Publicidade
Publicidade
Publicidade

“Os preços estão incorporando o pior cenário”, alerta gestora

Data da publicação

Preocupação da nova onda de contágio da Covid, reflete em queda da Bolsa de Valores mundial

A bolsa brasileira está em um dos patamares mais baratos das últimas duas décadas, se você analisar através de indicadores como preço sobre lucro – e esses preços ali estão por incorporar sinais muito negativos. “Olhando para o cenário macroeconômico, viveremos a maior parte de 2022 à sombra de uma campanha eleitoral, com indícios de uma combinação de juros altos e crescimento baixo”, afirma a Neo Investimentos em carta dos gestores.

Este ano vai ser extremamente complicado para o mercado brasileiro. “Portanto, mesmo que o pragmatismo na condução da economia prevaleça, este poderá passar muito tempo oculto por trás de uma névoa de promessas de campanha e, possivelmente, sem ações consistentes para a melhoria da condição de vida da maioria dos eleitores”, completa.

Só que tem um detalhe: o cenário que está sendo incorporado é o pior possível, o que abre espaço para crescimento. “Os preços estão incorporando, avaliamos, os piores cenários. Porém, com nossa exposição recomposta, estamos confortáveis com as assimetrias de nossas posições, assim como com a nossa alocação atual”, destaca a gestora.

Publicidade

Dito isso, não é que o cenário só tem notícias ruins. “Um cenário global ainda favorável, de crescimento forte e juros ainda baixos, preços de commodities ainda altos, a colheita – segundo o Ministério da Agricultura – da maior safra de grãos da história e a continuação da reabertura pós-covid poderão evitar cenários piores para a atividade econômica”, lembra a Neo. “Ainda assim, estimamos que, durante 2022, a inflação passará ao menos um trimestre acima de 10% no acumulado de doze meses antes de entrar em trajetória de queda”, completa.

Já são 10 anos de turbulências econômicas que estão atrapalhando o andamento da nossa economia. “Em 2023, o Brasil terá completado uma década sob efeito quase ininterrupto de choques econômicos: o fim do super ciclo de commodities, a turbulência política iniciada nas manifestações populares de 2013, o impeachment de 2016, um breve interregno de reformas até um novo escândalo político, a pandemia e suas turbulentas consequências econômicas, sociais e políticas”, salienta a gestora.

A própria moeda sofre com isso, e o Brasil vai sofrendo ao longo desse período. “Nesse período, o real desvalorizou-se quase 50% em termos reais contra o dólar americano. Não há estratégia fácil de desenvolvimento para sobreviver a tanta instabilidade. O país possui uma dotação de recursos naturais excepcional para fazer parte da liderança global em desenvolvimento sustentável”, afirma.

E não adianta nenhum esforço, se não criarmos as condições para isso. “Para se beneficiar disso precisa, porém, garantir condições de estabilidade para que o capital possa superar a barreira das condições macroeconômicas e para que possa se concentrar no mérito individual ou setorial de projetos. Essa deverá ser – em nosso entendimento – a tarefa primordial de qualquer governo que venha a ser eleito”, acredita a gestora.

Mesmo com os preços e as dificuldades do Brasil, a gestora ressalta que há boas oportunidades, empresas que vão crescer e ter bons resultados daqui em diante. “Independentemente das dificuldades no contexto macro que deveremos ter à frente, nos sentimos confortáveis com a expectativa de que nossas companhias executarão seus respectivos planos de ocupação de mercado de maneira rentável e, nesse sentido, seguirão se fortalecendo, em termos relativos e absolutos”, destaca.

Afinal, o cenário pode ser ruim hoje, mas certamente teremos motivos em um futuro próximo para celebrar – as ações nunca ficam baratas para sempre. “Em face de termos uma expectativa ruim no curto prazo, vale ressaltar a importância do alinhamento de longo prazo com nossos sócios cotistas e empresários. Isso nos concede liberdade de gestão para atuarmos com convicção. Sendo assim, a despeito dos desafios, podemos tomar as decisões que oferecem as melhores oportunidades de perseguir a preservação de capital no longo prazo e a entrega do nosso objetivo de retorno”, termina.

Felipe Moreno

Autor

Matérias por 1Bilhão – Educação Financeira; Fabrizio Gueratto; e Gueratto Press.

Receba informações do mercado financeiro no seu celular gratuitamente

Compartilhe esse post nas suas redes!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Você pode se interessar por

Publicidade

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão. Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso. Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Publicidade
Publicidade

Telegram Acionista

Os principais destaques do mercado! A melhor cobertura.

Esse site usa cookies para personalizar o conteúdo, propagandas e acompanhar o tráfego de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade.