundo ele, neste ano o aço, por exemplo, subiu 90% e o plástico, 50%. O preço do frete marítimo de um contêiner, que era de US$ 1 mil, hoje está em US$ 15 mil, depois de ter atingido US$ 30 mil ao longo do ano. Além disso, pesam na produção os custos com energia elétrica e a desvalorização do câmbio, uma vez que boa parte dos insumos é importada. “Seguramos 85% dos aumentos”, afirma o dirigente.

Publicidade

No entanto, diante do tombo nas vendas, a indústria diz estar no limite e já pediu uma audiência com o ministro da Economia, Paulo Guedes, para expor a situação. A intenção da reunião, segundo Nascimento, é pedir que o governo atue, aliviando os custos dos fabricantes. “Queremos construir com o governo uma agenda positiva com custo menor.”

Esse conjunto de medidas envolveria, por exemplo, a redução das tarifas de importação de aço, de energia elétrica e até o controle da variação cambial, sugere o dirigente. Paralelamente, a entidade planeja se reunir com a cadeia da indústria siderúrgica e de outros suprimentos para ver o que fazer para reduzir custos.

Natal

Enquanto esse nó não se resolve, a indústria vê as expectativas de vendas para o ano e o Natal minguarem. Até setembro, as quantidades vendidas cresciam neste ano entre 10% e 12% sobre 2020. Agora, o cenário realista é repetir o Natal do ano passado e fechar 2021 sem crescimento.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Autor

“O Estado de S. Paulo” é o mais antigo dos jornais da cidade de São Paulo ainda em circulação . Em 4 de janeiro de 1875, ainda durante o Império, circulava pela primeira vez “A Província de S. Paulo” – seu nome original.

Receba informações do mercado financeiro no seu celular gratuitamente

Compartilhe esse post nas suas redes!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Você pode se interessar por

Publicidade

Leia também

Publicidade

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão. Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso. Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Publicidade

Telegram Acionista

Os principais destaques do mercado! A melhor cobertura.

Esse site usa cookies para personalizar o conteúdo, propagandas e acompanhar o tráfego de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade.