Publicidade

Fundos Imobiliários (FIIs): PVBI11 e RBRF11 são boas oportunidades?

Os Fundos Imobiliários seguem como investimentos ditos seguros dentro da categoria de renda variável. Mesmo depois de cinco meses fechando em máximas históricas, o IFIX encerrou abril em queda e de certa forma estável em maio, mas sem afetar o sucesso da modalidade entre os investidores.

No entanto, isso é compreensível. O mês teve muitos fatores que influenciaram negativamente a curva de juros. No exterior, conflitos no Oriente Médio se intensificaram. Soma-se a isso, os dados macroeconômicos de inflação e atividade nos EUA que indicam que o FED deve prolongar o período com taxas de juros mais elevadas. E isso pode direcionar o fluxo financeiro da economia dos EUA e apreciando o dólar, com possíveis reflexos na inflação do mundo todo. 

Voltando aos FIIs, nesta onde de oportunidades, o Acionista destaca dois: o PVBI11, que segue entre as principais recomendações;  e o RBRF11, que apresenta bom potencial de valorização na cota.

PVBI11

O VBI Prime Properties é um fundo com um portfólio de ativos de alta qualidade e bem localizados, em regiões consideradas premium. O fundo possui patrimônio líquido de R$ 2,608 bilhões. A gestora VBI Real Estate é 100% focada no setor imobiliário brasileiro e possui vasta experiência no segmento, com mais de 10 anos de atuação no mercado imobiliário do Brasil, segundo a XP. 

O PVBI11 registrou um rendimento de 8,36% nos últimos 12 meses, correspondendo a um valor de R$ 96,33 por cota. No que se refere a dividendos, o FII foi de R$ 0,65 por cota em 05/24, com um Dividend Yield de 0,65% com base na cotação de R$ 100,36 da data com (04/24). Entretanto, performa em baixa de 6,60% . A cotação começou em 2024 na casa dos R$ 103,14 e hoje está em R$ 96,33.

Os analistas do BTG Pactual recomendam o VBI Prime Properties  porque possui um dos melhores portfólios de imóveis do mercado de FIIs; ativos localizados em regiões resilientes e com alta demanda; locatários de excelente qualidade creditícia;  além de possibilidade de ganhos adicionais através da alienação de ativos; e a alta liquidez.

Portfólio

Os ativos que compõem o portfólio são de extrema qualidade e localização privilegiada na cidade de São Paulo ( FL 4440, Vila Olímpia Corporate, Union FL, The One, Vera Cruz II e Park Tower). Soma-se a isso que  seus inquilinos atuais são companhias de grande porte, como a CCB, UBS, e outros.  Além disso, 38% dos contratos vencem entre 2025 e 2029, e 37% a partir de 2030. A vacância atualmente é de 7,6%. Porém, segundo a XP, considerando as movimentações no ativo FL4440, juntamente com a rescisão antecipada do ocupante de 247 m² no ativo The One a vacância do fundo passará a ser de 9,3%. 

O PVBI11 encerrou recentemente a sua 6ª emissão de cotas captando cerce de R$749,7 milhões. Dos quais, aproximadamente, R$194,8 milhões foram utilizados para adquirir a fração ideal de 49,5%, detida pelo FLFL, do imóvel denominado de Edifício FL4440. Com isso, o fundo para a ser 100% proprietário.

Para os analistas da XP, o fundo está negociando com pequeno ágio em relação ao seu valor patrimonial (99,6% P/VP), porém em patamares que “acreditamos ainda saudáveis e factíveis para upside, e seu último dividend yield anualizado foi de 7,7%”. Eles também confiam que “a combinação de alta qualidade e boa localização dos ativos, aliados à reduzida vacância apresentada e ao potencial representado pelo ativo em construção Union FL são características favoráveis do fundo que sustentam nossa visão positiva para o curto e médio prazo”. 

RBRF11

O RBR Alpha Multiestratégia RBRF11,  tem como objetivo a diversificação de seus investimentos em quatro estratégias, sendo elas: 

Ativos Alpha (72% da carteira): principal estratégia do fundo. Foco em FIIs de imóveis prontos com potencial de valorização; CRI (15% da carteira): dívidas imobiliárias com garantias e recebíveis no setor; Ativos Beta (11% da carteira): posições táticas. Foco em FIIs com dividendos estabilizados e mais sensíveis às oscilações de curto prazo; Liquidez (atualmente 3%): recursos alocados em fundos de renda fixa, aguardando alocação futura.

Portfólio

Atualmente alocado em 4 CRIs e 17 FIIs, e por setor 19% em Recebíveis, 28,0% no Segmento Corporativo, 8,0% no Segmento Logístico, 23,0% no segmento de Shoppings e 22,0% em outros segmentos. 

Recomendado pela XP Investimentos, os analistas afirmam que os gestores têm buscado qualificar o portfólio, reduzindo posições que não consideram como estratégicas e com menor retorno ajustado ao risco, mesmo que estejam com prejuízo. 

