PLOA 2021 traz risco de rompimento do teto e menor investimento da série, diz IFI

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Tire dúvidas sobre investimentos

Receba notícias pelo Telegram

Com um orçamento cada vez mais engessado pelo volume das despesas obrigatórias, os investimentos públicos federais devem atingir o menor patamar da história em 2021, de acordo com a Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado. O Relatório de Acompanhamento Fiscal alerta ainda para o risco de rompimento do teto de gastos já no próximo ano.

A IFI aponta que a Proposta de Lei Orçamentária Anual (PLOA) de 2021- enviada pelo governo ao Congresso no fim de agosto – prevê investimentos de apenas R$ 25,9 bilhões no próximo ano, o volume mais baixo da série histórica do Tesouro Nacional iniciada em 2007. O valor orçado para investimentos em 2021 corresponde a apenas cerca de um terço do que foi efetivamente gasto nessa rubrica em 2010 (R$ 77,2 bilhões, a preços de julho de 2020).

“Os gastos com investimentos ainda devem crescer durante a tramitação – em função das emendas que serão feitas ao projeto – e no decorrer da execução orçamentária, com a execução de restos a pagar de exercícios anteriores. Isso, contudo, não muda o prognóstico de que o gasto de 2021 deverá ser o mais baixo das últimas décadas”, completa o relatório da IFI.

A proposta orçamentária prevê um déficit primário de R$ 233,6 bilhões para o Governo Central, enquanto a IFI calcula um rombo de R$ 265,3 bilhões em 2021. O documento lembra o PLOA não trouxe margem para acomodar uma eventual derrubada do veto presidencial sobre a renovação da desoneração da folha de salários de 17 setores por mais um ano, o que teria um custo adicional de pelo menos R$ 10 bilhões.

Da mesma forma, o projeto de Orçamento não prevê novos recursos para a criação do Renda Brasil, o novo programa social em estudo pela equipe econômica. O PLOA 2021 também não traz espaço para mais despesas de combate à pandemia de covid-19.

Nesse cenário, a Instituição Fiscal considera ser necessário um corte de R$ 20,4 bilhões nas despesas discricionárias para que seja possível o cumprimento do teto de gastos, o que poderia inclusive colocar em risco o funcionamento da máquina pública.

“A falha principal do PLOA para 2021 é não indicar sequer a existência do risco de rompimento do teto”, critica o documento. “É importante registrar que romper o teto é diferente de abandonar a regra, o que seria prejudicial ao controle das expectativas de mercado e à gestão da dívida pública. O acionamento dos gatilhos – medidas automáticas de ajuste, que recaem principalmente sobre o gasto de pessoal – está previsto na EC 95 e deve ser explorado”, avalia o relatório.

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Leia também

Leia também

Conheça o Painel Acionista: em um só lugar tudo o que você precisa saber sobre investimentos