Não teve sextou para a bolsa. Nesta sexta (12) às 13h44 o Ibovespa recuava 0,62% aos 126.601 pontos, enquanto o dólar avançava 0,84% aos R$ 5,13 e as taxas dos contratos de juros futuros (DI) operam próximas da estabilidade, divergindo dos Treasuries, que operam em queda. No fim do dia, o Ibovespa fechou preliminarmente com queda de 1,18%, aos 125.894,04 pontos (16h55).

A semana do Ibovespa

Segundo análise de Luiz Felipe Bazzo, CEO do Transferbank, na quinta-feira (11), o Ibovespa operou em queda, enquanto as Bolsas de Nova York mantinham-se em alta. Durante a tarde, o principal referencial da B3 cedeu 0,66%, ficando em 127.214,60 pontos, oscilando entre uma máxima de 128.051,34 pontos e uma mínima de 127.069,43 pontos.

O Ibovespa Futuro operou com queda na quarta-feira (10) após a divulgação dos dados de inflação nos EUA. O índice de preços ao consumidor (CPI) em março subiu 0,4%, acima da expectativa de 0,3% e do mesmo valor de fevereiro.

“Nos doze meses encerrados em março, o CPI registrou um aumento de 3,5%, acima da expectativa de alta de 3,4% e dos 3,2% de fevereiro. Também chamou a atenção o rebaixamento da perspectiva da China pela Fitch para negativa, embora tenha mantido a classificação A +, prevendo desaceleração do crescimento econômico”, comenta Bazzo.

Câmbio

O dólar encerrou a sexta-feira a R$ 5,13, maior valor em seis meses, e juros futuros avançam no médio e longo prazos.

Conforme Bazzo, há dois fatores os quais vem contribuindo para a alta do dólar. O primeiro deles, e o mais relevante, diz respeito a política monetária norte-americana. Os últimos dados de CPI (inflação ao consumidor) vieram ruim e acima das expectativas de mercado. “Com isso, tivemos esta semana uma forte pressão de alta das curvas de juros futuros indicando um cenário de menos corte de juros para 2024. Com efeito, a economia dos EUA atrai mais capitais fazendo que países emergentes venham a registrar depreciação de suas moedas locais, como foi o caso do Brasil.”

O segundo fator é interno. De acordo com Bazzo, ele está relacionado às incertezas referentes ao cumprimento das metas fiscais de resultado primário para 2024 e 2025. “Este mês de abril é importante para a definição dessas metas fiscais na LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias)’, disse.

(Com informações Luiz Felipe Bazzo, CEO do Transferbank; InfoMoney)

Publicidade

Clube Acionista

A maior cobertura para impulsionar sua carteira de investimentos

Agendas

Saiba quando as empresas vão pagar antes de investir.

Análises

Veja análises dos bancos e corretoras em um só lugar.

Carteiras

Replique carteiras dos bancos e corretoras para investir com segurança.

Recomendações

Descubra a média de recomendações de empresas e fundos.

Clube Acionista

A maior cobertura para impulsionar sua carteira de investimentos

Agendas

Análises

Carteiras

Recomendações

Comece agora mesmo seu teste grátis