Publicidade
Publicidade

Mulheres em Ação

A urgência da alfabetização financeira das mulheres

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

No nosso último artigo, “Alfabetização Financeira e Inclusão de Gênero” traçamos um panorama sobre os dados que demonstram a baixa alfabetização financeira das pessoas de modo geral especialmente no Brasil. Mas também trouxemos dados que demonstram o quanto as mulheres  ainda estão mais atrás nessa equação. São indicadores de nível de alfabetização financeira os três construtos proposto pela OECD – Organization for Economic Co-operation and Development / International Network on Financial Education: a atitude financeira, o comportamento financeiro e o conhecimento financeiro. A OECD define a alfabetização financeira como um combinado de conhecimentos, habilidades e técnicas, que se somam para auxiliarem nas tomadas de decisões a fim de chegar ao bem-estar financeiro pessoal.

Sabemos que quanto mais bem alfabetizada financeiramente uma pessoa estiver, maior será a sua capacidade de fazer escolhas que rompam com as barreiras de ascensão financeira. Decisões financeiras bem informadas favorecem a gestão adequada das finanças pessoais, pois ajudam a poupar, a ter bons resultados nos investimentos, a obter mais crédito e pagar menos juros, o que permite financiar uma vida equilibrada e sustentável no futuro.

Sem uma compreensão mínima dos conceitos financeiros básicos, as mulheres estarão menos preparadas para tomarem decisões eficientes, o que as torna vulneráveis financeiramente, sendo o grupo que mais necessita dos programas de educação financeira, e o grupo que potencialmente mais se beneficiaria.

Publicidade




A importância do conhecimento financeiro aumenta com a complexidade financeira do mercado. A frequente oferta de uma ampla gama de produtos financeiros que vem sendo oferecidos para a população em geral torna o conhecimento mais necessário e as escolhas de investimentos ainda mais críticas. Hoje, as pessoas estão tendo acesso a um número cada vez maior de produtos e de serviços financeiros e devem decidir quais desses produtos são adequados para elas, quais deles oferecem maior vantagem e lucratividade a curto e longo prazo e com menor risco de perda do capital.

Com a chegada de um número expressivo de Fintechs no mercado brasileiro, a inclusão do PIX e mais recentemente, a abertura das informações bancárias com  o modelo do Open Banking, vem aumentando a complexidade das decisões financeiras.  Além da existência de um cenário financeiro cada vez mais complexo, o que dificulta decidir como tratar as finanças pessoais, as mulheres estão nadando em um mar de serviços financeiros, pois cresce a cada dia a oferta de serviços e produtos de finanças, especialmente, com o número de Fintechs que surgiram nos últimos anos. Com a crise gerada pela pandemia por Covid-19 e o consequente isolamento social, acelerou-se o processo de inclusão financeira tornando-se bancarizados 174 milhões de brasileiros. O número de mulheres com uma conta bancária aumentou, mas considerando que permanece baixo o nível de alfabetização das mulheres, não podemos afirmar elas estejam preparadas para enfrentarem os desafios que irão encontrar nas finanças.

A falta de domínio e a falta de informação financeira provocam o aumento dos custos de emprestimos e a perda de oportunidades financeiras para as mulheres. Por exemplo, se a consumidora não consegue entender o conceito de juros composto, poderá gastar mais em taxas de juros, acumular dívidas maiores e assumir juros mais altos pagos pelos empréstimos tomados conforme foi apontado nos estudos de Lusardi e Tufano (2015). Elas também acabam pedindo mais empréstimos, para pagar os juros do financiamento e economizando menos dinheiro (Stango e Zinman, 2009), consequentemente, terão menos dinheiro disponível no final, por exemplo, para a aposentadoria.

Quando as mulheres aprendem mais sobre finanças, entendem verdadeiramente a importância de poupar e de investir e aprendem: “sobre os tipos de produtos financeiros devem adiquirir; como evitar os financiamentos com juros abusivos; como escolher melhor entre as diferentes opções de crédito oferecidas no mercado; como investir o excedente dos ganhos, como diversificar seus investimentos e, também, como fazer um planejamento adequado para se financiar no futuro.

Ter um bom nível de conhecimento sobre alfabetização financeira é muito importante para as mulheres, visto que, em média, vivem mais que os homens, de forma que necessitam acumular mais recursos para financiarem a vida por mais tempo. Além disso tendem a receber salários menores do que o dos homens, além de possuírem uma maior rotatividade no mercado de trabalho e não acumularem recursos de aposentadoria nos períodos de licença maternidade. Todos estes fatores contribuem para uma menor acumulação de riqueza e segurança financeira ao longo da vida, ou seja, as mulheres são mais propensas a não possuírem uma estabilidade econômica na velhice.

Os benefícios potenciais da educação financeira são incontáveis para a inclusão financeira de gênero. A alfabetização financeira  é o principal fator de inclusão de gênero, pois permite usar o conhecimento para gerir nossas finanças com autonomia. Ao fazerem uma gestão adequada da renda, as mulheres previnem o endividamento e guardam mais para o futuro. Ter uma boa educação financeira auxilia as mulheres a se tornarem mais predispostas a planejarem sua aposentadoria, gerando criação de patrimônio, garantindo seu bem-estar no futuro e uma boa vida financeira.

Por Vanise Goulart Zimmer.

Presidente e fundadora da Elasbank. É Psicóloga e Empresária Social. Mestre em Psicologia Social e Doutora em Engenharia de Produção pela Escola Politécnica da USP (2008). É Especialista em Estudos de Gênero e Tecnologia pela Universidade Leibniz de Hannover na Alemanha. Atuou por anos como pesquisadora tendo a oportunidade de desenvolver o tema Cognição e Tomada de Decisão, em Finanças, gestão de portfólio, risco financeiro, relações de gênero, trabalho e tecnologia, interface e usabilidade de sistemas.

Fonte de dados:

Pesquisa Global de Literacia Financeira da Standard & Poor’s Ratings Services (S&P Global FinLit Survey);

Brasil. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Brasil no Pisa 2018 [recurso eletrônico]. – Brasília : Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2020. 185 p. : il.

Rede Internacional de Educação Financeira (INFE) da Organização para Cooperação Econômica e Desenvolvimento (OCDE);

Capacidade Financeira e Pesquisas Domiciliares do Banco Mundial;

Projeto de Alfabetização Financeira ao redor do Mundo (FLAT World).

Efeitos de longo prazo da educação financeira em escolas brasileiras: evidências de ação educacional de 2010-2011 Estudo Especial nº 82/2020 – Divulgado originalmente como boxe do Relatório de Economia Bancária (2019)

ElasBank

ElasBank

A empresa ElasBank atua focada na prestação de serviços financeiros voltados para o atendimento ao seguimento de Fintech Ladies, Startups e empreendedoras que fornecem serviços para o público feminino.

Newsletter Mulheres em Ação

Cadastre-se e receba semanalmente as novidades da página e dicas de conteúdos exclusivos.

Você pode se interessar por

Publicidade

Leia também

Acionista consome. Acionista investe.

Consumir da empresa que você é
Acionista auxilia nos seus rendimentos?

Receba notícias pelo Telegram

Publicidade

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão. Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso. Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Publicidade

Esse site usa cookies para personalizar o conteúdo, propagandas e acompanhar o tráfego de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade.