Saldo comercial recua 33,1% no primeiro trimestre

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Proventos
O saldo comercial brasileiro somou US$ 6,1% no primeiro trimestre, um recuo de 33,1%. Nesse período, as exportações caíram 3,7% e as importações, 2,6%. O subsecretário de Inteligência e Estatísticas de Comércio Exterior, Hélio Brandão, atribuiu o desempenho do período ao desaquecimento da economia mundial, agravado pela pandemia de coronavírus.

“Entendemos que eventuais impactos específicos da covid-19 podem refletir principalmente em questões logísticas relacionadas ao fluxo das exportações”, afirmou ele.

Segundo Brandão, produtos como soja, petróleo e minério de ferro não sofreram impactos logísticos. “Em algum momento, exportadores relataram preocupação com falta de contêineres para embarcarem seus produtos. Mas não tivemos confirmação de que isso ocorreu”, completou.

De janeiro a março, há queda nas exportações de produtos da indústria da transformação (-9,8%), enquanto a agropecuária (+1,5%) e a extrativa (+9,5%) apresentam crescimento. Destaque para alta nas vendas de soja (+8,9%), enquanto houve queda (-515,1%) no milho.

Na indústria, os recuos mais significativos são de celulose (-32,1%), aeronaves (-22%) e veículos automotores (-16,1%).

Corrente de comércio

A corrente de comércio brasileira recuou 0,8% no primeiro trimestre, somando US$ 94,1 bilhões. O comércio exterior sofre os primeiros efeitos da pandemia mundial de coronavírus: as exportações caíram 3,7% e as importações 1,9% no período.

De janeiro a março, a balança comercial teve saldo positivo de US$ 6,1 bilhões. Nesse período, a quantidade de bens exportados aumentou 1,9%, mas o preço caiu na mesma proporção. “O trimestre foi influenciado por comércio mundial pouco dinâmico, agravado por Covid-19”.

No trimestre, as exportações brasileiras para a China cresceram 4,3%, com alta nas vendas de carne bovina, suína, minério de ferro, soja e algodão. Em março, no entanto, houve recuo nas vendas para a China (-3,2%) e para países como Estados Unidos, União Europeia e Argentina. “A queda provavelmente é decorrente dos desdobramentos da pandemia mundial”, complementa Brandão.

Ele ressaltou que uma queda brusca na demanda por produtos brasileiros pode demorar meses para se refletir nos dados das exportações. “Parte das mercadorias exportadas possuem contratos de fornecimento de longa duração. Além disso, as exportações são contabilizadas na saída da mercadoria do território nacional, e podem demorar 30 dias para chegar ao mercado de destino”, completou.

O subsecretário destacou o crescimento das exportações brasileiras para Cingapura, que apresentou o maior crescimento entre os destinos das vendas brasileiras, principalmente de combustíveis. “É provável que parte das exportações para outros mercados tenha sido redirecionada a Cingapura, devido a problemas logísticos decorrentes dos desdobramentos da Covid-19”, completa.

Receba conteúdos diariamente por e-mail

Estadão Conteúdo

Estadão Conteúdo

"O Estado de S. Paulo" é o mais antigo dos jornais da cidade de São Paulo ainda em circulação . Em 4 de janeiro de 1875, ainda durante o Império, circulava pela primeira vez "A Província de S. Paulo" - seu nome original.

Você pode se interessar por

Publicidade

Receba notícias pelo Telegram

Leia também

Tire dúvidas sobre investimentos

Últimas atualizações sobre

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Já acessou o
Clube Acionista hoje?

A conexão certa para seus investimentos

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.