Crédito ampliado ao setor não financeiro alcançou R$ 11,4 trilhões

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Receba notícias por Whatsapp

Receba notícias pelo Telegram

Em setembro, o crédito ampliado ao setor não financeiro alcançou R$ 11,4 trilhões (158,6% do PIB), aumento de 2,1% no mês e de 13,9% em doze meses, segundo dados do Banco Central (BC). A variação mensal refletiu acréscimos de 1,9% nos empréstimos e financiamentos (notadamente, no crédito do SFN); de 2,3% nos títulos de dívida (destacando-se os títulos públicos) e de 2,2% em dívida externa (refletindo o impacto da depreciação cambial de 3,1%).

O crédito ampliado a empresas e famílias totalizou R$6,5 trilhões (90,7% do PIB), com elevações de 1,9% no mês e de 17% em doze meses. No mês, os empréstimos e financiamentos cresceram 1,9%. Os instrumentos do mercado de capitais (títulos privados e securitizados) cresceram 1,5%, recuperando parte do recuo que vinha sendo observado desde abril. O saldo das captações externas cresceu 1,9%.

Operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN)

O saldo das operações de crédito do SFN alcançou R$3,8 trilhões em setembro, aumento de 1,9% no mês, com acréscimos de 2,6% na carteira de pessoas jurídicas (saldo de R$1,7 trilhão) e de 1,4% em pessoas físicas (R$2,1 trilhões). Em doze meses, o crescimento da carteira total acelerou de 12,2% para 13,1%, resultado de expansões nos créditos às empresas (de 16,6% para 18,3%) e às famílias (de 8,9% para 9,3%).

O crédito livre para pessoas jurídicas alcançou R$1,1 trilhão, com aumentos de 2,4% no mês e de 26,5% na comparação interanual, destacando-se as operações de capital de giro acima de um ano, assim como a elevação sazonal nas modalidades voltadas para fluxo de caixa (desconto de duplicatas e recebíveis e antecipação de faturas de cartão). O saldo do crédito livre a pessoas físicas alcançou R$1,2 trilhão, após elevações de 1,5% no mês e de 8,7% em doze meses; sobressaindo cartão de crédito à vista, veículos e crédito pessoal (consignado e não consignado).

No crédito direcionado, a carteira de pessoas jurídicas totalizou R$621 bilhões em setembro, com elevações de 3,1% no mês e de 6,5% na comparação interanual, refletindo a expansão em outros créditos direcionados (14,5% no mês e 65,1% em doze meses), categoria na qual estão classificados os programas de apoio a micro, pequenas e médias empresas. O saldo com pessoas físicas alcançou R$969 bilhões, aumentos de 1,2% no mês e de 9,9% nas mesmas bases de comparação, com elevações em crédito rural e financiamento imobiliário.

As concessões totais de crédito somaram R$367 bilhões em setembro. Na série com ajuste sazonal, houve elevação mensal de 2,9%, com expansões de 5,7% para famílias e 2,3% para empresas. No acumulado do ano, em relação ao mesmo período de 2019, as concessões totais cresceram 6%; refletindo elevação em pessoas jurídicas, 14,1%, e contração em pessoas físicas, 0,9%.

O Indicador de Custo do Crédito (ICC), referente ao custo médio de todo o crédito do SFN; situou-se em 17,4% a.a. em setembro, com declínios de 0,5 p.p. no mês e de 3,5 p.p. na comparação interanual. No ICC do crédito livre não rotativo, situado em 22,7%, reduções de 0,5 p.p. e 5,6 p.p., nas mesmas bases de comparação. O spread geral do ICC, 12,3 p.p., recuou 0,4 p.p. e 2,4 p.p., nos mesmos períodos.

A taxa média de juros das operações contratadas em setembro situou-se em 18,1% a.a., com diminuições de 0,5 p.p. no mês e de 5,9 p.p. em doze meses. O spread geral das taxas de juros das concessões situou-se em 14,3 p.p., com declínios de 0,6 p.p. e de 4,5 p.p., nos mesmos períodos.

No crédito livre, a taxa média de juros das concessões atingiu 25,7% a.a., reduzindo-se 0,8 p.p. no mês e 10,4 p.p. na comparação interanual. Para as famílias, a taxa média situou-se em 38% a.a.; declínio de 1 p.p. no mês, destacando-se recuos em crédito pessoal não consignado (-0,7 p.p.) e consignado (-0,4 p.p.). No crédito livre às empresas, a taxa média de juros situou-se em 11,4 p.p. (-0,7 p.p. mês), com reduções nas principais modalidades, entre as quais capital de giro (-0,7 p.p.) e conta garantida (-0,9 p.p.). Excluindo-se as operações rotativas, a taxa média de juros do crédito livre alcançou 19,7% a.a., declínios de 0,6 p.p. mês e 7,7 p.p. em doze meses.

Agregados monetários

A base monetária atingiu R$408,7 bilhões em setembro, com expansões de 1,5% no mês e de 45,4% em doze meses. No mês, as reservas bancárias cresceram 6% e o papel-moeda emitido, 0,8%. Entre os fluxos mensais dos fatores condicionantes da base monetária, as maiores expansões ocorreram nas operações do Tesouro Nacional (R$75 bilhões), nas operações com derivativos (R$12,9 bilhões) e nos depósitos de instituições financeiras (R$9,7 bilhões, resultado de liberações de recolhimentos sobre depósitos de poupança, de R$12 bilhões). As operações do setor externo e da Linha Temporária Especial de Liquidez (LTEL) também promoveram impacto expansionista, respectivamente, R$7,7 bilhões e R$2,1 bilhões. Em sentido contracionista, as operações com Títulos Públicos Federais totalizaram R$100,4 bilhões, resultado de colocações líquidas de títulos nos mercados primário e secundário.

O saldo dos meios de pagamento restritos (M1) alcançou R$565,4 bilhões em setembro, aumento de 2,2%; com elevações de 3,9% em depósitos à vista e de 0,6% no papel-moeda em poder do público. Considerando-se dados dessazonalizados, o M1 cresceu 2,5% no mês. O M2 totalizou R$ 3,8 trilhões (+1,9% mês), incorporando aumentos de 1,1% nos saldos de depósitos de poupança (alcançando R$1,0 trilhão) e de 3,1% nos saldos de depósitos a prazo (que somou R$1,7 trilhão). No mês, captações líquidas de R$13,2 bilhões nos depósitos de poupança e de R$35,9 bilhões em depósitos a prazo. O M3 situou-se em R$7,7 trilhões (+0,7% mês), apesar do recuo de 0,3% nas quotas de fundos do mercado monetário (saldo de R$3,7 trilhões). O M4 cresceu 0,2% no mês e 13,8% em 12 meses, totalizando R$8,1 trilhões.

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email