Oi (OIBR3): Anatel deve facilitar compra da tele; consórcio vai partilhar base de clientes

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Tire dúvidas sobre investimentos

Receba notícias pelo Telegram

A Oi (OIBR3) foi fatiada e está sendo vendida. O consorcio formado por TIM, Vivo e Claro deverá ficar com a operação de telefonia móvel por R$ 16,5 bilhões.

De acordo com o Estadão, a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) dará anuência para a transação.

Isso porque a transação deve enfrentar barreiras incontornáveis junto ao órgão regulador.

Ocorre que mesmo reduzindo de quatro para três o total de operadoras de celular no país, não há intenção dos representantes da agência de entrar no mérito do tema concorrencial.

Essa questão fica à cargo, hoje, do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica).

Oi (OIBR3): Anatel deve facilitar compra da tele; consórcio vai partilhar base de clientes
Logotipo da Oi dentro de loja em shopping em São Paulo. REUTERS/Nacho Doce (BRAZIL – Tags: BUSINESS TELECOMS POLITICS LOGO)

OIBR3: ‘briga por mercado dominado, diz ex-ministro’

Em vias de ser vendida, a Oi (OIBR3) deverá promover uma assembleia de acionistas ainda este ano. A companhia está em recuperação judicial (RJ).

Ex-ministro das Telecomunicações (2002), o consultor Juarez Quadros afirma que a concorrência pela tele é briga por mercado dominado.

Ele se diz otimista quanto à possível transação, mas a operação se dará em busca de um público “potencialmente já atendido”.

Quadros explica que a TIM detém 30% da participação de mercado. “A Oi, com menor participação entre as teles, detém 16%”, ressalta.

E frisa: “Significa dizer que quem precisa ter acesso de celular móvel pré ou pós, a princípio estará atendido.”

Quadros falou com exclusividade ao 1Bilhão.

OIBR3: ‘briga por mercado dominado, diz ex-ministro’
OIBR3: ‘briga por mercado dominado, diz ex-ministro’

Oi (OIBR3): partilha da base de clientes

O consórcio formado por Claro, TIM e Telefônica ensaia a divisão da base de clientes da tele.

Segundo o Valor Econômico, o consórcio já está em contato com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), e trabalha na formatação de uma proposta para repartir a base.

A Oi possuía cerca de 34 milhões de clientes no fim de março.

Oi (OIBR3): partilha da base de clientes
Oi (OIBR3): partilha da base de clientes

OIBR3: rede de fibra ótica

Enquanto segue o processo de venda de sua operação de telefonia móvel, a Oi vem mantendo nos bastidores uma intensa negociação para se desfazer de sua rede de fibra óptica, a InfraCo.

Segundo O Globo, dez sociedades, entre bancos, fundos de investimentos e gigantes de energia já analisaram o ativo, dona de cerca de 400 mil milhas de fibra no país.

E o número de interessados ​​pode aumentar, já que também são esperadas empresas chinesas no processo.

A InfraCo deve ser o último ativo a ser vendido pela Oi. A Lazard é a empresa contratada para fazer uma pesquisa de mercado.

Veja a OIBR3 na Bolsa:

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Leia também

Conheça o Painel Acionista: em um só lugar tudo o que você precisa saber sobre investimentos