Modalmais: Novamente o fantasma do Covid-19

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Receba notícias por Whatsapp

Receba notícias pelo Telegram

Novamente o fantasma da contaminação pelo Covid-19 assusta os investidores em todo o mundo, governos e bancos centrais, abrindo a possibilidade de um duplo mergulho em algumas economias, como por exemplo Alemanha e até os EUA. Jogando contra o vírus, temos o fato de as vacinas e medicamentos poderem começar a ser distribuídos em pouco tempo; o maior conhecimento de como ataca e se desenvolve e, possivelmente, menos internações e principalmente óbitos. Mas, é fato que até que se tenha vacinação massiva e maior liberdade de contado social, as economias não voltarão ao normal.

Em compensação, também é fato que muito já foi feito por países no que tange a minorar os efeitos na economia e, portanto, o arsenal de medidas vai escasseando. Ainda assim será preciso fazer uso de políticas fiscais, neste momento com maior eficiência sobre a monetária, para dar renda para a população e empresas. Contudo, alguns países já estão ou passaram dos limites em termos de folga fiscal.

Isso vem permeando as decisões de investimentos e mexendo com a precificação dos ativos, gerando grande volatilidade a partir do noticiário diário e alternando momentos de maior ou menor aversão ao risco. No presente, voltamos a ter o aumento da aversão, a busca por aplicações mais conservadoras e realizações de lucros de curto prazo.

O FMI, por exemplo, defende ação conjunta para superar a crise do Covid-19, estimando que as vacinas devem estar disponíveis em meados de 2021, enquanto farmacêuticas pedem liberação de uso emergencial. A OMS, por sua vez, receita o uso de máscara pela população, para que se possa evitar bloqueios e comprometer ainda mais as economias. A Turquia surpreendeu em parte ao elevar os juros básicos para 15%, de 10,25%, preocupada com a inflação, enquanto a África do Sul manteve a taxa estabilizada em 3,50%.

Já a União Europeia suspendeu as negociações do Brexit, por conta de contaminação pelo Covid-19 em um membro da equipe. Nos EUA, as vendas de imóveis usados de outubro cresceram 4,3%, no maior nível em 14 anos. Já a Dinamarca, citada por Jair Bolsonaro como receptadora de madeira ilegal, reagiu por seu embaixador dizendo que nunca foram notificados e que seu governo teria tomada as providências necessárias. A OCDE — Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico — indica que o PIB dos países membros cresceu 9,0% no terceiro trimestre, mas permanecem abaixo do estágio pré-pandemia. 

No mercado internacional, o petróleo WTI negociado em NY mostrava alta de 0,26%, com o barril cotado a US$ 41,93. O euro era transacionado em leve alta para US$ 1,188 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 0,85%. O ouro e a prata se mantiveram com quedas na Comex, enquanto commodities agrícolas com comportamento misto na bolsa de Chicago. O minério de ferro teve mais um dia de alta de 1,23% na China, com a tonelada atingindo US$ 127,89.

No segmento doméstico, embaixadores aguardam a revelação por Jair Bolsonaro de quais países adquirem madeira de extração ilegal, assim como nossos representantes no exterior. Especialistas dizem que isso pode prejudicar as exportações agrícolas. A Justiça afastou as diretorias da Aneel e ONS, em função do apagão ocorrido no Amapá. A área econômica é que enxerga pautas prioritárias destravadas só depois de fevereiro de 2021.

A CNI diz que a atividade cresceu rapidamente, mas os estoques estão abaixo do desejável. Já a CNC indicou que a confiança do comércio evoluiu 4,1%, para 108 pontos em novembro. No mercado, o dólar encerrou o dia em queda de 1,24% e cotado a R$ 5,303, depois de muito oscilar. Na B3, na sessão de 17/11, os investidores voltaram a alocar recursos (em novembro todos os dias foram positivo) no montante de R$ 2,10 bilhões, deixando o ingresso líquido do mês em R$ 24,76 bilhões, mas no ano permanece negativo em R$ 60,12 bilhões.

No mercado acionário Bolsas europeias em queda, com Londres perdendo 0,80%, Paris com -0,67% e Frankfurt com -0,88%. Madri e Milão com quedas de respectivamente 0,64% e 0,40%. No mercado americano, o Dow Jones com alta 0,15% e Nasdaq com 0,87%. No final do dia, o noticiário deu conta de que Republicanos e Democratas vão tentar novo acordo para pacote de estímulos fiscal e os mercados recuperaram. Na B3, dia de alta de 0,52% e índice em 106.669 pontos. Vale e Petrobras destaques na recuperação.

Na agenda de amanhã teremos o relatório de receitas e despesas pelo Tesouro no quinto bimestre, na zona do euro a confiança do consumidor de novembro e nos EUA discursos. Amanhã será feriado em São Paulo, mas a B3 terá funcionamento normal.

Alvaro Bandeira
Sócio e economista-chefe do banco digital Modalmais
Fonte: www.modalmais.com.br/blog/falando-de-mercado

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Todos os dias diversas Corretoras e Casas de Análise atualizam seus boletins com as principais notícias do mercado de investimento. Acesse agora!