Publicidade
Publicidade

Mulheres em Ação

Mulheres sofrem mais que homens com assédio no ambiente de trabalho

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

O Instituto Patrícia Galvão, em parceria com o Instituto Locomotiva e apoio da Laudes Foundation, mapeou as percepções da população brasileira sobre situações de violência e assédio no ambiente de trabalho. O levantamento resultou na pesquisa “Percepções sobre violência e assédio contra mulheres no trabalho”.

Foram feitas 1.500 entrevistas com mulheres e homens com 18 anos ou mais, de todo o Brasil, resultando em dados alarmantes com relação à violência de gênero no universo corporativo. Confira:

Publicidade





  • Para 92% dos entrevistados, as mulheres sofrem mais situações de constrangimento e assédio no trabalho do que os homens;
  • 76% das profissionais ouvidas já sofreram assédio no trabalho;
  • 40% das mulheres tiveram seus trabalhos supervisionados excessivamente, enquanto apenas 16% dos homens afirmaram ter passado por esse tipo de situação;
  • 40% das entrevistadas já foram xingadas ou ouviram gritos no ambiente de trabalho;
  • 39% delas já receberam convites para sair ou insinuações constrangedoras de pessoas do sexo oposto;
  • 36% das mulheres dizem já ter sofrido preconceito ou abuso no trabalho por serem mulheres, contra 15% dos homens na mesma situação;
  • 36% das participantes da pesquisa afirmaram que foram elogiadas por pessoas do sexo oposto, de forma constrangedora, por seus atributos físicos.

“Vivemos em uma sociedade machista, o que significa que há uma compreensão dentro do nosso imaginário social de que os homens estão em posição de superioridade em relação às mulheres, então eles têm acesso a cargos de maior poder e remuneração, enquanto as mulheres ficam em cargos de apoio e são vistas como pessoas que estão a serviço dos homens, muitas vezes até como objetos sexuais”, explica Adriane Reis, coordenadora nacional de Promoção da Igualdade e Eliminação da Discriminação no Trabalho – Coodigualdade, do Ministério Público do Trabalho de São Paulo, em entrevista para o portal G1.

“Por isso acontecer dentro da nossa sociedade, há a repetição dessa prática dentro das empresas. Muitas vezes a gestão é tão autoritária e abusiva que você observa práticas de assédio moral em todo o conjunto de trabalhadores, mas ainda assim a mulher fica em situação pior porque há, no imaginário social, essa naturalização de que ela faz um trabalho inferior”, complementa.

A Diretora de Pesquisa do Instituto Locomotiva, Maíra Saruê Machado, também comenta os resultados, e aponta que muitas das situações vividas pelas mulheres são ainda naturalizadas.

Publicidade





“Essas situações são tratadas como situações cotidianas, de pouca importância. É preciso falar sobre assédio no trabalho de forma ampla, inclusive nas empresas, coibindo essas situações e dando a devida relevância institucional ao tema, hoje tratado no âmbito individual, trazendo ainda mais sofrimento para as mulheres vítimas”.

Confira mais informações e outros dados da pesquisa “Percepções sobre violência e assédio contra mulheres no trabalho” em http://glo.bo/3oXbNyT.

Quer dicas de como abordar o tema em sua empresa ou organização? Baixe gratuitamente o e-book e ouça o primeiro episódio do MM360Cast com dicas e orientações para acelerar a jornada contra a violência e assédio contra as mulheres.

Movimento Mulher360

Movimento Mulher360

Referência no engajamento de empresas na promoção da equidade de gênero e empoderamento feminino. Atuamos em 3 dimensões: fomento, sistematização e disseminação de conhecimentos e práticas com o objetivo de acelerar o avanço da equidade de gênero nas empresas e nas suas cadeias de valor.

Newsletter Mulheres em Ação

Cadastre-se e receba semanalmente as novidades da página e dicas de conteúdos exclusivos.

Você pode se interessar por

Publicidade

Leia também

Acionista consome. Acionista investe

Você consome das
empresas em que investe?

Tire dúvidas sobre investimentos

Publicidade

Telegram

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão. Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso. Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Publicidade

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.