Modalmais:Investidores oscilam sobre recuperação econômica

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Receba notícias por Whatsapp

Receba notícias pelo Telegram

Ontem todos os principais mercados acionários do mundo tiveram dia de boas altas. Destaque para a Bolsa de Xangai com +5,71% e para o novo recorde de pontuação do índice Nasdaq e para a ação da Amazon com alta de 5,77%, com valorização acumulada em 2020 de mais de 65% e a cotação passando de US$ 3.000, tudo por conta de seu modelo de negócio, pouco efeito aos problemas do covid-19.

Hoje mercados começando o dia com comportamento negativo, exceto a Bolsa de Xangai que fechou com alta de 0,37%. Mercados da Europa iniciando com quedas, mas já pouco afastados das mínimas e mercado americano nos índices futuros também com comportamento de queda. Aqui, fechamos ontem próximo de 99.000 pontos, em 98.937 pontos, em alta de 2,24%, marca que vínhamos determinando como importante de ser superada. Mas será preciso confirmar a superação para ganhar consistência e vazar a faixa de 100.000 pontos, o que parece difícil para hoje.

A sessão começando com investidores temerosos sobre a recuperação rápida das economias, e o espectro de uma segunda onda de contágio e óbitos pelo covid-19, principalmente após a União Europeia ter previsto que a economia da Zona do Euro deve encolher 8,7% em 2020. Dados da produção industrial da Alemanha também ajudam, já que ficaram abaixo do previsto de +10%, em +8,7%, muito embora a produção manufatureira tenha crescido 10,3%.

Na Austrália, o banco central manteve a taxa básica de juros estabilizada em 0,25%, mínima histórica e a Malásia reduziu sua taxa para nível mínimo de 1,75%. Já na China, as reservas internacionais cresceram pelo terceiro mês consecutivo e atingiram US$ 3,11 trilhões. A China também disse estar preparada para o desafio americano de fazer exercícios militares no Mara da China.

No mercado internacional, o petróleo WTI negociado em NY mostrava queda de 1,26%, com o barril cotado a US$ 40,12. O euro era transacionado em queda para US$ 1,127 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 0,67%. O ouro e a prata mostravam quedas na Comex e commodities agrícolas com viés de queda na Bolsa de Chicago.

No segmento doméstico, o presidente Bolsonaro sancionou a MP 936, aquela que versa sobre suspensão de contratos de trabalho e redução de carga horária, mas vetou o prolongamento da desoneração das folhas de pagamento até o final do no de 2021. O presidente Bolsonaro passou mal ontem e fez novo teste para a contaminação pelo covid-19, cujo resultado está previsto para sair às 12 horas de hoje.

A Câmara também promete votar hoje o auxílio para as companhias aéreas, em meio às demissões realizadas pela empresa Azul e o pedido de falência da Avianca Brasil. O presidente do Bacen Campos Neto deu entrevista ontem e disse ver a recuperação econômica mais rápida do que o previsto, em contraposição ao que pensam dirigentes do exterior.

A agenda do dia não tem nenhum indicador que possa mexer com os mercados, mas vamos ter três dirigentes do FED falando hoje. A expectativa é de Bovespa seguindo exterior em queda e aguardando teste de Bolsonaro, dólar em alta e juros de longo prazo também em alta.

Alvaro Bandeira
Sócio e economista-chefe do banco digital Modalmais
Fonte: www.modalmais.com.br/blog/falando-de-mercado

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Publicidade

Leia também

Destaques da bolsa ativos durante o pregão - das 10h as 17h - Fonte: Google Finance - delay aprox. de 20 min.

*Dados inativos fora do horário do pregão.

Todos os dias diversas Corretoras e Casas de Análise atualizam seus boletins com as principais notícias do mercado de investimento. Acesse agora!