Witzel quer que governo federal adiante recursos do leilão da Cedae

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Receba notícias por Whatsapp

Receba notícias pelo Telegram

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), propôs nesta quarta-feira, 5, que o governo federal adiante os recursos financeiros obtidos após o leilão de concessão da Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio da Janeiro (Cedae) para minimizar os efeitos da crise econômica causados pela queda do preço do barril do petróleo e da pandemia do novo coronavírus.

A proposta foi feita durante a videoconferência com o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), e os demais governadores do Sudeste (João Doria, de São Paulo, Romeu Zema, de Minas Gerais, e Renato Casagrande, do Espírito Santo).

Em entrevista coletiva à imprensa logo após a reunião, o governador afirmou que o ministro da Economia, Paulo Guedes, sinalizou que esta deverá ser a prática adotada para ajudar os Estados: “Saí otimista da reunião. Sempre defendi o diálogo e a união de esforços para o bem do Brasil e do povo fluminense. A operação do leilão da Cedae, que está sendo conduzido também pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), está prevista para acontecer em outubro. Este primeiro leilão será a concessão das linhas de distribuição de água de 44 municípios e da capital fluminense, dividido em quatro blocos. Está prevista uma outorga de R$ 11 bilhões. Mesmo com a crise global, ainda há muito interesse nesta operação. O que o ministro Guedes sinalizou, e eu coloquei em pauta, foi a possibilidade de antecipar dois terços da outorga. O contrato do leilão só será assinado no mês de fevereiro do ano que vem e, por isso, teríamos a necessidade da antecipação desse recurso”, disse o governador.

Durante a conferência, Witzel apresentou o cenário atual da economia fluminense: “Na parte econômica, duas crises atingem o Rio de Janeiro: a crise do petróleo e a crise econômica decorrente das medidas restritivas de circulação por conta da pandemia. O Rio de Janeiro já apresentava um déficit de R$ 10 bilhões. Somando as duas crises são R$ 20 bilhões. Além da antecipação dos recursos do leilão da Cedae, o ministro Guedes também sinalizou positivamente para o avanço do plano Mansueto”, afirmou o governador, referindo-se à proposta que tramita no Congresso Nacional para alocar mais recursos para Estados e municípios.

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email