Publicidade
Publicidade
Publicidade

Proposta da SEC sobre as emissões de gases de efeito estufa traz impactos ao Brasil

Data da publicação

Categoria

Repórter em veículos como Folha de S.Paulo e O Estado de S.Paulo, atuou também como apresentador do programa ECO Negócios, na ECO TV. É MBA em Comunicação e Relações com Investidores e diretor na Virtual Comunicação.

Categoria

Data da publicação

Imagem Pixabay

(*) Ana Paula Alvarez Calil

A SEC (Securities and Exchange Commision), instituição que regula o mercado de capitais dos Estados Unidos (equivalente à nossa CVM), apresentou no final de março uma proposta que tem potencial para trazer grandes impactos e estimular empresas de todo o mundo listadas nas bolsas americanas para que ofereçam informações relacionadas às emissões de gases de efeito estufa e outros impactos climáticos.

De acordo com a proposta, as companhias listadas deverão apresentar anualmente as emissões de gases de efeito estufa de suas atividades (escopo 1); as emissões relacionadas ao consumo de energia (escopo 2) e as emissões de sua cadeia produtiva (escopo 3). A polêmica, porém, diz respeito justamente à mensuração das emissões da cadeia produtiva (escopo 3), que são difíceis de serem mensuradas e que acabaram sendo flexibilizadas pela SEC. Nesse caso, estão desobrigadas de prestar informações as empresas com free float (indicador do percentual de ações livres no mercado) inferior a US$250 milhões ou com receita anual até US$ 100 milhões e com free float inferior a US$700 milhões. A SEC relata que ainda serão encontradas as melhores maneiras de mensurar os impactos dessas emissões.

A grande diferença é que as empresas que se comprometerem a reduzir as emissões terão que explicar como farão isso, além de explicar a que riscos elas estão sujeitas por causa do aquecimento do planeta.

A decisão da SEC segue um movimento de exigência para o cumprimento da agenda ESG de forma ainda mais prática e comprovada. Larry Fink, CEO da BlackRock, uma multinacional americana de gestão de investimentos, afirmou que os investidores em fundos mútuos e ETFs investiram US$ 288 bilhões globalmente em ativos sustentáveis, um aumento de 96% em relação ao ano todo de 2019. Já um relatório da PwC de Luxemburgo apontou que 77% dos investidores e gestores querem abandonar a compra de produtos que não contam com ESG em 2022.

Segundo o presidente Gary Gensler, a decisão da SEC, também afetará os emissores internacionais e, dessa maneira, também as brasileiras, que já têm começado a se adequar à agenda ESG exigida pelo mercado.

No final do ano passado, a CVM, por meio da Resolução CVM nº 59 que entrará em vigor em 2 de janeiro de 2023, ampliou as exigências para que as companhias listadas divulguem informações sobre as questões de ESG. O texto prevê a inclusão de informações ESG no formulário de referência, incluindo, entre outros, matriz de materialidade, indicadores-chave de desempenho ESG e inventários de emissão de gases do efeito estufa. No entanto, não há qualquer. No entanto, a norma não traz a obrigatoriedade de a Companhia ter tais itens. Caso não os tenha, a Companhia deverá apenas explicar – o que chamamos de “relate ou explique”.

Hoje, o Brasil já conta com algumas iniciativas importantes como o Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE), do qual algumas grandes empresas já fazem parte e que já acumula uma rentabilidade de 200%, maior que a Ibovespa desde a criação, em 2005. Outros fundos e investimentos ESG também têm crescido, mas é preciso haver maior clareza para entender de fato como as empresas estão seguindo as métricas ESG. A proposta da SEC é de grande importância e pode trazer efeitos significativos no Brasil para além das empresas brasileiras listadas no exterior. A CVM, em muitos casos, segue as regulamentações da SEC e assim existe uma tendência (além de um forte movimento do mercado) para que a CVM exija uma divulgação mais detalhada de informações sobre as ações relacionadas aos critérios ESG.

* Ana Paula é sócia do Cescon Barrieu Advogados nas áreas de Bancário e Financiamentos, Mercado de Capitais, Private Equity e Fusões e Aquisições.

Autor

Repórter em veículos como Folha de S.Paulo e O Estado de S.Paulo, atuou também como apresentador do programa ECO Negócios, na ECO TV. É MBA em Comunicação e Relações com Investidores e diretor na Virtual Comunicação.

Receba informações do mercado financeiro no seu celular gratuitamente

Compartilhe esse post nas suas redes!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Você pode se interessar por

Publicidade

Leia também

Publicidade

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão. Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso. Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Publicidade

Telegram Acionista

Os principais destaques do mercado! A melhor cobertura.

Esse site usa cookies para personalizar o conteúdo, propagandas e acompanhar o tráfego de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade.