Publicidade
Publicidade
Publicidade

Vem aí a semana do `petroimbróglio´

Data da publicação

Categoria

Repórter em veículos como Folha de S.Paulo e O Estado de S.Paulo, atuou também como apresentador do programa ECO Negócios, na ECO TV. É MBA em Comunicação e Relações com Investidores e diretor na Virtual Comunicação.

Categoria

Data da publicação

Diferentemente de outros países capitalistas, nos quais deve ser um tédio ser morador ou investidor, o Brasil promete novas emoções na semana que ora se inicia. Embates entre os poderes Executivo e Judiciário continuam e a tendência, em ano eleitoral, não é de arrefecimento. O processo eleitoral começa a borbulhar pra valer, com o presidente da República já tendo ameaçado não aceitar o resultado das urnas, se este lhe for desfavorável, e nos últimos dias fomos pegos de surpresa com o brutal assassinato do jornalista Dom Philips e do indigenista Bruno Pereira, com alta repercussão nacional e internacional.

Antes assistimos à mobilização dos governadores para a questão do teto de cobrança (17%) e congelamento do ICMS, tendo no centro das atenções a Petrobras. A propósito, o governo que aceitou generosamente a montanha de dinheiro originada nos dividendos da petroleira em 2019, 2020 e 2021 – bem como os polpudos impostos decorrentes da operação –, cismou com o lucro de R$ 48,5 BI (referente ao primeiro trimestre do ano) anunciado em maio. Já em campanha à reeleição, o chefe do Executivo considerou – agora – um acinte o volume de dinheiro destinado aos acionistas, enquanto o povo (ah, o povo!) paga valores crescentes nas bombas de combustíveis.

Como acionista majoritária, a União poderá destinar “a parte do leão” (dos dividendos) para um Fundo de Estabilização (que já teve o nome de Conta de Equalização, em discussão anterior), amortecendo a disparada dos preços, que segue uma tabela internacional. Mas há resistências, no governo e no próprio Congresso, a esta proposta defendida pelo senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG, presidente da Câmara Alta). Já o deputado Arthur Lira (PP-AL, presidente da Câmara dos Deputados), fiel escudeiro do senhor capitão, promete protocolar pedido de CPI (na segunda, 20) para investigar a formação de preços da Petrobras, como se diretoria e presidência da companhia fossem estranhos ao Planalto. “Não há essa dicotomia”, enfatiza Pacheco no jogo do estica e puxa.

Em razão das explícitas ameaças de intervenção do governo no dia a dia da companhia, as ações da Petrobras despencaram 10% durante o último pregão, mas fecharam com queda de 7%. Isto arrastou o Ibovespa pra baixo, com perda de 2,9% e caindo abaixo com 100 mil pontos (99.824, mais exatamente) no fechamento da semana. Com esse “rabo de arraia” da sexta última, o principal índice da B3 acumula queda de 5,3% na semana e de -10,29% no mês.

Mas isto ainda não é tudo. O “petroimbróglio” certamente protagonizará novos episódios na semana. Como é conhecida a insatisfação da equipe econômica com a proposta do Fundo, cuja discussão avançou na última sexta-feira, não se espante se o “Posto Ipiranga” perder a bandeira nos próximos dias.

RECESSÃO?

O barril de petróleo, que superou a barreira dos US$ 120 neste ano (em 30 de maio último), fechou em queda na sexta passada, com os contratos futuros negociados a US$ 113,12. A notícia mexeu com o mercado e as ações da 3R Petroleum, por exemplo, caíram 9,38%, enquanto as da PetroRio perderam 8% de valor.

A Petrobras, que teve um tombo de 7%, poderá cair ainda mais, avaliam dois analistas de investimentos ouvidos pela coluna, em razão da ameaça de “intervenção” do acionista majoritário (leia-se governo Bolsonaro, representando a União neste momento). A propósito, a maior companhia brasileira listada na Bolsa já perdeu quase R$ 100 milhões em valor de mercado desde o dia 23 último, quando o governo anunciou a iminente saída de José Mauro Coelho da presidência, calcula a Economática/TC (parceira do Portal Acionista).

O recuo no preço do barril de petróleo deve-se a uma desconfiança de recessão mundial, ora precificada.      

OFERTA

No último pregão da semana que passou, a PetroReconcavo – operadora independente de petróleo e gás –, celebrou oferta subsequente de ações, na B3, com direito a toque de campainha. Foram 44 milhões de novas ações da companhia, com oferta restrita, no 12º follow-on realizado na Bolsa brasileira este ano.

“Estamos bastante animados com o levantamento de R$ 1,03 BI em oferta de ações, que nos possibilita investir os recursos no financiamento de potenciais aquisições futuras e seguir com o nosso plano de expansão”, comemorou Rafael Cunha, CFO da PetroReconcavo.

SANEAMENTO

Manda quem pode, obedece quem tem juízo – reza o dito popular. A atual direção da Copasa (CSMG3) tem mostrado uma certa resistência à abertura do setor de saneamento nas Geraes, desagradando o governador liberal Romeu Zema (Novo), de olho na reeleição.

Resultado: na última sexta, 17, o Conselho de Administração da companhia se reuniu para guilhotinar o CEO Carlos Eduardo Tavares de Castro e iniciar, oficialmente, a busca por um sucessor. O advogado Pedro Eustáquio Scapolatempore, conhecedor da área, aparece como o virtual indicado.

