Publicidade
Publicidade

‘A árvore tem de valer mais em pé do que deitada’, afirma Alysson Paolinelli

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
O agrônomo Alysson Paolinelli, de 85 anos, dedica boa parte de seu tempo à busca e à implementação de soluções para a produção sustentável no País. Nesta entrevista, ele fala sobre as saídas para conter o desmatamento na Amazônia – tema do evento Wake Up Call Amazônia, Já, que será realizado em Porto Velho (RO) na quarta e na quinta-feira – e diz que, sem alternativas sustentáveis para gerar renda para a população da região, o problema vai continuar. “Quando a ciência botar a árvore em pé valendo mais que deitada, o desmatamento vai diminuir.”

 

Recentemente, na COP-26 (Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas de 2021), em Glasgow (Escócia), o Brasil ficou na posição de vilão, por causa do desmatamento da Amazônia. Como o sr. vê essa questão?

 

Isso não é novidade. O Brasil está como vilão há muito tempo. Para mim, essa visão tem um fundo ideológico. As viúvas do Muro de Berlim não morreram. Há também uma guerra econômica em curso. No Brasil, houve uma revolução na produção de alimentos que trouxe estabilidade e garantia para o abastecimento mundial. Mas o mundo livre não aceita que países como o Brasil se destaquem. De outro lado, a ONU e a FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura) consideram que essa revolução que o Brasil fez é importante. Só que o grupo de Glasgow não quer reconhecer isso. Deixa a gente de lado.

 

Há uma percepção de que o crescimento da produção se deu e está se dando em prejuízo do meio ambiente. Como o senhor analisa isso?

 

É evidente que a Amazônia está sendo desmatada. Mas 90% ainda estão preservados. Ou outros 10% me preocupam. Agora, não será só proibindo o desmatamento que vamos resolver o problema. Enquanto a árvore valer mais deitada do que em pé, não há polícia, não há exército que controle o desmatamento.

 

Por que é tão difícil, na sua visão, controlar o desmatamento na Amazônia?

 

Nós temos, na Amazônia, mais de 25 milhões de pessoas famintas, com o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) mais baixo do País, fazendo extrativismo e ganhando dois terços do salário mínimo. Elas precisam de renda. Os países ricos ainda não se deram conta de que existe uma área tropical no globo que é faminta, miserável.

 

O que é possível fazer para manter a árvore em pé?

 

O caminho é a biotecnologia. Temos de achar pela ciência uma forma de tirar rentabilidade sem degradar o bioma. No momento em que a ciência botar a árvore em pé valendo mais do que deitada, pode tirar a polícia da floresta, porque o desmatamento vai diminuir. A ciência pode reverter isso, mas lá fora não querem escutar a ciência tropical. Acredito na ciência. Não sou cientista, mas admiro os cientistas.

 

Ainda não entendi, na prática, o que vai manter a árvore em pé.

 

A primeira forma é o uso sustentável da árvore. Hoje, temos técnicas de manejo sustentado em florestas com belíssimos resultados. Você corta a árvore que lhe interessa e dá dinheiro, planta duas ou três no lugar dela e faz o manejo. Há projetos assim no Pará, em Rondônia, em vários locais. Há vários exemplos também de piscicultura e produção sustentável de açaí, café, dendê e castanha, que dialogam com a preservação da floresta.

 

Agora, como manter em pé as árvores que estão lá?

 

Você tem de arrumar uma forma de garantir renda para a população para que, pelo menos, o trópico úmido não seja mexido. Ele não serve para plantar, para boi. Chove demais. A organização do produtor é outro problema. As cooperativas do Sul conseguem entrar na casa do consumidor europeu, asiático, porque os produtores são organizados E na Amazônia e no Nordeste a gente não tem isso.

 

É possível, então, aumentar a produção de alimentos de forma mais sustentável?

 

Sem dúvida. O mundo pode ter sustentabilidade na produção com essa tecnologia tropical. Quem vai plantar, usar os recursos naturais, tem de fazer isso com sustentabilidade.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Encontre o que você precisa

Personalize da forma que achar melhor e tenha o seu acesso conforme a sua preferência:

Em pouco cliques, customize quais assuntos você quer que apareçam na sua home.

Publicidade

Os ativos mais recomendados e vantajosos no mercado imobiliário

Salve conteúdos para ler quando quiser e não perca nenhuma atualização.

Publicidade


Tudo isso pelo Meu Feed, no Clube Acionista.

Publicidade

Poupamos seu tempo na busca pelo o que acontece diariamente no mercado

A transparência para as suas decisões de investimentos.

Encontre relatórios de instituições concorrentes, compare entre as sugestões e deixe de ter que se cadastrar em cada canto da internet para receber suas notificações preferidas.

Conheça o Clube Acionista, a plataforma que reúne diversos especialistas do mercado em um só lugar. A facilidade de não precisar sair procurando por boa informação em diferentes canais.

APROVEITE!

Estadão Conteúdo

Estadão Conteúdo

"O Estado de S. Paulo" é o mais antigo dos jornais da cidade de São Paulo ainda em circulação . Em 4 de janeiro de 1875, ainda durante o Império, circulava pela primeira vez "A Província de S. Paulo" - seu nome original.

Você pode se interessar por

Acionista consome. Acionista investe.

Consumir da empresa que você é
Acionista auxilia nos seus rendimentos?

Receba notícias pelo Telegram

Publicidade

Publicidade
Publicidade

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão. Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso. Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Publicidade

Parabéns!
Cupom de Desconto Descoberto!

Cupom: BEMVINDO10

Participe do Telegram Acionista!

Receba informações do mercado financeiro gratuitamente.

Não vá embora ainda!

Conheça nosso Clube exclusivo e gratuito

Esse site usa cookies para personalizar o conteúdo, propagandas e acompanhar o tráfego de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade.