Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Tire dúvidas sobre investimentos

Receba notícias pelo Telegram

Ontem, comentamos aqui nesse espaço sobre a sucessão de notícias ruins tanto no cenário internacional, quanto no local, e como isso afetou o desempenho dos mercados de risco no mundo. Sanção estudada pelos EUA contra a China, a China respondendo no mesmo tom, declarações de Jerome Powell do FED sobre a recuperação lenta da economia americana na saída da pandemia e afastando a possibilidade (pelo menos no momento) de juros negativos.

Também tivemos projeções ruins de recuperação da economia da região do euro pelo BCE (BC europeu), e do FMI sobre o crescimento global. Aqui, as projeções de queda do PIB em 2020 cada vez piores e o governo claramente admitindo não haver folga fiscal para ajudar a economia e realizar investimentos públicos. Resultado disso, a Bovespa revertendo para queda de 0,13% e índice em 77.772 pontos, dólar pressionado mesmo com Bacen realizando dois leilões de swap e fechando cotado em R$ 5,90, e Dow Jones em queda de 2,17% e Nasdaq com -1,55%.

Hoje, mercados da Ásia e da Europa capturaram esse clima e operando em quedas, futuros do mercado americano novamente passando para o campo negativo e aqui, como temos alertado, seria bom não perder o patamar de 76 mil pontos sob pena de haver nova pressão vendedora, além da exercida pelos investidores estrangeiros que já retiraram até 11/5 R$ 4,2 bilhões, deixando o ano com saídas líquidas de R$ 73,6 bilhões.

Mas o dia está começando também com previsões melhores de demanda por petróleo feitas pela AIE- Agência Internacional de Energia, reduzindo a queda da demanda anteriormente projetada em 700 mil barris para 8,6 milhões, fruto do relaxamento do isolamento social e reabertura das economias. Além disso, pela contração de parte da oferta. Isso puxa os preços do óleo no mercado internacional.

Na Alemanha, a inflação de abril medida pelo CPI (consumidor) desacelerou para 0,9% anualizada, vindo de 1,4%. Já a China, o volume de investimento externo direto de abril foi de US$ 10,1 bilhões, mas em queda de 8,6%. O Chile é que anunciou lockdown na região da capital Santiago e o BOE (BC inglês) manifestou preocupações com uma segunda onda de contágio pelo Covid-19. O fundo gigante da Noruega é que retirou Vale e Eletrobrás de sua carteira, por danos ao meio ambiente.

No mercado internacional, o petróleo WTI negociado em NY mostrava alta de 4,31%, com o barril cotado a US$ 26,38 (saindo da máxima do dia). O euro era transacionado em queda para US$ 1,08 e notes americanos com taxa de juros de 0,65% para o prazo de 10 anos. O ouro e a prata mostravam altas na Comex e commodities agrícolas com viés positivo na Bolsa de Chicago. O minério de ferro fechou em alta de 0,59% na China, com a tonelada em US$ 92,17.

Aqui, o Senado quer votar PL que limita juros em algumas linhas e os bancos entendem que se isso for feito, o crédito irá contrair, justamente numa fase necessária. Além disso, querem ampliar a CSLL (contribuição sobre lucro líquido), exatamente na hora que aumento de carga é condenável.

Na agenda do dia nenhum indicador importante para ser anunciado, mas a Petrobras anuncia seu resultado depois de pregão encerrado. Nos EUA, teremos os pedidos de auxílio-desemprego da semana anterior e os preços dos importados de abril. Durante a noite e afetando os mercados na sexta-feira, a China anuncia bateria de dados de conjuntura de abril.

O dia pode ser de Bovespa tentando se manter no positivo, mas com exterior inibindo isso, dólar ainda pressionado, mas com possibilidades de realização de lucros recentes e atuação do Bacen e juros em queda.

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Leia também

Leia também

Todos os dias diversas Corretoras e Casas de Análise atualizam seus boletins com as principais notícias do mercado de investimento. Acesse agora!

Conheça o Painel Acionista: em um só lugar tudo o que você precisa saber sobre investimentos