Publicidade

O pior semestre em 40 anos

Data da publicação

Categoria

A Inv é uma casa de análise financeira independente, regulada pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários). Não temos vínculo com nenhuma instituição financeira. Por isso, temos total liberdade para emitir opiniões e recomendações. Nosso propósito é levar a informação que você precisa para tomar a melhor decisão nos seus investimentos. Nosso time de especialistas é plural, sendo formado por profissionais extremamente capacitados. Cada qual com a sua especialidade e conhecimento de sobra na sua área mas, principalmente, com muita vivência de mercado. Na Inv, você aprende a investir na prática, de uma forma simples. Sem complicações. Para que você tenha sucesso nos investimentos.

Categoria

Data da publicação

Não é novidade que nos últimos anos passamos por eventos que marcaram a história. Sim, estou me referindo à pandemia e à guerra, mas também me refiro ao estouro, a partir desses gatilhos, das consequências das decisões dos governos e bancos centrais ao redor do mundo.

O resultado? Inflação.

Apesar de os números referentes ao mês de junho ainda não terem sido divulgados, já conseguimos ter uma bela noção de como será o fechamento do semestre com os dados de maio. Tanto no Brasil quanto nos EUA, os preços da cesta de consumo subiram aproximadamente 5%, ou seja, a inflação que já estava alta em janeiro não só se manteve alta, como intensificou. Lá, a taxa anual está em 8,6%, aqui em 11,7%, e na Europa, o crescimento é ainda pior: de 4,6% para 8,6%. 

Uma das respostas para combater o aumento de preços, que é completamente nociva às classes mais baixas da sociedade, foi o aumento dos juros no mundo. O grande problema disso é que como os novos títulos estão sendo oferecidos com taxas maiores, os títulos preexistentes se desvalorizaram, sendo que é neste mercado que grande parte do capital do mundo está.

Aqui no Brasil, por exemplo, esse processo de aumento de juros já havia começado no ano passado, alcançando a taxa de 13,25% ao ano ao fim do semestre. Nos EUA, que só começou esse movimento de alta em março, os juros estavam entre 0% e 0,25% ao ano e, agora, se encontram entre 1,5% e 1,75%. Já a Europa, atrasada nesse processo, começou e terminou o semestre sem alterar o seu juro negativo, de -0,5% ao ano.

Outra consequência do aumento dos juros é que o capital tende a circular no mundo em busca de capturar essas taxas mais atrativas, afetando diretamente o câmbio dos países envolvidos. A Europa, por exemplo, por ter uma taxa menos atrativa, perdeu em competitividade. Consequentemente, seu câmbio vem se desvalorizando contra seu principal competidor, o dólar.

Com isso, o dólar que em janeiro comprava 0,87 euros, hoje compra 0,96 euros, quase 10% a mais. Já o Brasil, com taxa mais atrativa e fiscalmente mais sólida que os pares emergentes, teve seu câmbio valorizado contra o dólar em 5,5%.

Uma terceira consequência do aumento de juros no mundo é a desvalorização das empresas. Isso acontece tanto porque as companhias precisam entregar muito mais resultados para gerar um retorno maior que o dos juros básicos visto que há uma fuga de capital em busca de segurança, migrando da bolsa para esses títulos que agora estão pagando mais.

Nos EUA e na Europa essa queda no semestre foi de 20% e, no Brasil, de 6%. Calcula-se que o valor de mercado das empresas listadas no mundo, em dólares, caiu de 120 trilhões para 98 trilhões. Assim como também houve uma queda muito grande no mercado de criptomoedas, de 2,2 trilhões de dólares para 860 milhões de dólares. 

Mas, claro, alguns mercados conseguiram resistir. Um dos principais índices de commodities, o CRB, apesar de ter sofrido uma forte queda recentemente, ainda fechou o período no positivo, com uma alta de 3,1%. Isso se deve, em grande parte, pelas commodities que mais se valorizaram, as de energia, que foram diretamente afetadas pelos conflitos na Europa. O XLE, ETF das empresas desse segmento, mesmo com a recente queda de 20%, fechou o semestre subindo 30%. 

A destruição de valor foi gigantesca, como nunca registrada. Seja no mercado de renda fixa, de renda variável ou até de criptomoedas, no geral, as pessoas perderam dinheiro. Portanto, não se culpe se esse for o seu caso. Mas, se você quer fazer parte do grupo de pessoas que conseguiram multiplicar o patrimônio mesmo num cenário como esse, conheça as nossas séries com diferentes estratégias como a Você Gestor e a Top Trades.

Nícolas Merola, analista CNPI na Inv Publicações.

Autor

A Inv é uma casa de análise financeira independente, regulada pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários). Não temos vínculo com nenhuma instituição financeira. Por isso, temos total liberdade para emitir opiniões e recomendações. Nosso propósito é levar a informação que você precisa para tomar a melhor decisão nos seus investimentos. Nosso time de especialistas é plural, sendo formado por profissionais extremamente capacitados. Cada qual com a sua especialidade e conhecimento de sobra na sua área mas, principalmente, com muita vivência de mercado. Na Inv, você aprende a investir na prática, de uma forma simples. Sem complicações. Para que você tenha sucesso nos investimentos.

Informações + Recomendações de investimentos em um só lugar

Compartilhe esse post nas suas redes!

Você pode se interessar por

Publicidade

Leia também

Publicidade

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão. Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso. Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Publicidade

Esse site usa cookies para personalizar o conteúdo, propagandas e acompanhar o tráfego de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade.