Publicidade

Volume dos serviços recua em outubro

Data da publicação

Empresa autorizada a distribuir informações financeiras das principais bolsas de valores do mundo. Reconhecida por sua tradição e excelência em captar cotações de ativos não negociados em bolsas, através de seu núcleo de Captação e Monitoração de Mercado. Disponibiliza, também, de forma ágil e rápida, notícias e análises relevantes para o mercado financeiro, produzidas pela Enfoque e seus parceiros.

Data da publicação

Em outubro de 2021, o volume de serviços no Brasil caiu 1,2% frente a setembro, na série com ajuste sazonal, acumulando uma queda de 1,9% nos dois últimos meses, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Essa perda não elimina o ganho do período abril-agosto de 2021 (6,2%), mas reduz o distanciamento com relação ao nível pré-pandemia. Em outubro, o setor de serviços estava 2,1% acima do patamar de fevereiro de 2020.

Na série sem ajuste sazonal, no confronto com outubro de 2020, o volume de serviços avançou 7,5%, a oitava taxa positiva consecutiva. No acumulado do ano, o volume de serviços avançou 11,0% frente a igual período de 2020. O acumulado nos últimos doze meses passou de 6,8% em setembro para 8,2% em outubro de 2021, mantendo a trajetória ascendente iniciada em fevereiro de 2021 (-8,6%) e alcançando a maior taxa da série histórica, iniciada em dezembro de 2012.

O recuo de 1,2% do volume de serviços de setembro para outubro foi acompanhado por quatro das cinco atividades investigadas, com destaque para serviços de informação e comunicação (-1,6%) e de outros serviços (-6,7%). As demais quedas vieram de serviços profissionais, administrativos e complementares (-1,8%) e de transportes (-0,3%). Já a única taxa positiva do mês ficou com serviços prestados às famílias, que subiram 2,7% em outubro, seu sétimo avanço consecutivo, período em que acumularam alta de 57,3%.

O índice de média móvel trimestral caiu 0,5% no trimestre encerrado em outubro de 2021 frente ao nível do mês anterior, interrompendo a trajetória predominantemente ascendente iniciada em julho de 2020. Entre os setores, quatro das cinco atividades tiveram quedas neste mês: outros serviços (-3,5%); serviços profissionais, administrativos e complementares (-1,1%); transportes (-0,5%); e informação e comunicação (-0,4%). Por outro lado, os serviços prestados às famílias (2,8%) permanecem com comportamento positivo desde junho de 2021.

Na comparação com outubro de 2020, o volume de serviços, ao avançar 7,5%, registrou a oitava taxa positiva seguida. O resultado deste mês trouxe expansão em quatro das cinco atividades e crescimento em 64,5% dos 166 tipos de serviços investigados.

Entre os setores, o de transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (9,9%) e o de serviços de informação e comunicação (6,5%) exerceram as principais contribuições positivas sobre o volume de serviços, impulsionados pelo aumento de receita das empresas de transporte rodoviário de cargas; transporte aéreo de passageiros; gestão de portos e terminais; rodoviário coletivo de passageiros; e navegação de apoio marítimo e portuário, no primeiro setor; e de portais, provedores de conteúdo e ferramentas de busca na Internet; outras atividades de telecomunicações; tratamentos de dados, provedores de serviços de aplicação e serviços de hospedagem na Internet; consultoria em tecnologia da informação; desenvolvimento de softwares sob encomenda; e atividades de TV aberta, no último.

Os demais avanços vieram de serviços prestados às famílias (26,4%) e de profissionais, administrativos e complementares (4,7%), que apresentaram incrementos de receita em hotéis; restaurantes; e serviços de bufê, no primeiro ramo; e em serviços de engenharia; organização, promoção e gestão de feiras, congressos e convenções; limpeza geral; atividades técnicas relacionadas à arquitetura e à engenharia; atividades jurídicas; locação de automóveis; e aluguel de máquinas e equipamentos, no último.

Em contrapartida, a única taxa negativa na comparação com outubro de 2020 veio do setor de outros serviços (-6,1%), pressionado, sobretudo, pela menor receita auferida pelas empresas de corretores e agentes de seguros, de previdência complementar e de saúde; de atividades de pós-colheita; e de reparação e manutenção de computadores e de equipamentos periféricos.

