Uma chance para abrir conselhos a mulheres

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Receba notícias por Whatsapp

Receba notícias pelo Telegram

No Brasil, a participação de mulheres em conselhos de administração de empresas ainda está abaixo da média mundial: no ano passado, elas ocupavam 10,5% das cadeiras de conselhos, enquanto a média de outros países é 23,7%, de acordo com levantamento da consultoria Spencer Stuart.

Para reverter o cenário, a Women Corporate Directors (WCD), a Bolsa de Valores de São Paulo (B3), o Instituto de Governança Corporativa (IBGC), a International Finance Corporation (IFC) e a Spencer Stuart se uniram para organizar o Programa Diversidade em Conselho, que selecionará 35 participantes com experiência ou potencial de crescimento na carreira executiva.

O programa de mentoria tem duração de um ano e as inscrições podem ser feitas até o próximo dia 29 pelo site do IBGC.

Para a coordenadora da atividade, Adriana Muratore, que foi selecionada em uma das edições anteriores, é uma oportunidade para dar um novo passo na carreira e influenciar o mercado de outras formas.

Além da participação em eventos sobre temas como responsabilidade dos administradores, mercado de capitais e gestão de risco, as selecionadas se reúnem periodicamente com um mentor experiente em conselhos de administração, com o objetivo de se especializar e ampliar a rede de contatos no mundo corporativo. Por causa da pandemia do novo coronavírus, as atividades serão realizadas de forma virtual.

“O grande objetivo do programa é ampliar a visibilidade dessas mulheres. Temos muitas mulheres qualificadas, até em transição de carreira para conselho, mas que não são conhecidas, porque o networking (rede de contatos corporativos) é diferente”, explica Adriana.

A executiva Cátia Tokoro, com mais de 25 anos de carreira executiva, nos ramos de telecomunicações e tecnologia da informação, conta que participar do programa em 2018 abriu as portas para que pudesse ocupar vagas em conselhos de administração e outros comitês.

“O programa foi fundamental para despertar uma série de temas que eram importantes para essa preparação. A experiência como executiva ajuda, e eu já tinha formação em governança com certificações, mas a mentoria me ajudou a entender muito a parte comportamental”, diz.

Atualmente, Cátia atua como conselheira independente e é presidente do comitê de sustentabilidade da SulAmérica, participa do conselho consultivo da empresa especializada em inteligência geográfica Imagem Sistemas e da empresa especializada em mentorias Top2You.

A sócia da KPMG e copresidente da Women Corporate Directors (WCD) no Brasil, Marienne Coutinho, reforça que a diversidade é hoje um dos pilares para a busca pelo equilíbrio ESG (ambiental, social e governança, em inglês), um dos principais indicadores de desempenho das companhias. “A diversidade proporciona um novo olhar para buscar soluções para todos, e não apenas para um grupo”, diz Marienne.

O Programa Diversidade em Conselho é gratuito, mas a edição deste ano pede que a participante faça um curso do IBGC antes do início das atividades: custa R$ 3,8 mil para não associadas do instituto e R$ 3 mil para associadas. O valor será revertido à execução do próprio programa.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Publicidade

Leia também

Destaques da bolsa ativos durante o pregão - das 10h as 17h - Fonte: Google Finance - delay aprox. de 20 min.

*Dados inativos fora do horário do pregão.

Agruras e expectativas da reforma tributária

Por: Nelson Tucci

Toda segunda-feira

Agruras e expectativas da reforma tributária

Por: Nelson Tucci

Toda segunda-feira