Oi (OIBR3): companhia italiana oferece R$ 11,5 bi por rede de fibra

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Receba notícias por Whatsapp

Receba notícias pelo Telegram

A Oi (OIBR3) recebeu proposta da italiana Enel que pretende comprar a rede de fibra da operadora brasileira.

De acordo com a Exame, a Enel quer o controle da Infra Co, empresa de rede de transporte e passagem da qual a Oi será minoritária e cliente.

A Enel atua no Brasil com distribuição de energia em São Paulo, Rio de Janeiro, Goiás e Ceará.

A Oi recebeu proposta de dez interessados, entre os quais estão também a Highline, que concorre ainda pela Oi Móvel, além de fundos de infraestrutura geridos pelo BTG Pactual.

OIBR3: o investimento

O investimento na Infra Co. demanda um aporte mínimo de entrada de R$ 11,5 bilhões. Esse valor é dividido em R$ 6,5 bilhões por 51% das ações ordinárias da companhia de fibra.

Depois, mais uma capitalização de R$ 5 bilhões no negócio — sendo que R$ 2,4 bilhões serão usados para pagar dívidas da Oi com credores.

OIBR3: a única

A Enel é a única entre das interessadas pela Oi que pode ser considerada uma operadora desse negócio.

Há grande sinergia entre a estrutura de rede elétrica e de telecomunicações devido ao direito de passagem que as distribuidoras de energia já detêm sobre os postes.

Assim, fica muito mais simples fazer os acessos até as casas dos clientes. O grupo criou um braço internacional nesse ramo, a Enel X, cuja atuação na América Latina é feita por meio da Ufinet.

NNo Brasil, a operação começou pela compra da Netell, dona de redes em São Paulo e outras regiões, em julho do ano passado.

No fim de 2019, mesmo após o negócio, um representante da Ufinet afirmou que estudava a construção de uma rede em São Paulo, em evento realizado pela Anatel.

OIBR3: TIM vê aquisição somente em 2021

A companhia detentora da TIM diz acreditar que a finalização do negócio se dará somente no último trimestre de 2021.

Isso caso a proposta do consórcio seja a escolhida pela concorrente e aprovada pelos credores da recuperação judicial em assembleia geral que deverá acontecer neste mês.

O prognóstico foi realizado pelo CEO da Telecom Italia, Luigi Gubitosi, durante call com investidores realizada nesta quarta-feira (5).

Na ocasião, o executivo afirmou que a exclusividade ora concedida ao fundo de investimentos Highline não foi renovada após expirar na última segunda-feira (3), e que no momento, o trio de operadoras mantém conversas com a Oi.

“A Oi vai identificar o que eles chamam de stalking horse, ou o candidato favorito para a exclusividade, e levar aos credores, que votarão o plano em uma assembleia geral”, disse.

 E disse mais: “a assembleia deve ocorrer no fim de agosto e, depois, haverá um longo processo judicial que deve levar um ano a partir de agora.”

A proposta das operadoras brasileiras pelos ativos móveis da Oi é de R$ 16,5 bilhões. Recentemente, o Cade deu sinalizações sobre implicações concorrenciais e a complexidade da potencial transação.

Veja OIBR3 X Ibov em 6 meses:

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Publicidade

Leia também

Destaques da bolsa ativos durante o pregão - das 10h as 17h - Fonte: Google Finance - delay aprox. de 20 min.

*Dados inativos fora do horário do pregão.

A temporada para ganhar dinheiro com ações está chegando