MANHÃ DO MERCADO: Dando um tiro no próprio pé

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Receba notícias por Whatsapp

Receba notícias pelo Telegram

Terra

Ranking de Ações: JBSS3 na lanterna com baixa de -4,57%.

Qual ação estará no topo do Ranking?
A sua será a líder ou ficará na lanterna?

👉 Acesse aqui e saiba mais!


🌎 CENÁRIO EXTERNO

Dando um tiro no próprio pé

Mercados

Bolsas asiáticas encerram o pregão de ontem em tom misto, refletindo, em parte, o pobre desempenho das bolsas ocidentais. Na zona do euro, o Stoxx 600, índice que abrange uma gama de ativos ao redor do continente, opera acerca da estabilidade, enquanto futuros em NY retomam a trajetória altista. O dólar segue perdendo força contra seus principais pares (DXY) e as commodities seguem em alta. Destaque para o preço do petróleo (Brent Crude) que, ao operar em leve alta, é negociado em torno dos US 42,60/barril.

Estímulos nos EUA

Como mencionamos no Mercados Hoje de ontem, o dia de hoje é crucial para determinar o avanço (ou não) de mais um pacote de estímulos antes das eleições. Comentamos o ultimato dado por Pelosi para acordar um pacote em até 48hrs, ou seja, hoje, enquanto ela e o presidente do Tesouro, Steve Mnuchin, continuam discutindo os detalhes em torno do pacote. Democratas e republicanos ainda seguem divididos sobre questão relacionadas à magnitude de recursos para os cofres dos estados e municípios, créditos tributários para famílias de baixa renda e a instalação de direitos de proteção de responsabilidade.

O maior problema está no senado

A despeito de ver o maior alinhamento entre democratas e a Casa Branca como algo definitivamente positivo; entendemos que os republicanos, chefes do Senado, são o maior entrave. Mesmo que Pelosi e Mnuchin cheguem em um acordo definitivo, para aprovar o pacote seria necessário votos suficientes dentro da Casa Alta. Isto, no entanto, parece pouco provável. John Thune, o número dois no Senado, disse que seria “difícil” encontrar membros suficientes do partido republicano para aprovar o pacote de US$ 1,8 trilhão proposto por Trump. Mais difícil ainda seria encontrar votos suficientes para passar um pacote ainda maior, como o de US$ 2,2 trilhões proposto pelos democratas. O mercado, por sua vez, continua cético, precificando a aprovação de um novo pacote somente após as eleições do dia três de novembro.

Nossa visão

A rejeição à aprovação de mais um pacote trilionário por parte dos republicanos demonstra um apego ferrenho à ideologia fiscalista que, no atual momento, somente eleva as chances de uma “onda azul” (resultado eleitoral onde os democratas tomam controle das duas casas do Congresso e da Casa branca) se materializar. O estado precário do mercado de trabalho – que ainda conta com uma elevada taxa de desemprego e altas preocupantes nos pedidos de seguro-desemprego – tende a se intensificar quanto mais tardio for o processo de aprovação de um novo pacote de gastos. Assim, um cenário como este tende a subtrair popularidade dos que estão no poder e lutam contra uma clara reversão, ao menos parcial, deste cenário. Em outras palavras, os republicanos parecem estar dando um tiro no próprio pé ao não compreender que a trajetória da dívida pública americana tenderá em direção à estabilidade no ano que vem, pois a taxa de crescimento do PIB certamente será maior do que a taxa real de juros.

Na agenda

Em dia relativamente morno de indicadores econômicos, os destaques ficam com as novas construções residências, publicadas pelo Conference Board, e os discursos de J. Williams (Fed de NY) e Evans (Fed de Chicago).

CENÁRIO BRASIL

Novo acordo com o EUA ocorre em meio a dúvidas em torno da relação entre os dois países

O Banco Central deveria subir a Selic?

Existe, atualmente, a narrativa dentro do mercado financeiro que o atual nível de 2,00% na taxa Selic está “errado”. Proponentes desta linha de argumentação enunciam que o atual nível da taxa básica é incondizente com o risco fiscal vigente; além de não se justificar perante a recente aceleração do IPCA. A despeito de atrativa, acreditamos que esta linha de argumentação está errada.

O que importa é inflação na meta

Os que propõem tal argumento, no entanto, se esquecem de alguns fatos importantes que norteiam a condução da política monetária. Primeiro, o trabalho do Banco Central é, antes de mais nada, colocar a inflação na meta. Este é o job description dele. Como as projeções do BC, assim como as expectativas de inflação, para 2020 e 2021 ainda estão abaixo de suas respectivas metas, torna-se claro a presença de um elevado grau de estímulo monetário.

Os parâmetros objetivos da macroeconomia importam

Ainda, a elevada capacidade ociosa deixada pela pandemia tende a intensificar forças desinflacionarias, fazendo com que a inflação fique consistentemente abaixo da meta no horizonte relevante para a política monetária. Por último, a recente aceleração do IPCA – primordialmente em virtude da alta dos alimentos – é transitória, uma vez que, para que continue, seria necessária uma contínua aceleração do câmbio e/ou dos preços das commodities no mercado internacional. Dificilmente a taxa de câmbio acelerará além de seu atual nível, ao passo que as commodities já começam a dar sinais de desaceleração. A última divulgação do Índice de Commodities do BC (IC-BR) mostrou forte arrefecimento nos preços dos itens agropecuários.

