Primeira fase do acordo entre EUA e China foi firmada em Washington

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Receba notícias por Whatsapp

Receba notícias pelo Telegram

“O mercado está atento, mas pode se frustrar caso o acordo não seja aperfeiçoado”

Nesta quarta-feira, chegou ao fim a guerra comercial entre EUA e China, que já durava 18 meses, estabelecendo uma nova era nas relações sino-americanas. Para fechar o acordo, o Vice-Primeiro-Ministro da China, Liu He, desembarcou no EUA na última segunda-feira. A primeira fase assinada em Washington estabelece novas políticas de importação e exportação entre os países. Durante as negociações, o dólar registrou uma queda de 0,28%, chegando a ser vendido a R$ 4,1296. Além disso, a Bolsa de Valores brasileira chegou a operar aos 117.632 pontos, uma alta de 0,26%, que após a cerimônia de assinatura deu espaço para uma baixa de 1,06%, operando aos 116.387,62 pontos.

Quem comenta os impactos do acordo nas moedas é o Diretor de Câmbio da FB Capital, Fernando Bergallo. Para Bergallo, a expectativa acerca do acordo, que já vem há algum tempo, ficou abalada após comentários do Secretário do Tesouro Americano, Steven Mnuchin, dizendo que algumas tarifas poderiam continuar e a negociação deveria seguir para uma segunda fase, o que não se manteve. “Havia uma expectativa muito grande há muito tempo sobre o acordo, o mercado deu uma estressada por conta dos comentários do Secretário do Tesouro dos EUA, que disse que algumas tarifas deveriam persistir”.

Bergallo pontua que, mesmo com a assinatura, ainda ficam dúvidas sobre o que deve permanecer em aberto. “O questionamento que fica agora na conclusão desta primeira fase, é o que será de fato resolvido e o que continuará em aberto”, afirma.

O Diretor de Câmbio afirma que o mercado está atento, mas pode se frustrar caso o acordo não seja aperfeiçoado. “O mercado está monitorando este acordo e pode se frustrar caso não contemple um número tão grande de tarifas a serem revogadas”. Apesar de o acordo gerar um pequeno superávit para os EUA na exportação, o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, não justificou as diferenças que levaram o governo estadunidense a iniciar a guerra comercial. Bergallo explica que algumas políticas como a demanda menor no primeiro mês de acordo devem equilibrar as coisas sem pesar tanto para um lado só. “Olha, vale ressaltar que as políticas adotadas visam um equilíbrio”, finaliza.

Sobre a FB Capital

Presente no mercado há mais de 10 anos, a FB Capital possui uma estrutura para atendimento e intermediação de operações de câmbio líder em seu ramo de intermediação de imóveis além de ser especialista em operações financeiras. Com mais de 80 parceiros no segmento imobiliário e com uma carteira de mais de 5.000 clientes, a FB Capital fornece serviço de consultoria e intermediação em operações de câmbio financeiro ou comercial e já enviou recursos para a compra de mais de 1.500 imóveis nos Estados Unidos. A FB Capital realiza mais de duas mil operações de câmbio anualmente e possui uma intermediação superior totalizando R$ 512 milhões. Atualmente sua área de atuação abrange mais de 120 cidades do Brasil, distribuídas em 20 estados e 25 países.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Publicidade

Leia também

Destaques da bolsa ativos durante o pregão - das 10h as 17h - Fonte: Google Finance - delay aprox. de 20 min.

*Dados inativos fora do horário do pregão.