PGPM-Bio paga R$ 10,9 milhões em subvenções a cerca de 5 mil extrativistas no primeiro semestre

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Receba notícias por Whatsapp

Receba notícias pelo Telegram

No primeiro semestre deste ano, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) pagou mais de R$ 10,9 milhões em subvenções da Política de Garantia de Preços Mínimos para os Produtos da Sociobiodiversidade (PGPM-Bio), contemplando 5.084 extrativistas. O valor executado representa 68% do orçamento do programa para 2020, de R$ 16 milhões.

Foram movimentadas nesse mesmo período 18.590 toneladas de produtos extrativistas em 90 municípios, distribuídos em 12 estados. A maior parte desse volume inclui pequi (42%) e babaçu (40%), seguidos de pinhão, umbú, açaí, borracha, mangaba, cacau e piaçava.

Considerando o volume de recursos em fase de liquidação financeira, a PGPM-Bio já ultrapassa os pagamentos dos anos anteriores a 2019. A projeção é que, nos próximos dias, o valor executado neste ano chegue a R$ 15,3 milhões e o total de extrativistas beneficiados passe para 6.690. 

A PGPM-Bio garante preço mínimo para 17 produtos extrativistas: açaí, andiroba, babaçu, baru, borracha extrativa, buriti, cacau extrativo, castanha do Brasil, carnaúba, juçara, macaúba, mangaba, murumuru, pequi, piaçava, pinhão e umbu.  Além da geração de renda, o programa visa proteger o meio ambiente, contribuindo para reduzir o desmatamento e para minimizar os efeitos das mudanças climáticas. Também busca preservar práticas tradicionais de grupos que vivem do extrativismo. 

Desafio – “A política é um instrumento econômico muito utilizado para diversas culturas agropecuárias, que no caso dos produtos nativos, assume outros dois pilares muito importantes: o social e o ambiental”, explica Enio de Souza, gerente de Programação Operacional da Agricultura Familiar da Conab. “Além de garantir o complemento de renda que possibilita a melhoria de vida desses produtores, a política tem a função ambiental de incentivar a manutenção da floresta nativa em pé, produzindo os frutos e tirando deles o sustento familiar”.

O desafio da Conab, segundo o técnico, é alcançar mais pequenos produtores, principalmente no bioma da Amazônia. “Temos dez produtos da Amazônia na pauta e queremos incluir mais, em todos os biomas. A Companhia tem esse compromisso com a sociedade, de manutenção da atividade por meio de suas políticas e garantir à população o alimento de qualidade”, argumentou.

Nos últimos seis meses, Minas Gerais ficou com a maior fatia do total pago pela Conab (R$ 6,1 milhões), seguida do Maranhão (R$ 4,3 milhões). Dez municípios desses estados receberam 61% do valor pago pelo programa e produziram 78% do volume de produtos da sociobiodiversidade nesse período. Santo Antônio do Retiro, Lontra, Montezuma, Rio Pardo de Minas, Virgínia, Coração de Jesus e Japonvar, em Minas Gerais. No Maranhão, Penalva, São Luís Gonzaga do Maranhão e Presidente Médici.

Dos 17 produtos da PGPM-Bio, 10 estão no Amazonas, que é apenas o sexto entre os estados que mais recebem subvenção. Para reverter esse quadro, a Conab realiza encontros e busca parceiros na região para mostrar o funcionamento do programa, as potencialidades do Amazonas nessa área e como cadastrar os extrativistas para pedir a subvenção.

Mais informações para imprensa:

Gerência de Imprensa
(61) 3312-6338/ 6344/ 6393/ 2256
[email protected]

 

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Publicidade

Leia também

Destaques da bolsa ativos durante o pregão - das 10h as 17h - Fonte: Google Finance - delay aprox. de 20 min.

*Dados inativos fora do horário do pregão.

Agruras e expectativas da reforma tributária

Por: Nelson Tucci

Toda segunda-feira

Agruras e expectativas da reforma tributária

Por: Nelson Tucci

Toda segunda-feira