“Foram efetuados desinvestimentos equilibrando com ganhos de capital, de forma a não impactar a distribuição de dividendos. Acreditamos que o fundo está negociando em patamares atrativos ao considerar a qualidade do seu portfólio. Além disso, o dividend yield anualizado do fundo é de 7,9%”, explicam. 

Retorno de quase 30% em 12 meses

Em abril a cota do fundo apresentou uma desvalorização de cerca de 3,8%, acumulando assim um retorno de quase 30% em 12 meses. A relação P/VP do RBRF11 é de 0,89, ou seja, a cota vem sendo negociada no mercado secundário com deságio de 11% em relação ao seu valor patrimonial, segundo o BB Investimentos.

Dividendos – o último rendimento anunciado foi de R$ 0,06 por cota. Este valor equivale a um dividend yield de 0,65% por mês, ou 7,8% em termos anualizados, levando-se em conta o preço da cota no mercado secundário. “Por ter uma carteira mais concentrada em FIIs de Tijolo (78,5% do PL), o RBRF vinha sendo positivamente impactado pelo fechamento da curva de juros futuros desde meados de 2023”, comentam os analistas. 

Apesar disso, neste último mês, a cota do RBRF recuou 4,24% após incertezas quanto à “trajetória de juros nos EUA e no Brasil, aumentando o desconto em relação ao seu valor patrimonial”.

O BB explica que, considerando os valores de fechamento de fevereiro passado, caso a cota do RBRF e dos fundos de seu portfólio voltassem ao seu valor patrimonial, refletiria em ganhos de valorização de +18%, sem considerar os dividendos. 

De acordo com os analistas do BB, nos últimos meses, o RBRF tem aumentado sua alocação na estratégia Alpha (foco em FIIs de Tijolo) buscando se ajustar ao cenário que vem se desenhando à frente de queda de juros e atividade em campo expansionista. 

“Inclusive, as maiores posições são em ativos com grande potencial de valorização de cota, como é o caso do HGPO11, TEPP11, RBRL11 e XPML11. Embora essa estratégia, de certa forma, sacrifique a distribuição de dividendos no curto prazo, ele tende a potencializar os resultados no longo prazo.”

Pontos Fortes: 

  • Potencial implícito de valorização em torno de 18%; 
  • Diversificação setorial da carteira de FIIs com predominância de fundos de tijolo (78% do PL). 

Pontos Fracos:

  • Dividend Yield inferior à média do mercado e dos demais FoFs;
  • Parcela relevante do PL alocada em fundos da mesma gestora.

Acompanhe as principais recomendações de FIIs conforme os analistas por aqui.

Publicidade

Este post está disponível na íntegra no Clube.Acionista

Picture of Cátia Chagas

Cátia Chagas

Editora e produtora de Conteúdo do Portal Acionista e Clube. Foco em mercado de capitais; empresas e ESG. Atua também em Jornalismo de Produto (certificada pelo Knight Center for Journalism in the Americas). Jornalista graduada PUCRS; Especialização em Comunicação Política pela UNISC; MBA em Comunicação e Marketing para Mídias Sociais na Universidade Estácio de Sá; Especialização em Gestão e Governança Corporativa aplicada a práticas ESG. Com passagem pelos veículos G1RS; GZH e Grupo Sinos.
Picture of Cátia Chagas

Cátia Chagas

Editora e produtora de Conteúdo do Portal Acionista e Clube. Foco em mercado de capitais; empresas e ESG. Atua também em Jornalismo de Produto (certificada pelo Knight Center for Journalism in the Americas). Jornalista graduada PUCRS; Especialização em Comunicação Política pela UNISC; MBA em Comunicação e Marketing para Mídias Sociais na Universidade Estácio de Sá; Especialização em Gestão e Governança Corporativa aplicada a práticas ESG. Com passagem pelos veículos G1RS; GZH e Grupo Sinos.

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria, quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão. O conteúdo da publicação pode conter elementos de texto gerados por inteligencia artificial. Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso. Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Mais destaques

BDRS: commodities e empresas de tecnologia seguem na ponta 

Investir em empresas estrangeiras deixou de ser o bicho-papão há muito tempo. Está cada vez mais fácil ter uma carteira BDR à brasileira e com bons ativos. O Acionista destaca mensalmente o panorama macro desta modalidade.  Para junho, é bom que o investidor saiba que a bolsa americana segue sendo

Fundos Imobiliários envergam, mas não quebram

O mês de maio terminou com a sensação de que foi atípico para todo mundo. Fora as questões da economia e mercado financeiro, a tragédia climática no Rio Grande do Sul se tornou um case mundial sobre a importância de se olhar para as mudanças climáticas. Inclusive alguns Fundos Imobiliários

Libere todas as recomendações para investir

Mais lidas

Esse site usa cookies para personalizar o conteúdo, propagandas e acompanhar o tráfego de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade.