Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mulheres em Ação

A urgência da alfabetização financeira das mulheres

Data da publicação

Com nova marca, a LadyBank atua focada na prestação de serviços financeiros voltados para o atendimento ao seguimento de Fintech Ladies, Startups e empreendedoras que fornecem serviços para o público feminino.

Data da publicação

No nosso último artigo, “Alfabetização Financeira e Inclusão de Gênero” traçamos um panorama sobre os dados que demonstram a baixa alfabetização financeira das pessoas de modo geral especialmente no Brasil. Mas também trouxemos dados que demonstram o quanto as mulheres  ainda estão mais atrás nessa equação. São indicadores de nível de alfabetização financeira os três construtos proposto pela OECD – Organization for Economic Co-operation and Development / International Network on Financial Education: a atitude financeira, o comportamento financeiro e o conhecimento financeiro. A OECD define a alfabetização financeira como um combinado de conhecimentos, habilidades e técnicas, que se somam para auxiliarem nas tomadas de decisões a fim de chegar ao bem-estar financeiro pessoal.

Sabemos que quanto mais bem alfabetizada financeiramente uma pessoa estiver, maior será a sua capacidade de fazer escolhas que rompam com as barreiras de ascensão financeira. Decisões financeiras bem informadas favorecem a gestão adequada das finanças pessoais, pois ajudam a poupar, a ter bons resultados nos investimentos, a obter mais crédito e pagar menos juros, o que permite financiar uma vida equilibrada e sustentável no futuro.

Sem uma compreensão mínima dos conceitos financeiros básicos, as mulheres estarão menos preparadas para tomarem decisões eficientes, o que as torna vulneráveis financeiramente, sendo o grupo que mais necessita dos programas de educação financeira, e o grupo que potencialmente mais se beneficiaria.

Publicidade

A importância do conhecimento financeiro aumenta com a complexidade financeira do mercado. A frequente oferta de uma ampla gama de produtos financeiros que vem sendo oferecidos para a população em geral torna o conhecimento mais necessário e as escolhas de investimentos ainda mais críticas. Hoje, as pessoas estão tendo acesso a um número cada vez maior de produtos e de serviços financeiros e devem decidir quais desses produtos são adequados para elas, quais deles oferecem maior vantagem e lucratividade a curto e longo prazo e com menor risco de perda do capital.

Com a chegada de um número expressivo de Fintechs no mercado brasileiro, a inclusão do PIX e mais recentemente, a abertura das informações bancárias com  o modelo do Open Banking, vem aumentando a complexidade das decisões financeiras.  Além da existência de um cenário financeiro cada vez mais complexo, o que dificulta decidir como tratar as finanças pessoais, as mulheres estão nadando em um mar de serviços financeiros, pois cresce a cada dia a oferta de serviços e produtos de finanças, especialmente, com o número de Fintechs que surgiram nos últimos anos. Com a crise gerada pela pandemia por Covid-19 e o consequente isolamento social, acelerou-se o processo de inclusão financeira tornando-se bancarizados 174 milhões de brasileiros. O número de mulheres com uma conta bancária aumentou, mas considerando que permanece baixo o nível de alfabetização das mulheres, não podemos afirmar elas estejam preparadas para enfrentarem os desafios que irão encontrar nas finanças.

A falta de domínio e a falta de informação financeira provocam o aumento dos custos de emprestimos e a perda de oportunidades financeiras para as mulheres. Por exemplo, se a consumidora não consegue entender o conceito de juros composto, poderá gastar mais em taxas de juros, acumular dívidas maiores e assumir juros mais altos pagos pelos empréstimos tomados conforme foi apontado nos estudos de Lusardi e Tufano (2015). Elas também acabam pedindo mais empréstimos, para pagar os juros do financiamento e economizando menos dinheiro (Stango e Zinman, 2009), consequentemente, terão menos dinheiro disponível no final, por exemplo, para a aposentadoria.

Quando as mulheres aprendem mais sobre finanças, entendem verdadeiramente a importância de poupar e de investir e aprendem: “sobre os tipos de produtos financeiros devem adiquirir; como evitar os financiamentos com juros abusivos; como escolher melhor entre as diferentes opções de crédito oferecidas no mercado; como investir o excedente dos ganhos, como diversificar seus investimentos e, também, como fazer um planejamento adequado para se financiar no futuro.

Ter um bom nível de conhecimento sobre alfabetização financeira é muito importante para as mulheres, visto que, em média, vivem mais que os homens, de forma que necessitam acumular mais recursos para financiarem a vida por mais tempo. Além disso tendem a receber salários menores do que o dos homens, além de possuírem uma maior rotatividade no mercado de trabalho e não acumularem recursos de aposentadoria nos períodos de licença maternidade. Todos estes fatores contribuem para uma menor acumulação de riqueza e segurança financeira ao longo da vida, ou seja, as mulheres são mais propensas a não possuírem uma estabilidade econômica na velhice.

Os benefícios potenciais da educação financeira são incontáveis para a inclusão financeira de gênero. A alfabetização financeira  é o principal fator de inclusão de gênero, pois permite usar o conhecimento para gerir nossas finanças com autonomia. Ao fazerem uma gestão adequada da renda, as mulheres previnem o endividamento e guardam mais para o futuro. Ter uma boa educação financeira auxilia as mulheres a se tornarem mais predispostas a planejarem sua aposentadoria, gerando criação de patrimônio, garantindo seu bem-estar no futuro e uma boa vida financeira.

Por Dra. Vanise Goulart Zimmer.

Presidente e fundadora da Elasbank. É Psicóloga e Empresária Social. Mestre em Psicologia Social e Doutora em Engenharia de Produção pela Escola Politécnica da USP (2008). É Especialista em Estudos de Gênero e Tecnologia pela Universidade Leibniz de Hannover na Alemanha. Atuou por anos como pesquisadora tendo a oportunidade de desenvolver o tema Cognição e Tomada de Decisão, em Finanças, gestão de portfólio, risco financeiro, relações de gênero, trabalho e tecnologia, interface e usabilidade de sistemas.

Fonte de dados:

Publicidade

Pesquisa Global de Literacia Financeira da Standard & Poor’s Ratings Services (S&P Global FinLit Survey);

Brasil. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Brasil no Pisa 2018 [recurso eletrônico]. – Brasília : Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2020. 185 p. : il.

Rede Internacional de Educação Financeira (INFE) da Organização para Cooperação Econômica e Desenvolvimento (OCDE);

Capacidade Financeira e Pesquisas Domiciliares do Banco Mundial;

Projeto de Alfabetização Financeira ao redor do Mundo (FLAT World).

Efeitos de longo prazo da educação financeira em escolas brasileiras: evidências de ação educacional de 2010-2011 Estudo Especial nº 82/2020 – Divulgado originalmente como boxe do Relatório de Economia Bancária (2019)

Autor

Com nova marca, a LadyBank atua focada na prestação de serviços financeiros voltados para o atendimento ao seguimento de Fintech Ladies, Startups e empreendedoras que fornecem serviços para o público feminino.

Receba informações do mercado financeiro no seu celular gratuitamente

Compartilhe esse post nas suas redes!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Newsletter Mulheres em Ação

Cadastre-se e receba semanalmente as novidades da página e dicas de conteúdos exclusivos.

Você pode se interessar por

Publicidade

Leia também

Publicidade

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão. Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso. Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Publicidade

Telegram Acionista

Os principais destaques do mercado! A melhor cobertura.

Esse site usa cookies para personalizar o conteúdo, propagandas e acompanhar o tráfego de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade.