Risco de rompimento das barragens da Vale preocupa investidores estrangeiros

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Receba notícias por Whatsapp

Receba notícias pelo Telegram

“A imagem da companhia é marcada por eventos do gênero, os investidores internacionais não toleram esses acidentes”

Moradores das zonas rurais de Ouro Preto e Itabirito, na Região Central de Minas Gerais, começaram a ser cadastrados para serem transferidos para hotéis da região, durante o mês de julho, nesta terça-feira, 30. Essa é uma medida preventiva depois da revisão e aumento na área que pode ser atingida por um possível rompimento de barragens de rejeito de minério de ferro da Vale. A mudança de segurança se deve a ampliação da Zona de Autossalvamento (ZAS) das barragens Forquilha I, II, III, e IV e Grupo, da Complexo de Fábrica da Vale. Dessa forma, estudos passaram a considerar que o rompimento das 4 estruturas ao mesmo tempo passou considerável. Contudo, Defesa Civil vai conduzir a realocação de forma planejada com o apoio da Vale. Ainda não foi divulgado o número de famílias que poderiam ser atingidas em caso de ruptura, no entanto, 11 famílias já foram retiradas da área no ano passado.

Daniela Casabona, e Sócia-Diretora da FB Wealth disserta sobre a importância da empresa para a bolsa e que notícia tem impacto negativo.  “Vale é considerada umas das ações mais promissoras da bolsa de valores, principalmente em momentos de pandemia, onde a relação com a China é bastante forte e importante para o nosso país. Mas com esse novo alerta a cia pode sofrer um grande impacto negativo, grandes fundos europeus já vêm sinalizando uma venda grande da posição por afirmar que a Vale não cumpre com as normas básicas de segurança. Dessa forma, uma nova notícia como essa pode abalar bastante a empresa e a aposta da economia, por ser uma empresa que poderia atrair mais estrangeiros”, explica Casabona.

Igor Mundstock, economista do Grupo Laatus fala sobre os danos econômicos e o impacto para os investidores estrangeiros. “A imagem da companhia é marcada por eventos do gênero e os investidores internacionais não toleram esses acidentes. A situação financeira da companhia é impactada, porque é preciso provisionar capital para o pagamento de indenizações e despesas. Isso retira recursos que poderiam ser utilizados para investimento, principalmente nesse momento em que enfrentamos a crise do coronavírus. A oscilação na cotação da VALE3 será um reflexo dos impactos nas suas finanças. Além disso, o rompimento causa danos econômicos. O minério de ferro é o produto mais exportado pelo Estado de Minas Gerais e mais um dano ambiental causaria uma piora econômica para a localidade”.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Publicidade

Leia também

Destaques da bolsa ativos durante o pregão - das 10h as 17h - Fonte: Google Finance - delay aprox. de 20 min.

*Dados inativos fora do horário do pregão.

Agruras e expectativas da reforma tributária

Por: Nelson Tucci

Toda segunda-feira

Agruras e expectativas da reforma tributária

Por: Nelson Tucci

Toda segunda-feira