Publicidade
Publicidade
Publicidade

Teto não assegura melhor qualidade de gastos, diz assessor econômico do Senado

Data da publicação

“O Estado de S. Paulo” é o mais antigo dos jornais da cidade de São Paulo ainda em circulação . Em 4 de janeiro de 1875, ainda durante o Império, circulava pela primeira vez “A Província de S. Paulo” – seu nome original.

Data da publicação

A implementação do teto dos gastos – regra constitucional aprovada em 2016 – não trouxe junto uma melhora de qualidade das despesas públicas, observou hoje o assessor econômico do Senado, Leonardo Ribeiro. Durante participação em seminário sobre a eficiência dos gastos públicos, Ribeiro apontou o declínio acentuado dos investimentos públicos, como forma de acomodar o avanço de outras despesas nos últimos anos, para embasar o argumento de que as regras fiscais não são suficientes para assegurar a qualidade das despesas públicas.

Ele considerou que, apesar de reduzir os déficits fiscais nas contas primárias, o que se seguiu após a regra do teto foi “mais do mesmo”, com contingenciamento de investimentos para compensar déficits da Previdência.

Publicidade

“O teto de gastos entrou para fazer o equilíbrio de contas, mas cadê a qualidade do gasto aqui? Não tem qualidade de gasto, o que tem é mais do mesmo, que é contingenciar investimento como se faz desde a implementação da Lei de Responsabilidade Fiscal”, comentou Ribeiro.

Ao defender o procedimento de revisão periódica de gastos (spending reviews) como política de Estado, prevista na Constituição, de modo que a destinação e os resultados de políticas públicas sejam avaliados para a definição das prioridades, o assessor econômico frisou que o mundo fiscal não gira apenas em torno de regras.

“Padrões de governança são importantes, e aqui entram os spending reviews como modelo de gestão cuja base racional é a eficiência econômica. Estamos discutindo aqui a qualidade do gasto”, afirmou o assessor durante o evento, promovido pelo Tribunal de Contas da União (TCU) em parceria com a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

Autor

“O Estado de S. Paulo” é o mais antigo dos jornais da cidade de São Paulo ainda em circulação . Em 4 de janeiro de 1875, ainda durante o Império, circulava pela primeira vez “A Província de S. Paulo” – seu nome original.

Receba informações do mercado financeiro no seu celular gratuitamente

Compartilhe esse post nas suas redes!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Você pode se interessar por

Publicidade

Leia também

Publicidade

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão. Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso. Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Publicidade

Telegram Acionista

Os principais destaques do mercado! A melhor cobertura.

Esse site usa cookies para personalizar o conteúdo, propagandas e acompanhar o tráfego de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade.