Publicidade

Mulheres são as mais afetadas pela pandemia

Tempo de leitura: ‍

Sintomas de depressão, ansiedade e estresse. Maior consumo de drogas ilícitas, de cigarros, de medicamentos e de alimentos. Esses foram os comportamentos mais nefastos resultantes da pandemia, e as mulheres fazem parte do grupo mais afetado, segundo uma pesquisa conduzida pelo Instituto de Psiquiatria e pela Faculdade de Medicina da USP.

Três mil voluntários foram ouvidos pela equipe do neuropsicólogo Antônio de Pádua Serafim. O estudo foi realizado entre maio e junho de 2020 com homens e mulheres de 26 Estados brasileiros e do Distrito Federal. Os resultados mostraram que as mais afetadas emocionalmente foram as mulheres, respondendo por 40,5% de sintomas de depressão, 34,9% de ansiedade e 37,3% de estresse.

“Embora a pesquisa não tenha detalhado as razões que levaram as mulheres a terem maior sofrimento psíquico, a literatura médica vem mostrando que são elas que têm maiores impactos pelas condições sociais em que vivem. A pandemia só acirrou essa situação”, relatou o neurologista em reportagem publicada pelo Uol.

De acordo com Serafim, diversas circunstâncias comuns ao dia a dia das mulheres geram estresse e podem ser gatilhos detonadores de doenças mentais. São elas: dupla jornada, acompanhar o desenvolvimento escolar dos filhos, conviver com mais pessoas e preocupações dentro de casa, além das questões relacionadas ao próprio vírus – iminência de contaminação, necessidade de mudanças de hábitos de higiene, redução de convívio social, familiares adoecidos.

A análise dos dados ressaltou que o sofrimento psíquico também atingiu quem morava sozinha e não tinha filhos. Os níveis mais elevados de estresse, depressão e ansiedade foram relatados por mulheres nestas condições, situação que, provavelmente, estivesse associada a outras variáveis consideradas pela pesquisa e que poderiam estar contribuindo para o adoecimento das entrevistadas: muitas delas estavam desempregadas, tinham histórico de doenças crônicas (25,9%) e relataram ter tido contato com pessoas com diagnóstico de covid-19 (35,2%).

Uma das hipóteses levantadas pelo pesquisador foi que a pandemia tenha deixado esse grupo mais vulnerável a um estado de falta de perspectivas e incertezas quanto ao futuro, o que teria causado mais sensações de desconforto, angústia, ansiedade e desamparo. O resultado da pesquisa foi publicado dia 3 de fevereiro na Plos One sob o título Exploratory study on the psychological impacto of covid-19 on the general Brazilian population.

Fonte: Matéria publicada pela editoria de Equilíbrio – Sessão Viva Bem do Uol Notícias.

Publicidade
Grazieli Binkowski

Grazieli Binkowski

Grazieli Binkowski é Jornalista, formada pela PUCRS, com uma especialização em Gestão Estratégica pela UFRGS. Tem transitado pelo mercado financeiro desde a universidade, quando começou a colaborar com o Acionista.com.br. Também tem uma história longa com Organizações Não-Governamentais. Acredita que a profissão que escolheu não é só um ganha pão. E essa impressão tem ficado cada vez mais forte ao passar dos anos. E foi por isso que surgiu o Mulheres em Ação.
Grazieli Binkowski

Grazieli Binkowski

Grazieli Binkowski é Jornalista, formada pela PUCRS, com uma especialização em Gestão Estratégica pela UFRGS. Tem transitado pelo mercado financeiro desde a universidade, quando começou a colaborar com o Acionista.com.br. Também tem uma história longa com Organizações Não-Governamentais. Acredita que a profissão que escolheu não é só um ganha pão. E essa impressão tem ficado cada vez mais forte ao passar dos anos. E foi por isso que surgiu o Mulheres em Ação.

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão. Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso. Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Mais destaques

Mês das Mulheres: 4 ensinamentos para exercitar o amor-próprio

Desenvolver o autoamor ou o amor-próprio, pode ser uma tarefa complexa para muitas pessoas. Isso porque esta decisão demanda de fato um compromisso diário no sentido do fortalecimento interior e da evolução.  A empresária e escritora Beatriz Ribeiro acredita na capacidade humana de superar desafios para crescer. Autora do livro Sua maior riqueza

Ela superou o etarismo na moda: Iris Apfel morre aos 102 anos

A lendária Iris Apfel, que se tornou modelo aos 97, morreu nesta sexta-feira (1º) em sua casa em Palm Beach, na Florida, aos 102 anos, de causas naturais conforme comunicado nas redes sociais.  Influenciadora veterana e exótica, que se referia a si própria como “geriatric starlet” (estrela geriátrica). Apfel tornou-se

Mês das Mulheres: Carol Paiffer, CEO da Atom

Neste mês de março, Mulheres em Ação traz conteúdos especiais, pontuando o feminino e todo seu universo. Começamos com a história da CEO da Atom S/A, Carol Paiffer (foto), contada por ela mesma neste artigo: Trabalhar, estudar e se inspirar! Onde nasce um empreendedor? Muitas pessoas me perguntam quando comecei

Mais lidas

ESPERE! Antes de sair...

Aproveite a oportunidade que não pode ser deixada para depois.

Esse site usa cookies para personalizar o conteúdo, propagandas e acompanhar o tráfego de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade.