PETROBRAS (PETR4) – CADE aprovou a venda da Liquigás

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Receba notícias por Whatsapp

Receba notícias pelo Telegram

A empresa anunciou que o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) aprovou a venda da Liquigás Distribuidora S/A, subsidiária integral da Petrobras, para o grupo formado pela Itaúsa S/A, Copagaz – Distribuidora de Gás S/A e Nacional Gás Butano Distribuidora Ltda.

Para esta aprovação, o grupo comprador teve de assinar um Acordo em Controle de Concentração, visando atender às preocupações de natureza concorrencial identificadas pelo CADE.

Esta é uma boa notícia para a Petrobras, mostrando que a finalização desta operação está bem próxima. O valor da venda é de R$ 3,7 bilhões e será pago no fechamento da transação.

Vale lembrar que esta é a segunda tentativa de vender a Liquigás. Na primeira vez em novembro de 2016, a empresa foi adquirida pela Ultrapar (Ultragaz) por R$ 2,7 bilhões. Porém, em novembro/2017, o CADE vetou a operação.

A Liquigás é uma distribuidora de GLP, contando com 23 centros operativos e uma rede de aproximadamente 4.800 revendedores autorizados e uma participação de 21,4% no mercado brasileiro, segundo dados do Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo (Sindigás).

Nossa recomendação para PETR4 é de Compra com Preço Justo de R$ 26,00 (potencial de alta em 10%). Em 2020, esta ação caiu 22,0% e o Ibovespa teve uma desvalorização de 8,2%. A cotação de PETR4 no último pregão (R$ 23,55) estava 24,6% abaixo da máxima alcançada em 2020 e 117,1% acima da mínima.

GUIDE INVESTIMENTOS: PETROBRAS (PETR4) tem refinarias disputadas pela Ultra e Cosan

O grupo Cosan e o Ultra vêm disputando as refinarias da Petrobras que ficam no Sul do país e estão à venda.

Segundo o jornal Valor Econômico, as propostas vinculantes feitas pela Repar e pela Refap devem ser recebidas pela Petrobras em 10 de dezembro.

O valor pode ficar entre cerca de US$ 2 bilhões e US$ 3 bilhões, respectivamente. Os ativos também estão sob o radar da chinesa Sinopec e da indiana Essar.

Impacto: Positivo. Dando seguimento ao processo de desinvestimento nos ativos que não são estratégicos à cia, a Petrobras tem agora duas companhias de extrema relevância disputando por sus refinarias. O processo deve acarretar em aumento de liquidez para a estatal.

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email