Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Receba notícias por Whatsapp

Receba notícias pelo Telegram

Hoje estamos fechando o mês de julho, dia complicado pelo registro da PTAX, mas com a Bovespa acumulando alta (faltando hoje) de 10,47%, mas com o ano ainda negativo em 9,2%. Ontem, os mercados de risco no mundo acusaram o impacto de resultados do segundo trimestre não tão positivos para muitas empresas, PIBs anunciados com forte contração (destaque para os EUA com -32,9% e tendo como pano de fundo a nova expansão da covid-19, que retira a expectativa de recuperação mais rápida das economias, e embute a necessidade de novos programas de estímulos por países.

Além disso, temos a deterioração das relações diplomáticas entre os EUA e a China e Trump levantando a hipótese de adiar as eleições americanas, ele que está atrás nas pesquisas e com a economia mostrando forte desaceleração no presente.

Hoje novamente os investidores vão ter que avaliar a divulgação de PIBs em diferentes países e a safra de balanços, só que dessa vez com resultados positivos das empresas de tecnologia, com destaque para o resultado recorde da Amazon com lucro de US$ 5,2 bilhões no segundo trimestre.

As Bolsas da Ásia terminaram o dia com quedas, Europa começou no campo positivo, mas vai perdendo tração e futuros do mercado americano operando com valorizações, principalmente o Nasdaq. Aqui, seria muito bom que conseguíssemos manter patamar acima dos 105 mil pontos (fechamos em 105.008 pontos), para tentar buscar objetivo ao redor de 108 mil pontos.

O dia está sendo de anúncio de PIB em diferentes países, todos com contrações históricas e mostrando o real efeito da covid-19. Na França, queda do PIB do segundo trimestre de 13,8%, na Espanha contração de 18,5% e na Itália com -12,4%. Na zona do euro, a queda ficou em 12,1%. Na Alemanha, que já tinha anunciado contração ontem de 10,1%, foram divulgadas as vendas no varejo de junho com queda de 1,6%.

Já na China, o PMI industrial de julho subiu para 51,1 pontos, vindo de 50,9 pontos, enquanto o PMI de serviços retrocedeu para 54,2 pontos, de anterior em 54,4 pontos. No mercado internacional, o petróleo WTI negociado em NY mostrava alta de 0,45%, com o barril cotado a US$ 40,10. O euro tinha alta para US$ 1,186 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 0,53%. O ouro e a prata mostravam forte desempenho nesse início de manhã na Comex e commodities agrícolas com comportamento misto na Bolsa de Chicago.

Aqui, a Petrobras anunciou ontem prejuízo no segundo trimestre de R$ 2,7 bilhões, sem efeitos de impairment, mas os números indicam que o “fundo do poço” já foi atingindo. Já o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, disse que o governo precisa encaminhar logo a reforma administrativa.

Ao longo do dia, ainda teremos indicadores com capacidade de mexer com os mercados. Aqui, sairá a nota de política fiscal de junho e nos EUA a inflação medida pelo deflator de consumo PCE, a renda e gasto pessoal de junho e a confiança do consumidor de Michigan de julho.

A expectativa é que a Bovespa possa recuperar perda de ontem, dólar ainda fraco e juros em queda.

Alvaro Bandeira
Sócio e economista-chefe do banco digital Modalmais
Fonte: www.modalmais.com.br/blog/falando-de-mercado

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Publicidade

Leia também

Destaques da bolsa ativos durante o pregão - das 10h as 17h - Fonte: Google Finance - delay aprox. de 20 min.

*Dados inativos fora do horário do pregão.

Todos os dias diversas Corretoras e Casas de Análise atualizam seus boletins com as principais notícias do mercado de investimento. Acesse agora!

Agruras e expectativas da reforma tributária

Por: Nelson Tucci

Toda segunda-feira

Agruras e expectativas da reforma tributária

Por: Nelson Tucci

Toda segunda-feira