Novo acordo Brasil/EUA

O Brasil e os EUA acabam de assinar um pacote de medidas para fomentar o comercio entre os dois países. Entre a medidas se encontram iniciativas que visam facilitar o comércio, as boas práticas regulatórias e o combate à corrupção. Segundo o presidente Jair Bolsonaro, que celebrou o acordo em vídeo enviado à Câmara de Comercio Brasil-EUA; o pacto “será capaz de reduzir burocracias e trazer mais crescimento à relação bilateral”. As medidas não abordam questões tarifarias.

Momento crítico na relação dos países

A assinatura do pacote ocorre na esteira da maior queda no volume de trocas comerciais entre o Brasil e os EUA em 11 anos, que, ao registrar um total de US$ 33,4 bilhões, configurou uma queda de 25,1% em relação ao mesmo de período de janeiro a setembro em 2019. O resultado é mais um sintoma da pandemia do que qualquer alteração no relacionamento entre os dois países. Mesmo assim, o atual momento se destaca devido à proximidade das eleições americanas, que agregam uma camada de incerteza ao relacionamento bilateral, já que o presidente Jair Bolsonaro endossou de forma explicita o incumbente Donald Trump, além de se tornar alvo de críticas do seu adversário, Joe Biden, devido a sua gestão ambiental.

Bolsonaro estabelece prioridade da reforma administrativa

Durante o mesmo evento da Câmara de Comércio, o presidente Jair Bolsonaro destacou a reforma administrativa como o próximo item na pauta de reformas. A prioridade do presidente difere da defendida por Rodrigo Maia (DEM-RJ), que citou a PEC Emergencial como a proposta que deveria ser tratada com maior urgência em 2020. A declaração exemplifica uma evolução surpreendente do presidente em relação ao tema, já que há poucos meses Bolsonaro pretendia postergar a reforma, que já está pronta desde 2019, até 2021. De qualquer forma, como já destacamos anteriormente, a reforma administrativa tem sido recepcionada pelo Congresso com muito menos resistência do que outras pautas prioritárias, como a tributária e a PEC emergencial.

Maia volta a rechaçar extensão do decreto de calamidade pública

Em resposta a uma matéria da CNN Brasil que relatava que o presidente da Câmara dos Deputados “não se opõe a prorrogar auxílio (emergencial)”, Rodrigo Maia publicou uma mensagem nas rede sociais esclarecendo que é contra a prorrogação do decreto de calamidade e destacou a necessidade de encontrar uma solução dentro do teto de gastos. A matéria informava que o demista estava aberto a novas parcelas, desde que fossem contabilizadas dentro do teto. A correção de Maia ocorre na esteira de uma declaração no sábado onde o presidente da Câmara se posicionou contra a postura de alguns parlamentares anônimos no Congresso que já defendem a necessidade de parcelas adicionais do auxílio em 2021.

Roberto Campos Neto destaca “ponto de flexão” de credibilidade fiscal

O presidente do BC, Roberto Campos Neto, ressaltou, em evento realizado pela Milken Institute, uma entidade de pesquisa econômica, o importante momento econômico vivido pelo Brasil, comparando-o com um “ponto de inflexão”. Segundo Campos Neto, o Brasil precisa passar credibilidade e retomar os investimentos privados. O presidente do BC também ressaltou a necessidade de convencer os operadores de mercado que haverá continuidade na agenda de ajustes (reformas).

Bolsonaro não tem sucessor claro para Guedes

O alinhamento de visão entre Campos Neto e o ministro Paulo Guedes (Economia), que defende a mesma linha de pensamento; é relevante, já que muitos enxergam Campos Neto como um sucessor natural para a pasta econômica. Apesar de ser visto como um possível sucessor para Guedes, muitos no governo, como o ex-presidente do Banco do Brasil; Rubem Novaes, apostam que Campos Neto também entregaria o seu cargo na hipótese de uma saída de Guedes.

Na agenda

Assim como no exterior, a agenda econômica local morna trás apenas a segunda prévia do IGP-M para o mês de outubro. O índice ainda deve continuar pontuando a pressão advinda dos alimentos, mas deve apresentar uma desaceleração para 2,67% ante alta de 4,57% em setembro.

E os mercados hoje?

Bolsas internacionais sobem na expectativa de algum desfecho em torno da aprovação de mais um pacote de estímulos nos EUA. Caso Mnuchin e Pelosi cheguem a um acordo, mercados tenderão a se beneficiar. A resistência dentro do senado, no entanto, se apresenta como um impedimento preocupante. Aqui no Brasil, a defesa em prol da reforma administrativa por parte de Bolsonaro emite o sinal correto na medida em que demonstra comprometimento com a ajuste fiscal. De qualquer maneira, ativos domésticos devem reagir com maior vigor aos movimentos das bolsas americanas.

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Leia também

Leia também