Transações correntes registram US$ 2,3 bilhões em setembro

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Receba notícias por Whatsapp

Receba notícias pelo Telegram

As transações correntes foram superavitárias pelo sexto mês consecutivo em setembro, US$ 2,3 bilhões, ante déficit de US$ 2,7 bilhões em mês correspondente de 2019, segundo dados do Banco Central (BC). Seguindo a tendência dos meses anteriores, essa reversão decorreu do aumento de US$2,1 bilhões no superávit da balança comercial de bens, e das reduções de US$2,1 bilhões e de US$885 milhões nos déficits em renda primária e serviços, respectivamente. O déficit em transações correntes somou US$20,7 bilhões (1,37% do PIB) nos 12 meses encerrados em setembro, ante déficit de US$25,7 bilhões (1,66% do PIB) no período equivalente terminado em agosto.

As exportações de bens totalizaram US$18,5 bilhões em setembro, recuo de 9,1% ante igual mês de 2019, e as importações de bens, US$13,1 bilhões, declínio de 23,3%. Excluídas as operações do Repetro ocorridas em setembro de 2019; estimadas em US$1,5 bilhão de exportações e US$2,3 bilhões de importações, as reduções interanuais seriam, respectivamente, 1,9% e 11,3%. No acumulado do ano, as exportações e as importações recuaram 7,5% e 13,7%, na ordem, resultando em superávit comercial de US$37,0 bilhões, superior aos US$30,7 bilhões observados no mesmo período de 2019.

O déficit na conta de serviços atingiu US$1,6 bilhão no mês, recuo de 35,3% ante setembro de 2019, US$2,5 bilhões. A conta de viagens internacionais permanece evidenciando os impactos da pandemia, com diminuição interanual de 85,2% nas despesas líquidas; para US$138 milhões em setembro de 2020, ante US$930 milhões no mesmo mês do ano anterior. Destaque-se também, na mesma base comparativa, a redução de 65,1% nas despesas líquidas de transportes, de US$491 milhões para US$171 milhões.

Em setembro de 2020, o déficit em renda primária recuou 56,5% em relação ao mesmo mês do ano anterior, atingindo US$1,6 bilhão. As receitas líquidas de lucros e dividendos atingiram US$50 milhões, comparativamente a gastos líquidos de US$2,6 bilhões no mês equivalente do ano anterior. Esse resultado decorreu da combinação do recuo nas despesas em US$2,2 bilhões, para US$1,5 bilhão; e do aumento nas receitas em US$416 milhões, para US$1,6 bilhão. Os gastos líquidos com juros somaram US$1,7 bilhão no mês, incremento de 41,4% na comparação interanual. No acumulado do ano, o déficit em renda primária totalizou US$30,1 bilhões, 29,7% inferior aos US$42,8 bilhões registrados no ano anterior.

No mês, os ingressos líquidos em investimentos diretos no país (IDP) somaram US$1,6 bilhão, ante US$6,0 bilhões observados em setembro de 2019, resultado majoritariamente de ingressos líquidos de US$1,6 bilhão em participação no capital. Nos doze meses encerrados em setembro de 2020, o IDP totalizou US$50,0 bilhões, correspondendo a 3,31% do PIB; em comparação a US$54,5 bilhões (3,52% do PIB) no mês anterior.

Em setembro, ocorreram ingressos líquidos de US$1,2 bilhão em instrumentos de portfólio negociados no mercado doméstico; resultado de saídas líquidas de US$972 milhões em ações e fundos de investimento e de ingressos líquidos de US$2,2 bilhões em títulos de dívida. Nos nove primeiros meses do ano, houve saídas líquidas de US$27,1 bilhões, ante ingressos líquidos de US$2,6 bilhões no mesmo período do ano anterior. Nos doze meses encerrados em setembro, a saída líquida de investimentos em portfólio no mercado doméstico somou US$37,3 bilhões.

Reservas internacionais

O estoque de reservas internacionais atingiu US$ 356,6 bilhões em setembro, aumento de US$ 514 milhões em comparação ao mês anterior. As operações nos diferentes instrumentos de intervenção no mercado de câmbio – US$ 2,4 bilhões de retornos líquidos em linhas com recompra e US$ 877 milhões de vendas à vista – contribuíram em US$ 1,5 bilhão para elevar o estoque de reservas internacionais. A receita de juros atingiu US$408 milhões. Já as variações por paridades e por preço reduziram o estoque, respectivamente, em US$ 932 milhões e US$ 480 milhões.

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Leia também

Leia também