Setor público tem em junho déficit primário de R$ 188,682 bi, o maior da série

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Receba notícias por Whatsapp

Receba notícias pelo Telegram

Sob os efeitos econômicos da pandemia do novo coronavírus, o setor público consolidado (Governo Central, Estados, municípios e estatais, com exceção de Petrobras e Eletrobras) apresentou déficit primário de R$ 188,682 bilhões em junho, informou nesta sexta-feira, 31, o Banco Central. Este é o maior rombo fiscal em um único mês na série histórica do BC, que começou em dezembro de 2001.

Em maio deste ano, havia sido registrado déficit de R$ 131,438 bilhões. O resultado primário reflete a diferença entre receitas e despesas do setor público, antes do pagamento da dívida pública. Em função da pandemia, cujos efeitos econômicos se intensificaram em março, o governo federal e os governos regionais passaram a enfrentar um cenário de forte retração das receitas e aumento dos gastos públicos.

O déficit primário consolidado do mês passado ficou fora do intervalo das estimativas de analistas do mercado financeiro ouvidos pelo Projeções Broadcast, que iam de déficit de R$ 218,07 bilhões a déficit de R$ 197,4 bilhões. A mediana estava negativa em R$ 199,100 bilhões.

Composição

O resultado fiscal de junho foi composto por um déficit de R$ 195,180 bilhões do Governo Central (Tesouro, Banco Central e INSS). Já os governos regionais (Estados e municípios) influenciaram o resultado positivamente com R$ 5,780 bilhões no mês. Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 5,592 bilhões, os municípios tiveram resultado positivo de R$ 187 milhões.

As empresas estatais registraram superávit primário de R$ 719 milhões. A projeção oficial do Tesouro para o rombo fiscal em 2020 é de R$ 787,4 bilhões, considerando apenas o Governo Central.

1º semestre

As contas do setor público acumularam um déficit primário de R$ 402,703 bilhões no primeiro semestre, o equivalente a 11,64% do Produto Interno Bruto (PIB), informou o Banco Central. Este resultado foi consequência do desempenho registrado nos últimos meses, em meio aos efeitos da pandemia do novo coronavírus na economia.

A projeção oficial do Tesouro para o rombo fiscal em 2020 é de R$ 787,4 bilhões, considerando apenas o Governo Central. O montante equivale a cerca de 11,0% do PIB.

O déficit fiscal no primeiro semestre foi formado pelo resultado negativo de R$ 417,241 bilhões do Governo Central (12,06% do PIB). Os governos regionais (Estados e municípios) apresentaram um superávit de R$ 11,781 bilhões (0,34% do PIB) no período. Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 11,731 bilhões, os municípios tiveram um saldo negativo de R$ 50 milhões. As empresas estatais registraram um resultado positivo de R$ 2,757 bilhões no período.

12 meses

As contas do setor público acumulam um déficit primário de R$ 458,835 bilhões em 12 meses até junho, o equivalente a 6,38% do PIB, informou o Banco Central.

O déficit fiscal nos 12 meses encerrados em junho pode ser atribuído ao rombo de R$ 481,466 bilhões do Governo Central (6,69% do PIB). Os governos regionais (Estados e municípios) apresentaram um superávit de R$ 7,901 bilhões (0,11% do PIB) em 12 meses até junho.

Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 10,459 bilhões, os municípios tiveram um saldo negativo de R$ 2,559 bilhões. As empresas estatais registraram um resultado positivo de R$ 14,730 bilhões no período.

Déficit nominal

O setor público consolidado registrou um déficit nominal de R$ 210,161 bilhões em junho. Em maio, o resultado nominal havia sido deficitário em R$ 140,401 bilhões e, em junho de 2019, deficitário em R$ 30,102 bilhões.

No mês passado, o Governo Central registrou déficit nominal de R$ 212,988 bilhões. Os governos regionais tiveram saldo positivo de R$ 2,570 bilhões, enquanto as empresas estatais registraram superávit nominal de R$ 2,770 milhões.

O resultado nominal representa a diferença entre receitas e despesas do setor público, já após o pagamento dos juros da dívida pública. Em função da pandemia do novo coronavírus, que reduziu a arrecadação dos governos e elevou as despesas, o déficit nominal tem sido mais elevado nos últimos meses.

No primeiro semestre, o déficit nominal somou R$ 576,315 bilhões, o que equivale a 16,66% do PIB.

Em 12 meses até junho, há déficit nominal de R$ 818,617 bilhões, ou 11,38% do PIB.

Gasto com juros

O setor público consolidado teve gasto de R$ 21,480 bilhões com juros em junho, após esta despesa ter atingido R$ 8,963 bilhões em maio, informou o Banco Central.

O Governo Central teve no mês passado despesas na conta de juros de R$ 17,808 bilhões. Os governos regionais registraram gasto de R$ 3,209 bilhões e as empresas estatais, de R$ 462 milhões.

No primeiro semestre, o gasto com juros somou US$ 173,613 bilhões, o que representa 5,02% do PIB.

Em 12 meses até junho, as despesas com juros atingiram R$ 359,783 bilhões (5,00% do PIB).

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Publicidade

Leia também

Destaques da bolsa ativos durante o pregão - das 10h as 17h - Fonte: Google Finance - delay aprox. de 20 min.

*Dados inativos fora do horário do pregão.