No acumulado do ano, o setor de serviços cresceu 11,0%, com altas em todas as cinco atividades e em quase três quartos (73,5%) dos 166 tipos de serviços investigados. Entre os setores, as contribuições positivas mais importantes ficaram com transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (15,2%) e informação e comunicação (9,2%). Os demais avanços vieram de serviços profissionais, administrativos e complementares (7,5%); de serviços prestados às famílias (17,6%); e de outros serviços (7,0%).

Serviços caem em 23 das 27 unidades da federação em outubro

Regionalmente, a maior parte (23) das 27 unidades da federação teve retração no volume de serviços em outubro de 2021, na comparação com o mês imediatamente anterior, acompanhando o recuo (-1,2%) observado no Brasil. Entre os locais com taxas negativas, o impacto mais importante veio do Rio de Janeiro (-3,2%), seguido por São Paulo (-0,5%), Rio Grande do Sul (-4,0%), Paraná (-2,1%) e Mato Grosso (-6,0%). Em contrapartida, o Ceará (2,0%) registrou a principal expansão em termos regionais.

Frente a outubro de 2020, o avanço do volume de serviços no Brasil (7,5%) foi acompanhado por 25 das 27 unidades da federação. A principal contribuição positiva ficou com São Paulo (8,2%), seguido por Rio de Janeiro (5,5%), Minas Gerais (7,4%), Rio Grande do Sul (11,4%) e Paraná (7,8%). Em sentido oposto, Mato Grosso (-1,7%) e Piauí (-2,8%) assinalaram os únicos resultados negativos do mês.

No acumulado do ano, a alta no volume de serviços no Brasil (11,0%) se deu de forma disseminada, com expansão em todas as 27 unidades da federação. O principal impacto positivo em termos regionais ocorreu em São Paulo (11,3%), seguido por Minas Gerais (15,0%), Rio de Janeiro (8,0%), Rio Grande do Sul (12,2%) e Santa Catarina (15,3%).

Atividades turísticas crescem 1,0% em outubro

Em outubro de 2021, o índice de atividades turísticas cresceu 1,0% frente a setembro, sexta taxa positiva consecutiva, período em que acumulou um ganho de 51,2%. Contudo, o segmento de turismo ainda se encontra 19,5% abaixo do patamar de fevereiro do ano passado. Regionalmente, seis dos 12 locais pesquisados acompanharam este movimento de expansão. A contribuição positiva mais relevante ficou com São Paulo (1,1%), seguido por Minas Gerais (1,8%). Em sentido oposto, Bahia (-7,2%) e Distrito Federal (-10,1%) tiveram os resultados negativos mais importantes do mês.

Na comparação outubro de 2021 / outubro de 2020, o índice de volume de atividades turísticas no Brasil cresceu 26,9%, sétima taxa positiva seguida, sendo impulsionado, principalmente, pelo aumento na receita de empresas que atuam nos ramos de hotéis; transporte aéreo; restaurantes; serviços de bufê; e rodoviário coletivo de passageiros. Em termos regionais, todas as doze unidades da federação onde o indicador é investigado mostraram avanço nos serviços voltados ao turismo, com destaque para São Paulo (20,0%), seguido por Minas Gerais (40,0%), Rio de Janeiro (21,2%), Bahia (58,3%), Pernambuco (44,0%) e Rio Grande do Sul (36,3%).

No acumulado do ano, o agregado especial de atividades turísticas cresceu 20,7%, impulsionado pelos aumentos nas receitas de empresas dos ramos de transporte aéreo; hotéis; restaurantes; locação de automóveis e rodoviário coletivo de passageiros. Regionalmente, todos os doze locais investigados também registraram taxas positivas, destacando-se os ganhos vindos de São Paulo (8,4%), seguido por Rio de Janeiro (16,6%), Bahia (50,0%), Minas Gerais (27,8%) e Pernambuco (45,4%).

Autor

Empresa autorizada a distribuir informações financeiras das principais bolsas de valores do mundo. Reconhecida por sua tradição e excelência em captar cotações de ativos não negociados em bolsas, através de seu núcleo de Captação e Monitoração de Mercado. Disponibiliza, também, de forma ágil e rápida, notícias e análises relevantes para o mercado financeiro, produzidas pela Enfoque e seus parceiros.

Receba informações do mercado financeiro no seu celular gratuitamente

Compartilhe esse post nas suas redes!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Você pode se interessar por

Publicidade

Leia também

Publicidade

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão. Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso. Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Publicidade

Telegram Acionista

Os principais destaques do mercado! A melhor cobertura.

Esse site usa cookies para personalizar o conteúdo, propagandas e acompanhar o tráfego de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade.