Novo modelo de shoppings mantém fluxo ativo e constante

Os shoppings estão se tornando cada vez mais ambientes de convivência e conveniência, bem como mini centros de distribuição. Esse novo modelo mantém o fluxo de consumidores ativo e constante.

O setor conta atualmente com aproximadamente 563 shoppings em operação e quase 105 mil lojas ativas. Do total, a região Sudeste é a que concentra a maior parte dos shoppings, equivalente a 55%, seguida pela região Sul (17%).

A retomada do setor de shoppings também se apoia na gradativa recuperação da economia brasileira. Em 2018, o fluxo de visitas apresentou uma média mensal 490 milhões, um aumento de 5,6% em relação ano anterior. Na mesma linha, o faturamento também avançou naquele período, segundo a Abrasce, alcançando R$ 179 bi, uma alta de 6,5% ante 2017.

Nesse contexto, a retomada do crédito e a redução no nível de desemprego são os principais drivers para o fortalecimento do consumo e da consequente melhoria dos indicadores do setor.

No longo prazo, as perspectivas favoráveis para o setor de shopping centers estão calcadas (i) no incremento de áreas destinadas ao entretenimento, serviços e alimentação, reduzindo o papel dos shoppings como centros de compra, ao tempo em que eleva sua relevância enquanto centros de convivência e conveniência; e (ii) na integração dos canais de vendas físicos e online por meio do omnichannel, com os shoppings implementando plataformas para acelerar as vendas dos lojistas, bem como servindo como centros de distribuição de mercadorias.

Em nossa carteira, privilegiamos os FIIs de shoppings cujos ativos estão localizados em estados como SP e RJ, focados nos públicos de classe A à classe C, e com altas taxas de ocupação.

CONFIRA AS RECOMENDAÇÕES DE FII DA BB INVESTIMENTOS