O imenso poder do “Grátis” nas decisões financeiras

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Você gosta de chocolate?

Se sua resposta foi “Sim” imagine que amanhã você entrasse no prédio onde trabalha e logo na entrada visse uma mesa oferecendo dois tipos de bombons. O primeiro, uma trufa da marca Lindt, um chocolate suíço quase comparado a um pedaço do paraíso e o segundo, um bombom Serenata de Amor da marca Garoto, um chocolate comum aqui do Brasil.

Em cima da mesa você consegue ver uma placa bem grande escrita “Apenas um chocolate por cliente”.

Ao se aproximar você nota que o valor para pegar a trufa da Lindt é R$0,50 e o do bombom da Garoto é R$0,05. Mas lembre-se que você só poderia comprar uma única unidade de apenas um deles!

Qual você compraria nestas condições?

Se você respondeu que seria o Lindt, você está com a maioria das pessoas, que prefeririam o chocolate suíço ao nacional.

Mas vamos agora mudar um pouco a situação. Imagine que ao entrar você se depara com a mesma cena só que agora a trufa suíça tem o preço de R$0,45 e o bombom nacional fosse grátis. Nesta nova situação, qual você escolheria?

Os valores já estavam, claramente, bem abaixo do que você pagaria em uma situação normal mas eu posso apostar que você escolheu ficar com o bombom grátis na segunda situação, certo?

Bem, essa é a escolha da maioria, conforme um experimento similar realizado nos Estados Unidos em condições bem parecidas.

Neste experimento realizado lá fora, na primeira situação 73% das pessoas escolheram a trufa enquanto que na segunda, apenas 31% escolheram o Lindt. Os outros 69%, na segunda situação, preferiram a escolher o bombom mais simples, que lá era um chocolate da Hershey, marca comum a eles.

Mas porque mesmo com os valores da segunda situação sendo reduzidos na mesma proporção, ou seja, R$0,05 de desconto nas duas condições, as pessoas trocam a escolha de um para outro?

E a resposta é porque O “Gratis” é um botão emocional que causa uma sensação de vantagem absoluta.

Pense aí, quantas vezes você já não foi naquelas feiras de lançamento de produtos, tipo feira do Automóvel ou até mesmo congressos e pegou um monte de folders, sacolas, canetas e brindes descartáveis que nunca usou ou que depois de alguns anos você achou entulhado em algum canto da casa e acabou jogando fora?

Quantas vezes não entrou em uma fila enorme só para pegar uma degustação de alguma coisa no supermercado? Tudo isso só porque é Gratis!

Por isso é que o “Grátis” também é usado pelo Marketing para nos seduzir através de promoções do tipo “Leve 3 e Pague 2” onde supostamente um dos produtos é inteiramente grátis! Mas será que realmente vale a pena?

E não estou dizendo que tudo que é grátis é ruim ou não vale a pena, o problema é quando o grátis passa a ser a opção entre um produto versus outro produto mais algo grátis e neste caso a presença do conteúdo gratuito nos induz a tomar decisões ruins em detrimento do que seria melhor para nós.

Portanto cuidado com coisas grátis, bônus, leve 3 pague 2 e afins que podem fazer você comprar “gato por lebre” como diz a velha expressão.

Deixe seu comentário dizendo quais foram suas escolhas nas situações apresentadas aqui ou suas experiências com coisas grátis.

E não se preocupe porque deixar o comentário aqui também é grátis.

Luis Botelho

Luis Botelho

Formado e Mestrado em Engenharia, Coaching, Educador Financeiro, Inteligência Financeira, Certificação CPA-20 (ANBIMA) e é membro da ABEFIN. Com 15 anos dedicados a programas de educação é Planejador, Educador Financeiro e Palestrante, onde atou no SBT, Honda, FMU, Grupo Petrópolis, Comgás e Lello. Redes sociais: Instagram: @inspiratori73 Facebook: riquezainspiradora Website: www.inspiratori.com.br E-mail: [email protected]

Você pode se interessar por

Publicidade

Leia também

Tire dúvidas sobre investimentos

Últimas atualizações sobre

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.