Operação Long & Short: entenda como funciona a operação

Tempo de leitura: ‍

Foto Reprodução: Freepik

A operação de Long & Short surge a partir de uma observação que envolve a correlação entre dois ativos escolhidos. Portanto, é a força de interação linear entre esses dois ativos. A oportunidade surge quando encontramos momentos de instabilidade, permitindo iniciar operações interessantes em diferentes momentos do mercado.

Se há uma forte correlação (movimentam-se para o mesmo lado), entende-se que em momentos de distorções, os ativos tenderão ao retorno a média histórica. Ou seja, voltando a se correlacionar.

A escolha desses dois ativos para a operação de “Long & Short” pode ser feita de diferentes maneiras:

  • Com ativos do mesmo setor econômico;
  • Com base na análise fundamentalista;
  • Ou pela análise técnica.

Como funciona a operação Long & Short

Na prática, se monta uma posição na ponta compradora e uma outra na ponta vendedora com diferentes ativos. Assim, com objetivo de lucro na diferença da rentabilidade deles.

Inicialmente, a operacionalização consiste na observação da linha central, que é a média móvel do ratio do dia e se há aproximação dela com a banda inferior (cálculo do desvio padrão inferior). Surgindo então, a oportunidade de abrir a operação de “Long & Short”. Ou seja, a “compra do par” ou a “compra sugerida”.

Publicidade

SIMULAÇÃO GRATUITA: Descubra onde investir e fazer o seu dinheiro render de verdade. Veja por aqui.

O ativo que será comprado (“Long”) é aquele que o investidor acredita que haverá uma maior valorização/menor desvalorização. Por outro lado, o que será vendido (“Short”) é aquele no qual há uma expectativa de uma menor valorização /maior desvalorização.

Linhas essenciais para entender como ganhar dinheiro com Long & Short

No gráfico da operação, aparecerão três linhas distintas que serão descritas a seguir.

  • Uma linha central, que é a média móvel do ratio do par de ativos escolhidos.
  • Duas outras linhas que funcionam como bandas, uma superior e outra inferior.

Elas indicam quanto a operação se distancia da média e são definidas por meio do cálculo do desvio padrão da linha central.

Quando a linha central, que é a média móvel do ratio do dia se aproximar da banda superior (cálculo do desvio padrão superior), surge a oportunidade de abrir uma nova operação de “Long & Short”. Ou seja, a “venda do par” ou a “venda sugerida”, que deverá ser iniciada com um par de ativos inverso ao que se iniciou a operação.

Operação

Para montar uma operação, precisaremos estabelecer algumas metodologias para iniciar a operação. Dessa forma, os conceitos estatísticos serão utilizados com os preços dos ativos e com os períodos de tempo utilizados. Desde médias móveis até desvios padrões que serão manipulados em uma planilha.

Publicidade

SIMULAÇÃO GRATUITA: Descubra onde investir e fazer o seu dinheiro render de verdade. Veja por aqui.

A operação traz sempre risco, portanto, o estabelecimento dos padrões será fundamental. Portanto, ao determinar os mecanismos para o início e o fim desta operação, podemos almejar uma sintonia de pleno êxito.

Fatores fundamentais na operação de “Long & Short”

Outros fatores fundamentais nesta operação de “Long & Short” são: o stop loss e o stop gain.

stop loss estabelece uma saída da operação “Long & Short”, ou seja, um limite de perdas estabelecido. Geralmente, definido sempre quando atingir a posição percentual de 1/3 vezes abaixo da linha inferior e 1/3 vezes acima da linha superior.

stop gain estabelece um retorno potencial. Portanto, uma estimativa de ganhos com a operação “Long & Short” quando retornar a linha central.

Quando a média móvel do ratio se aproximar do desvio central o objetivo da operação será atingido, bem como, o stop gain sugerido. Portanto, a operação de “Long & Short” deverá ser zerada, com a venda da ponta comprada e a compra da ponta vendida.

Quer saber quais são os ativos para aproveitar as distorções dos preços? Veja por aqui.

Publicidade

Este post está disponível na íntegra no Clube.Acionista

Picture of Aldo Moraes

Aldo Moraes

Matemático pela UFF, Administrador de Carteiras - CVM, experiência 35 anos gestão financeira com ênfase, tanto fundamentalista quanto técnica. Cursos em Economia Matemática (Impa), Derivativos (FGV) e Governança Corporativa (University of Chicago).
Picture of Aldo Moraes

Aldo Moraes

Matemático pela UFF, Administrador de Carteiras - CVM, experiência 35 anos gestão financeira com ênfase, tanto fundamentalista quanto técnica. Cursos em Economia Matemática (Impa), Derivativos (FGV) e Governança Corporativa (University of Chicago).

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria, quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão. O conteúdo da publicação pode conter elementos de texto gerados por inteligencia artificial. Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso. Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Mais destaques

B3 (B3SA3): hora de comprar após 1T24?

Conforme a nossa cobertura dos analistas presentes no Clube Acionista sobre a B3 (B3SA3), o BB Investimentos justifica o “sem grandes surpresas”. Dizendo que a continuidade do ciclo de cortes nas taxas de juros doméstica no primeiro trimestre “não foi suficiente para retomada de apetite ao risco dos investidores, que

Veja quais ativos atrelados à inflação seguem recomendados

O Brasil não abandonará o rótulo de país da Renda Fixa tão cedo, pelo menos enquanto o cenário econômico for de inflação e juros altos. O reinado dessa modalidade não é de hoje e para junho, as recomendações seguem firmes.  Além do IPCA+6 que ganhou os holofotes em abril e

Carteira BDR: Quem entra, quem sai na estratégia internacional

Algumas alterações específicas na carteira BDR do BTG para o mês dos santos festeiros no Brasil foram feitas. Os analistas retiraram a Fortinet e a Stone. Sendo que a principal alocação na carteira recomendada é o setor de tecnologia (33% do total). Isso porque, segundo eles, a visão para o

Libere todas as recomendações para investir

Mais lidas

Esse site usa cookies para personalizar o conteúdo, propagandas e acompanhar o tráfego de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade.