Publicidade
Publicidade

Pesquisa inédita: estratégia de sustentabilidade não existe em 60% das empresas grandes e médias

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Estudo realizado pelo Instituto FSB Pesquisa para a Beon, consultoria de ESG do Grupo FSB, mostra que boas práticas são minoria entre companhias brasileiras



De Plurale/ De São Paulo

Apesar do tema ESG ter ganhado importante visibilidade a partir de uma crescente preocupação do mercado com práticas ambientais, sociais e de governança, 60% das grandes e médias empresas do Brasil ainda não possuem uma estratégia de sustentabilidade. Esse é um dos principais achados de um estudo inédito realizado pelo Instituto FSB Pesquisa para a Beon, consultoria de ESG do Grupo FSB.

A pesquisa foi realizada com mais de 400 empresários e CEOs de todos os setores econômicos e regiões do País, em amostra representativa das empresas de médio e grande porte. O objetivo foi avaliar a maturidade dessas organizações na gestão da sustentabilidade, usando como indicador a adoção de boas práticas no tema.

Além da existência de uma estratégia de sustentabilidade, o estudo buscou entender como as organizações consideram o contexto socioambiental em suas estratégias e avaliações de riscos e oportunidades. Apesar de 79% afirmarem que questões sociais relevantes estão presentes na estratégia de negócios, apenas 22% realizam gestão e acompanhamento dos seus temas ESG relevantes.

Para Danilo Maeda, diretor da Beon, consultoria de ESG que contratou a pesquisa, a combinação do lucro com benefícios socioambientais vale a pena. “Ter boas práticas de sustentabilidade é mais que um diferencial competitivo. É um requisito mínimo para qualquer negócio no século 21. O conceito de geração de valor compartilhado protege a organização no longo prazo e é uma premissa para investidores, consumidores e sociedade em geral. Vivemos a emergência da economia regenerativa, em que empresas são vistas como parte do problema e da solução”, explica.

Além de avaliar a existência de estratégias ESG, o estudo mostra que há desafios de implementação. As metas socioambientais, por exemplo, estão presentes em 31% das empresas pesquisadas. Em 50% destes casos (15,5% da amostra total), as metas estão relacionadas aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS). “As metas indicam comprometimento. Com transparência e boa governança, aceleram as mudanças, com benefícios para a empresa e seus públicos. A relação com os ODS conecta isso a um compromisso global do qual todos fazemos parte”, analisa Maeda.


Utilização de ferramentas para gestão sustentável também é baixa

A matriz de materialidade, que avalia os impactos mais importantes de uma empresa sob a ótica da gestão e de seus públicos estratégicos, está presente em apenas 19% das organizações. Destas, 42% contaram com participação dos stakeholders no processo (8% da amostra total). Outros números também indicam baixa adesão às melhores práticas ESG: apenas 29% possuem estrutura formal para governança da sustentabilidade e só 43% têm mapas de risco socioambiental, por exemplo.

“A primeira coisa que as empresas podem fazer para mudar esse cenário é investir em engajamento com stakeholders para identificar as questões sociais e ambientais mais relevantes em seu negócio e cadeia de valor. A partir daí, é preciso traçar uma agenda estratégica que estabeleça um senso de direção claro, integrar sustentabilidade ao negócio, revisar práticas e implantar novos processos e ferramentas. É uma jornada contínua e muitas vezes difícil, mas que vale a pena. Vimos na pesquisa que o mais importante para as empresas do Brasil hoje é começar”, ressalta Maeda.


Abaixo, alguns destaques da pesquisa:

– Enquanto 37% possuem uma estratégia de sustentabilidade (60% não possuem e 3% não responderam), 43% têm mapas de risco socioambiental. Dessas, 42% (18% da amostra total) consideram toda a cadeia de valor (incluindo pós-consumo).

– As metas socioambientais estão presentes em 31% das empresas. Dessas, 50% as relacionam com os ODS (Objetivos do Desenvolvimento Sustentável). Nesse grupo, 19% ligam as metas à remuneração das lideranças. Ou seja: na amostra total, 3% das empresas atrelam remuneração dos executivos a metas socioambientais.

– 29% das empresas possuem estrutura formal para governança da sustentabilidade.

– Apenas 19% das empresas possuem matriz de materialidade. Destas, 42% contaram com participação de stakeholders na análise de temas materiais (8% da amostra total) e 46% refazem o processo regularmente.

– 22% fazem gestão e acompanhamento dos temas ESG relevantes.

– Por outro lado, 79% afirmam que questões sociais relevantes estão presentes na estratégia de negócios.


Sobre a Beon

A Beon é a consultoria de temas ESG do Grupo FSB. Ela apoia seus clientes em estratégias de sustentabilidade, práticas de governança e gestão de impactos sociais e ambientais. As entregas incluem projetos de consultoria feitos sob medida e produtos como avaliação de materialidade, agenda estratégica, gestão de indicadores, relatos integrados e iniciativas de impacto socioambiental, além de treinamentos, engajamento e comunicação com foco em ESG.


Instituto FSB Pesquisa

O Instituto FSB Pesquisa é o instituto de pesquisas do Grupo FSB. Presente no mercado há mais de 12 anos, realiza estudos e pesquisas sobre os mais diversos assuntos. Todas as pesquisas de opinião são feitas dentro dos códigos e regras de conduta da ABEP (Associação Brasileira das Empresas de Pesquisa) e da WAPOR (World Association for Public Opinion Research).

Publicidade

Plurale

Plurale

Plurale em revista traz para você, em edições bimestrais, o debate amplo e plural – como indica o nome da publicação, em latim – de temas ligados ao ESG, sustentabilidade e casos de empresas nestas áreas. Você pode fazer agora sua assinatura de Plurale em revista, recebendo em casa ou no trabalho.

Você pode se interessar por

Plurale em revista traz para você, em edições bimestrais, o debate amplo e plural – como indica o nome da publicação, em latim – de temas ligados ao ESG, sustentabilidade e casos de empresas nestas áreas.

Você pode fazer agora sua assinatura de Plurale em revista, recebendo em casa ou no trabalho.

Publicidade

Leia também

Tire dúvidas sobre investimentos

Publicidade

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão. Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso. Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Publicidade

Participe do Telegram Acionista!

Receba informações do mercado financeiro gratuitamente.

Não vá embora ainda!

Conheça nosso Clube exclusivo e gratuito

Esse site usa cookies para personalizar o conteúdo, propagandas e acompanhar o tráfego de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade.