Mulheres em Ação

O papel das empresas no enfrentamento da violência doméstica

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

“Ninguém mete a colher em assunto de marido e mulher”, dizia o ditado. Não deve ser assim. O Atlas da Violência de 2021, divulgado pelo IPEA no final de agosto, mostrou que a violência contra a mulher dentro de casa aumentou 6,1% em um ano. A urgência que as empresas devem ter em dar atenção e tomar providência frente a este quadro se agrava diante do fato de que 2020 foi o ano em que muitas mulher passaram a desempenhar também suas funções profissionais em casa diante da pandemia.

Guardião do tema, o Instituto Patrícia Galvão mantém a série “Violência e assédio contra mulheres no trabalho” no seu canal de Youtube, que é possível acompanhar em outras plataformas de áudio (Google Podcasts, Spotify e Apple Podcast). O tema sobre o papel das empresas no enfrentamento da violência doméstica e familiar marca terceiro episódio, para o qual foi convidada Maíra Andrade de Carvalho, gerente de Diversidade, Equidade e Inclusão da Adidas para a América Latina. Na sua visão, as instituições empregadoras podem contribuir com as mulheres, já que as consequências psicológicas e emocionais, como o medo, baixa autoestima, estresse, ansiedade, dificuldade de concentração, influenciam a produtividade das profissionais.

No programa, Maíra Andrade analisa o papel das empresas no enfrentamento das violências contra as mulheres, tanto no âmbito estrutural, de envolvimento e formação de todos os funcionários, quanto na criação de ferramentas de auxílio às mulheres vítimas. E aponta que, contra o enfrentamento do ciclo das violências de gênero, ter lideranças mais diversas pode favorecer que temas sensíveis sejam incorporados na cultura organizacional, se desdobrando em ações que valorizem, de fato, a diversidade.

O objetivo desta série “Violência e assédio contra mulheres no trabalho” é debater os dados da pesquisa “Percepções sobre a violência e o assédio contra as mulheres no trabalho“, realizada pelos institutos Patrícia Galvão e Locomotiva no final de 2020, com apoio da Laudes Foundation. Segundo a  pesquisa, cerca de 70% dos entrevistados percebem o impacto da violência doméstica no trabalho e 55% desconfiam de que há pessoas no trabalho que sofrem violência doméstica. 

Fonte: Publicação feita pela Agência Patrícia Galvão.

Grazieli Binkowski

Grazieli Binkowski

Grazieli Binkowski é mãe do Miguel e do Yorkshire Lilo, casada com o Erik. Vive em Porto Alegre (RS), gosta de ler (quase de tudo), curte jazz, vinhos e é apaixonada pela cultura francesa. É Jornalista, formada pela PUCRS, com uma especialização em Gestão Estratégica pela UFRGS. Tem transitado pelo mercado financeiro desde a universidade, quando começou a colaborar com o Acionista.com.br. Também tem uma história longa com Organizações Não-Governamentais. Acredita que a profissão que escolheu não é só um ganha pão. E essa impressão tem ficado cada vez mais forte ao passar dos anos. E foi por isso que surgiu o Mulheres em Ação.

Newsletter Mulheres em Ação

Cadastre-se e receba semanalmente as novidades da página e dicas de conteúdos exclusivos.

Você pode se interessar por

Publicidade

Leia também

Tire dúvidas sobre investimentos

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Telegram

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.