Por que o mercado está insatisfeito com o novo Renda Cidadã?

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Tire dúvidas sobre investimentos

Receba notícias pelo Telegram

“De um lado, eles querem usar uma dívida não paga para arcar com novos custos, e de outro vão tirar verba da educação”

Nesta segunda-feira, o governo anunciou a criação de um novo programa social, o Renda Cidadã. Segundo o presidente Jair Bolsonaro, o projeto será implementado no lugar do Auxílio Emergencial e do Bolsa Família, sendo financiado com o redirecionamento dos pagamentos de precatórios e do Funded. No entanto, após o comunicado, o mercado financeiro não reagiu bem e a bolsa de valores brasileira voltou a cair. Em meio a essa repercussão negativa, o presidente contestou não outra opção para a situação dos cerca de 20 milhões de brasileiros que dependem dos benefícios do auxílio temporário e terão esse apoio retirado no começo de 2021. 

De acordo com Pedro Paulo Silveira, Economista-Chefe da Nova Futura Investimentos, esse programa não caiu bem para o mercado porque os precatórios são dívidas que o governo já precisava pagar há muito tempo. “Antes, eles já tinham solicitado um pedido para adiar essas dívidas, mas a justiça não autorizou. Agora eles querem tentar adiar novamente para arcar com os custos deste Renda Cidadã. Sendo assim, a percepção de risco em relação ao país está muito ruim.  Quem vai querer emprestar dinheiro para o Brasil se o governo, em que num nível de relação com a justiça, renega seus próprios pagamentos? Assim apenas aumenta a percepção de risco, fazendo com que os descontos dos preços dos ativos aumentam e consequentemente despenquem. Desta forma, a Bolsa recua, o real cai, o dólar sobe e a taxa de juros aumenta. Foi o que aconteceu nesses últimos dias, uma correria contra ativos brasileiros”, explica.  

Para o Economista-Chefe, a questão do Fundeb pode até ter sido deixada um pouco de lado, no entanto, também causou impacto. “Para um país que quer crescer, fazer isso com verba de educação é no mínimo uma incoerência. Inclusive, está no programa do governo e do Paulo Guedes ter a educação como um elemento importante para a redução do atraso. Portanto, isso gera uma frustração no mercado também. Com o desespero para pegar verbas para fazer essa programa, que é fundamental para a reeleição do presidente em 2022, o governo cria um problema desse nível. Graças a isso, muita gente tem chamado isso de pedalada fiscal. De um lado, eles querem usar uma dívida não paga para ar car com novos custos, mas deixando-as de pagar estão dando calote duplo, e de outro vão tirar verba da educação, algo fundamental para o crescimento do país”, completa.

Sobre a Nova Futura Investimentos

Sócia-fundadora da BM&BOVESPA, a Nova Futura Investimentos, foi fundada em 1983, atua nos mercados de commodities, renda fixa, renda variável e seguros. Com presença nacional, a instituição financeira conta com 21 escritórios espalhados por diversas cidades do país. Ao longo de mais de três décadas de existência, se consolidou como uma das maiores e mais independentes casas de investimentos do Brasil.

Com tradição no mercado institucional, vem se tornando referência no varejo, oferecendo a mesma qualidade já ofertada ao mundo empresarial agora também para pessoas físicas. Em 2017, confirmando a tradição de excelência, a corretora recebeu o selo Nonresident Investor Broker, que reconhece a estrutura organizacional e tecnológica especializada na prospecção de clientes, prestação de serviços de atendimento consultivo assim como execução de ordens e distribuição de produtos da BM&FBovespa para investidores não residentes.

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Leia também