Tesouro Direto: o que é e como investir?

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Receba notícias por Whatsapp

Receba notícias pelo Telegram

O Tesouro Direto é um programa criado para democratizar o acesso aos títulos públicos, o que está sendo feito com sucesso, principalmente nos últimos anos. Hoje considerado um dos tipos de investimentos mais completos no Brasil.

Parte da popularidade dos títulos do Tesouro Direto se deve a serem considerados o investimento mais seguro no mercado atualmente, além do fato de oferecerem rendimento acima da poupança.

Investir é diferente de poupar. Os títulos públicos são excelentes alternativas para o investidor que almeja ganhar dinheiro.

Veja com mais detalhes

  • Como funciona o Tesouro Direto
  • Tipos de títulos do Tesouro Direto
  • Qual o rendimento do Tesouro Direto?
  • Para quem é indicado investir no Tesouro Direto
  • Como investir no Tesouro Direto?
  • Como resgatar o dinheiro do título
  • Imposto
  • Risco e Retorno

Como funciona o Tesouro Direto

O programa do Tesouro Nacional foi criado em 2002 para compartilhar as negociações dos títulos públicos federais de forma mais simples e rápida. Portanto funciona como um empréstimo ao Governo Federal, que precisa captar recursos para financiar seus projetos. Desta forma, você se torna credor do governo onde receberá o dinheiro de volta acrescido de juros de acordo com o tempo.

Há opções para cada objetivo e a liquidez é diária. Ou seja, além dos títulos oferecerem diferentes prazos e rentabilidade, você pode pedir o resgates que no prazo de 1 dia útil estará na sua conta.

Mas um detalhe importante: dependendo do título como os prefixados, IPCA+ e os que possuem juros semestrais forem resgatados antes do vencimento, existe a possibilidade de gerar perdas ou ganhos superiores às taxas que você contratou no momento do investimento. Por este motivo sempre reforçamos a importância de saber seu objetivos e aplicar seu dinheiro conforme o seu perfil.

Horários de funcionamento: todos os dias úteis, no horário comercial, entre às 9h e 18h. Se você solicitar o resgate entre 18h e 5h (finais de semana e feriados) o investimento e resgate são executados com base nos preços de abertura do dia útil seguinte. Além disso, é possível agendar a data em que deseja resgatar os seus títulos.

Tipos de títulos do Tesouro Direto

O Tesouro Direto oferece diferentes tipos de títulos, com diferentes rentabilidades e datas de vencimentos. Basicamente são duas modalidades, os prefixados (Tesouro Prefixado), com rendimento preestabelecido no momento da compra e os pós-fixados (Tesouro Pós-fixados) que possuem rendimento atrelado à algum indicador Selic ou Inflação (IPCA) mais uma taxa fixa.

Não há um melhor do que o outro. Os dois podem ser mais ou menos indicados conforme os objetivos do investidor, o prazo pelo qual ele pretende manter o investimento e também o cenário econômico.

Qual o rendimento do Tesouro Direto?

Tesouro Selic

Conhecido como LFT, sendo um título pós fixado que tem rendimento atrelado à Selic, taxa básica de juros na economia. Ou seja, ele mantém o poder real de compra, protegendo o investidor da inflação. Por esse motivo, o investimento é indicado quem está começando. Pode ser um investimento para curto, médio ou longo prazo.

Esse papel é recomendado para quem deseja fazer aplicar a reserva de emergência, pois é o título com o menor risco e pode ser vendido a qualquer momento sem prejudicar a rentabilidade.

Tesouro Prefixado

Conhecido como LTN. É um produto no qual se define a taxa de rendimento no ato da compra, o que garante ao investidor saber o que receberá ao fim da aplicação. Esse tipo de investimento é indicado para quem tem objetivos de médio e longo prazo.

Caso o investidor queira resgatar o título antes do prazo final, o Tesouro pagará a conforme o valor de mercado na data da venda, e não baseado na rentabilidade contratada. Nesse caso, pode haver perdas.

Tesouro Prefixado com Juros Semestrais

Também é um título que a sua rentabilidade está definida no momento da compra até o vencimento, com o pagamento dos juros a cada seis meses direto em sua conta.

Tesouro IPCA

É uma aplicação que acompanha a inflação aferida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), somada à uma taxa de juros prefixada. Por isso, prevê ganhos acima da inflação.

O investimento é indicado para médio e longo prazo, assim como o prefixado, pois ambos estão mais sujeitos à variações no valor de venda no mercado secundário, caso o investidor precise resgatar antes do vencimento.

Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais

Opção que rende um taxa fixa já estabelecida no momento da compra mais a evolução da inflação. No qual, a cada 6 meses, ocorre a antecipação dos pagamento com juros.

Para quem é indicado investir no Tesouro Direto

A princípio, considerando que o Tesouro Direto é um investimento de renda fixa, com baixo risco, o ativo é indicado para os investidores de perfil conservador.

Porém, o Tesouro Direto também pode ser parte importante em uma estratégia de controle de risco na carteira de investimentos de perfil moderado ou arrojado. Quer dizer que, ao aplicar parte do seu patrimônio em ativos menos arriscados, os investidores podem diluir o risco total de sua carteira. Por isso o Tesouro é um ativo frequentemente encontrado no patrimônio tanto dos investidores iniciantes quanto dos mais experientes.

Investindo no Tesouro conforme as suas necessidades:

Se você tem o objetivo de usar o dinheiro no curto espaço de tempo ou desejar ter a possibilidade de resgatar a qualquer momento. Como para trocar o celular, comprar um carro, viajar e etc. O Tesouro Selic é uma boa alternativa.

Se você está pensando em se aposentar (foco no longo prazo), os títulos com vencimentos previstos para um prazo maior, como o IPCA+2045 começam a fazer mais sentido.

Como investir no Tesouro Direto?

Para investir no Tesouro Direto é recomendado abrir uma conta em uma corretora de valores. As operações de compra e venda poderão ser feitas pelo investidor por meio da plataforma de investimentos da corretora, ou por meio do próprio site do Tesouro Direto.

Geralmente com menos de R$40 reais você já pode realizar as suas aplicações.

O site do Tesouro Direto fornece as informações básicas sobre quais os ativos e como investir. O diferencial das corretoras é que elas podem fornecer também suporte individual ao investidor, tirando dúvidas e orientando sobre as operações. Esse serviço pode ser útil, principalmente, nas primeiras movimentações, quando o novo usuário ainda não está habilitado com a plataforma de compra e venda.

Para realizar o resgate existem duas formas para resgatar o dinheiro do Tesouro Direto: (1) na data do vencimento ou (2) na venda antecipada do título. Na venda antecipada é só fazer o processo inverso da compra.

Taxas e impostos

Entre as taxas de operação do investimentos a B3 cobra uma taxa fixa de 0,25% ao ano sobre o valor dos títulos. Além disso, cada corretora possui determinada forma de cobrar as operações, algumas variam entre 0,1% a 0,5% e outras são isentas de cobrança.

Se você realizar algum resgate antes dos 30 dias da aplicação é preciso pagar IOF (Imposto sobre Operações Financeiras).

Importo de renda (IR) é uma taxa obrigatória e o valor é regressivo de acordo com o prazo de investimento:

  • 22,5% sobre o lucro da operação de até 180 dias.
  • 20% em aplicações de 181 a 360 dias.
  • 17,5% em aplicações de 361 a 720 dias.
  • 15% em aplicações acima de 720 dias.

Risco e Retorno

No mercado financeiro não existe um investimento com menor risco. Pois no pior dos cenários, o governo pode emitir papel moeda para honrar a dívida e te pagar. Entretanto, isso não significa que o investimento não possui risco.

Para que eventualmente este risco venha a acontecer, todo o sistema bancário precisaria entrar em colapso antes. Os riscos do Tesouro Direto são:

  • Risco do país quebrar (risco de crédito -falta de capacidade de pagamento).
  • Os títulos não contam com garantia FGC.
  • Possibilidade de flutuação nos preços em virtude dos índices (IPCA, IGP-M, etc), câmbio e taxa de juros.
  • Prazos. Quanto menor o prazo, menor a volatilidade.
  • Perda em caso de venda antecipada. Se você vender o título no mercado secundário antes do vencimento, pode acarretar em retorno abaixo do esperado.

Para concluir o Tesouro Direto é um investimento para quem deseja menor risco e maior retorno nos investimentos. Diversificar é a melhor sugestão. O mercado vive em ciclos e nunca saberemos sobre as surpresas que nos depararemos futuramente, portante ajuste seus investimentos para ter rendimentos nos diferentes cenários.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Publicidade

Leia também

Destaques da bolsa ativos durante o pregão - das 10h as 17h - Fonte: Google Finance - delay aprox. de 20 min.

*Dados inativos fora do horário do pregão.