PORTOS

O Complexo Industrial Portuário de Suape sediou, na sexta, 17, reunião técnica de fomento a novos negócios em operações de movimentação de grãos. O encontro foi provocado pelo consórcio SUA Granéis (formado pelas empresas Agemar, Loxus e Marlog). Desde março deste ano o grupo tornou-se arrendatário do Terminal de Granéis Sólidos de Suape (TGSS) e vai explorar o equipamento por um período de 25 anos. Locallizado na retroárea do Cais 5, em um espaço de 72 mil m2, recebe investimentos de R$ 59,8 milhões.

O encontro teve o objetivo de avaliar a possibilidade de atração de novas cargas, como milho e soja, que seriam escoadas pelo atracadouro pernambucano.  

TECNO

Publicidade

A cobertura completa para atrair bons investimentos

Os bancos brasileiros investirão R$ 35,5 BI em tecnologia, neste ano, valor 18% maior em relação a 2021. Este é o orçamento identificado em pesquisa realizada pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban), em parceria com a Deloitte.

Ao todo foram envolvidas 17 instituições que, juntas, representam 82% dos ativos bancários do país. Os principais investimentos estão contidos em temas como segurança cibernética, inteligência artificial e open finance.

CERTIFICAÇÃO

A Minerva Foods, líder em exportação de carne bovina para a América do Sul, anuncia a renovação do certificado BRCGS (Brand Reputation Through Compliance), com Grade AA, pelo segundo ano consecutivo, de sua unidade de Janaúba (MG). Esta certificação é atestada pela QIMA/WQS e tem validade até junho/2023.

A BRCGS é um protocolo projetado para harmonizar os padrões de segurança dos alimentos em toda a cadeia de fornecimento. Entre outros critérios, avalia o compromisso da alta administração e o desenvolvimento de uma cultura de segurança do produto.

VENTURE CAPITAL

A Suzano, maior fabricante de celulose de eucalipto do mundo e uma das maiores produtoras de papéis da América Latina, anuncia a criação da Suzano Ventures, o Corporate Venture Capital da companhia que terá US$ 70 milhões em recursos disponíveis para serem investidos em startups. Com isto, a companhia pretende acelerar o processo de Inovação aberta e se tornar uma plataforma global no estímulo ao empreendedorismo em torno de soluções para a bioeconomia com base na floresta plantada.

A prioridade, em um primeiro estágio, será dada a startups e/ou empresas com inovações em negócios a partir de novas tecnologias e aplicações de biomassa celulósica, soluções que fomentem o uso de embalagens celulósicas, além de agtechs que acelerem a produtividade agroflorestal e a captura, mensuração e gestão do sequestro de carbono.

DIVERSIDADE

A Ventiur, aceleradora e investidora de negócios, anuncia um reforço de peso para o Conselho de Administração. Com experiência de três décadas no mercado financeiro, no qual exerceu cargos de liderança em multinacionais como Citibank e Deutsche Bank, Maria Cristina (Kika) Ricciardichega para contribuir com o projeto de expansão nacional da Ventiur.

Com vivência em organizações ligadas à inovação e ao empreendedorismo, ela participou recentemente com este colunista de uma live sobre a representatividades das mulheres em Conselho de Administração.

Kika Ricciardi é a primeira mulher e segundo membro independente do Conselho da Ventiur, juntamente com Moyses Simantob. Os outros conselheiros são os sócio-investidores Carlos Klein, Djulion Kolberg, Marco Defferrari, Robinson Klein e Rodrigo Stefanini.

INCLUSÃO

A Cummins Brasil foi reconhecida como uma das melhores empresas para profissionais LGBTI+ trabalharem no Brasil, por meio de pesquisa inédita realizada pelo Instituto Mais Diversidade (organização sem fins lucrativos para promoção do trabalho digno e a geração de renda para todas as pessoas LGBTI+), em parceria com a Human Rights Campaign Foundation (HRC) e o Fórum de Empresas e Direitos LGBTI+. 

Em sua primeira edição, o ranking contou com uma análise abrangente sobre a adoção de políticas inclusivas relacionadas aos colaboradores por empresas de diversos setores. A metodologia da HRC com a Mais Diversidade avaliou as práticas em cinco pilares fundamentais para a inclusão LGBTI+: Políticas e documentos institucionais de não-discriminação; Governança em Diversidade e Inclusão; Educação para a diversidade LGBTI+; Compromissos Públicos e Monitoramento da inclusão LGBTI+.

ENCONTRO RI

Lembrete: o 23º Encontro Internacional de Relações com Investidores e Mercado de Capitais acontecerá nos dias 27 e 28 próximos. Acesse programação e inscrição pelo link https://encontroderi.com.br/

Autor

Repórter em veículos como Folha de S.Paulo e O Estado de S.Paulo, atuou também como apresentador do programa ECO Negócios, na ECO TV. É MBA em Comunicação e Relações com Investidores e diretor na Virtual Comunicação.

Receba informações do mercado financeiro no seu celular gratuitamente

Compartilhe esse post nas suas redes!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Você pode se interessar por

Publicidade

Leia também

Publicidade

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão. Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso. Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Publicidade

Telegram Acionista

Os principais destaques do mercado! A melhor cobertura.

Esse site usa cookies para personalizar o conteúdo, propagandas e acompanhar o tráfego de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade.