Lucro líquido da Cielo vai a R$ 1,580 bi em 2019, declínio de 49,7% ante 2018

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Tire dúvidas sobre investimentos

Receba notícias pelo Telegram

A Cielo, controlada por Bradesco e Banco do Brasil, teve lucro líquido de R$ 1,580 bilhão em 2019, cifra 49,7% menor que a vista em 2018, de R$ 3,140 bilhão.

A geração de caixa medida pelo Ebitda da Cielo somou R$ 1,798 bilhão, redução de 50,6% em relação a 2018, de R$ 3,644 bilhões. Já a receita líquida da Cielo totalizou R$ 5,3 bilhões, queda de 17,8%, na mesma base de comparação.

O volume financeiro da Cielo totalizou R$ 683,1 bilhões em 2019, aumento de 9% em relação a 2018, de R$ 626,5 bilhões. No ano passado, a Cielo capturou 7,1 bilhões de transações, aumento de 2,9% em relação a 2018.

Em relatório que acompanha suas demonstrações financeiras, a Cielo destaca que 2019 foi um ano de mudanças para o Brasil e para o mercado de meios de pagamento. Menciona ainda as alterações estruturais feitas pela atual gestão, sob o comando de Paulo Caffarelli, com ênfase em três unidades de negócios: Grandes Contas, Varejo e Empreendedores.

Adicionalmente, a companhia implementou um novo modelo comercial, contratando mil vendedores, chamados de hunters com o objetivo de trazer novos clientes. Como resultado, aumentou em 18% a quantidade de clientes, atingindo a marca de 1,6 milhão.

“Terminamos 2019 convictos de que cumprimos nossa missão. Estamos preparados para 2020, ano em que a Cielo completa 25 anos de existência e liderança”, acrescenta a Cielo.

Os gastos totais (custos e despesas) na Cielo, desconsiderando os efeitos de equivalência patrimonial, totalizaram R$ 4,114 bilhões, aumento de 9,7% em relação a 2018.

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Leia também

Conheça o Painel Acionista: em um só lugar tudo o que você precisa saber sobre investimentos