PIX – 10 maiores dúvidas sobre o novo sistema de pagamentos do governo

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Tire dúvidas sobre investimentos

Receba notícias pelo Telegram

“O PIX não é um sistema privado, mas sim do Banco Central, então as pessoas poderão pagar e fazer transferências eletrônicas em tempo real”

O PIX, sistema de pagamentos e transferências do Banco Central estabelecido pelo governo no último mês, promete ser uma grande iniciativa para aumentar o patrimônio nacional, já que o mesmo não pertencerá a nenhuma instituição privada. Para Fabrizio Gueratto, Financista do Canal 1Bilhão Educação Financeira, este projeto será um marco na história do sistema financeiro brasileiro. “O Banco Central, que se mpre foi um órgão fiscalizador, o qual analisa se as outras instituições financeiras estão agindo de acordo com as normas, e regulador junto ao conselho monetário nacional, agora está sendo protagonista graças a uma nova tecnologia que quebrará paradigmas”, explica. 

1 – O que vai mudar?
O PIX não é um sistema privado, mas sim do Banco Central, então as pessoas poderão pagar e fazer transferências eletrônicas em tempo real, sete dias por semana. Esta é a principal mudança do sistema, que irá deixar TEDs e DOCs obsoletos. Antes disso, quando vieram os cartões de crédito, o talão de cheque se tornou inutilizável. Portanto, será mais ou menos isso que acontecerá com o PIX. Durante todos os dias da semana, por 24 horas, qualquer um vai poder transferir dinheiro ou fazer compras na internet.

2 – Quando começa?
O sistema ainda não está funcionando, mas o cadastro poderá ser feito a partir de outubro, com previsão de funcionamento para novembro deste ano. No momento, o que pode ser feito é um pré-cadastramento adicionando seus dados no sistema para quando o mesmo estiver ativo.

3 – Existe um aplicativo do PIX?
Não há como baixar um aplicativo ou plataforma do PIX separadamente, pois ele será anexo com as instituições financeiras. Desta forma, dentro do aplicativo ou site dos próprios bancos, o sistema estará acoplado. 

4 – Vai substituir o cartão de crédito?
A função do cartão de crédito é fazer com que as pessoas peguem dinheiro emprestado de alguma instituição. Neste ponto, o PIX não irá funcionar, já que atua em tempo real: transferiu, caiu o dinheiro e pronto. Porém, muita gente que não tem cartão de crédito e quer fazer compras pela internet irá conseguir através do PIX, desde que o site esteja conectado com o sistema, algo que provavelmente irá acontecer dentro dos maiores e-commerces nacionais, como Magazine Luiza e Casas Bahia. 

5 – A transferência demora quanto tempo?
Ao clicar no aplicativo do seu banco e fazer a transferência via PIX, o pagamento cai no máximo em 10 segundos. Não é igual o TED que pode levar 1 hora, 2 horas ou mesmo um dia inteiro, caso passe do horário limite. 

6 – Quais bancos terão o PIX?
Toda instituição financeira com mais de 500 mil clientes como, por exemplo, Itaú, Banco Original, Banco Inter, Bradesco e Santander, terão inclusos em seu sistema o PIX. Até mesmo contas digitais de pagamento, fintechs e cooperativas de crédito poderão integrar este método de pagamento.

7 – Como se cadastrar?
A pessoa terá algumas chaves que identificam quem ela é, podendo ser um endereço de e-mail ou número de telefone. Além do mais, será possível gerar um código de pagamento instantâneo, caso seja necessário fazer cobranças para terceiros sem revelar dados pessoais. Cada pessoa pode ter até 5 chaves fixas, excluindo aquelas relativas que são geradas para ocasiões específicas.

8 – Ainda será necessário vários dados para transferências?
Com o PIX, não será preciso ficar digitando diversas informações e pedindo os dados da agência, número da conta, nome completo e outros. Além de não correr o risco de digitar algo errado, será necessário apenas passar a chave para realizar transferências e pagamentos. Outro benefício é que isso irá diminuir a vida dos estelionatários, aquelas figuras que fingem fazer transferências ao comprar algo, mas acabam dando calote.

9 – Haverá fiscalização?
Atualmente, o Banco Central já consegue saber toda a movimentação econômica que a pessoas fazem, principalmente da receita federal. A única coisa que ele não consegue rastrear são os pagamentos feitos em dinheiro vivo. Gastos em cartão de crédito e transferências já são fiscalizados, então não é por conta do PIX que isso irá aumentar.

10 – Qual o custo?
Por mês, será possível fazer infinitas operações, não tendo nenhuma limitação. Contudo, o mercado ainda não sabe dizer quais serão os custos tarifários. Sem dúvida, os bancos digitais não irão cobrar, afinal, eles já não cobram por TEDs. Entretanto, ainda é incerto se os grandes bancos irão taxar ou não


Sobre 1Bilhão Educação Financeira

O Canal 1Bilhão Educação Financeira leva educação financeira em uma linguagem simples, resumida e disruptiva, para que o investidor aprenda a acumular riquezas, preservar o poder de compra e aumentar a sua rentabilidade com investimentos com alta expectativa de retorno. Fundado pelo jornalista, escritor e palestrante Fabrizio Gueratto, eleito em 2018 com um dos mil paulistanos mais influentes e que atua a mais de 12 anos no mercado informações financeiras. O canal tem como o slogan “investimento não é cassino” e foca em desconstruir na cabeça do brasileiro a ideia de que é preciso acertar sempre o investimento da moda. O planejamento patrimonial de qualquer pessoa, independente da sua classe social deve começar ainda na infância e continuar até o final da vida. Além disso, o conteúdo também revela as pegadinhas que existem dentro do mercado financeiro e como desviar delas.

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Leia também