Câmara dos EUA deve aprovar última versão do pacote fiscal

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos deve aprovar a última versão do pacote de alívio fiscal de US$ 1,9 trilhão entre terça e quarta-feira, enviando-o à Casa Branca para a sanção do presidente Joe Biden ainda nesta semana. Em pleito que promete ser apertado, já que os democratas da Casa não podem perder mais que quatro votos à oposição republicana para aprovar o projeto, congressistas da ala mais progressista do partido reforçam seu apoio à pauta, apesar das discordâncias com as alterações feitas pelo Senado.

Líder da maioria na Câmara, o deputado democrata Steny Hoyer disse inicialmente que a Casa faria a primeira votação já nesta segunda, mas, segundo assessores do partido, o processamento da papelada do Senado empurrou a votação para um dia mais tarde.

“As concessões feitas no Senado foram menores em relação à visão ampla do Plano de Resgate Americano, que é transformador para os padrões históricos”, disse o deputado Ritchie Torres nesta segunda-feira. As mudanças feitas pelos senadores no pacote incluem a retirada do aumento do salário mínimo, de US$ 7,50 para US$ 15 a hora, a redução de US$ 400 para US$ 300 do acréscimo no auxílio-desemprego e um limite de renda mais restrito para os repasses dos cheques individuais de US$ 1,4 mil.

“A maior fonte de decepção e frustração é a falta do aumento do salário mínimo, mas não vamos votar contra o projeto porque algo bom não está mais nele”, avaliou o deputado democrata Ro Khanna.

Republicanos acusam o pacote de ser desnecessariamente caro diante da recuperação econômica nos EUA, e também criticam o fato dos gastos não serem exclusivamente direcionados à pandemia de covid-19. “Este projeto não visa responder à pandemia. Trata-se de explorar a reta final de uma crise de saúde pública a fim de promulgar no futuro uma lista de desejos liberais de longa data”, disse o senador da oposição Pat Toomey, depois que o projeto foi aprovado na Casa. Fonte: Dow Jones Newswires

Receba conteúdos diariamente por e-mail

Estadão Conteúdo

Estadão Conteúdo

"O Estado de S. Paulo" é o mais antigo dos jornais da cidade de São Paulo ainda em circulação . Em 4 de janeiro de 1875, ainda durante o Império, circulava pela primeira vez "A Província de S. Paulo" - seu nome original.

Você pode se interessar por

Publicidade

Receba notícias pelo Telegram

Leia também

Tire dúvidas sobre investimentos

Últimas atualizações sobre

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.