Varejo paulista registra apresenta perdas de 13,3% em maio

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Receba notícias por Whatsapp

Receba notícias pelo Telegram

Com apenas o comércio essencial funcionando em São Paulo no mês de maio, em decorrência da quarentena – para evitar a disseminação de covid-19 -, a Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista (PCCV) no Estado sofreu baixa de 13,3% em ralação ao mesmo período do ano passado, com faturamento de R$ 53,7 bilhões em maio, R$ 8,2 bilhões a menos do valor apurado em maio de 2019. Foi o quarto pior resultado para o mês desde o início da série histórica, em 2008. No acumulado do ano, o recuo foi de 4,5%. Em contrapartida, nos últimos 12 meses, o balanço ainda está positivo (2%), graças à contagem dos meses anteriores à obrigatoriedade do isolamento social.

De acordo com a FecomercioSP, ainda que as vendas de maio tenham registrado retrações menores do que em abril, por causa da possibilidade de flexibilização da quarentena em junho, os consumidores seguiram focados na compra de itens essenciais, e apenas o segmento de supermercados atingiu resultado positivo no mês, com alta de 20,1% na comparação anual.

Para a Federação, a liberação do auxílio emergencial pelo governo federal atenuou os prejuízos causados pela pandemia e impulsionou a compra de alimentos. Segundo estimativa da Entidade, a maior parcela do total do auxílio emergencial injetado (aproximadamente R$ 3,7 bilhões) teve como destino o consumo varejista no mês de maio – valor aproximado do acréscimo de faturamento dos supermercados, que foi de R$ 4 bilhões a mais em relação a maio do ano passado.

Com o fim dos recursos do auxílio emergencial em setembro e a alta do desemprego, a FecomercioSP não espera um retorno rápido da economia. O Dia dos Pais, que já não é uma data de destaque para vendas, tenderá a ser pior neste ano, com quedas de 5,1%, no Brasil; e de 4,5%, no varejo paulista, em comparação a agosto do ano passado. O setor de vestuário, que teria potencial de se beneficiar, deve sofrer quedas de 14,8%, no Brasil, e de 8,4%, em São Paulo. Assim, no atual cenário de crise, a comemoração não terá capacidade de minimizar as perdas do período.

Principais resultados de maio

Das noves atividades pesquisadas do varejo, oito sofreram queda em seu faturamento real no comparativo anual; com destaque para lojas de vestuário, tecidos e calçados (-64,4%), concessionárias de veículos (-53,5%) e outras atividades (-26,34%). Em conjunto, o impacto negativo gerado foi de 17,1 pontos porcentuais (p.p.).

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Publicidade

Leia também

Destaques da bolsa ativos durante o pregão - das 10h as 17h - Fonte: Google Finance - delay aprox. de 20 min.

*Dados inativos fora do horário do pregão.