Metas para o efeito estufa

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
CCR

Não são raras as vezes que as metas governamentais – e seu efetivo cumprimento – ensejam questionamentos, sobretudo quando envolvem questões climáticas e o meio ambiente. Seja por desídia dos senhores do poder, seja por pressão de entidades da sociedade civil que tentam avançar mais e mais na proteção aos recursos naturais. Há no meio do caminho questões econômicas e ideológicas também, estejamos atentos a isso, mas é uma outra discussão.

O fato objetivo é que o governo brasileiro estabeleceu metas para a redução de gases do efeito estufa e para aquisição de Créditos de Descarbonização dos Biocombustíveis (CBios). Em razão da pandemia, a norma reduziu em 50% as metas para 2020, mas a Associação das Distribuidoras de Combustíveis (Brasilcom) esperneou contra a Resolução nº8/2020 do Conselho Nacional de Política Energética e foi pra Justiça.

Acionada, a Advocacia-Geral da União (AGU) assegurou junto ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) a manutenção da meta anual do governo federal. O ministro Gurgel de Faria aceitou os argumentos da AGU, rejeitando o mandado de segurança impetrado pela associação, que alegou risco de colapso no sistema de distribuição de combustíveis em face da aplicação de severas penalidades contra as empresas. Segundo a AGU, referendada pelo STJ, as metas de redução, e a aquisição de CBios previstas para este ano, eram conhecidas desde 2018.      

NEUTRA

Neutralizar as emissões de gases do efeito estufa até 2025 é o desafio que a AES Brasil (ex-AES Tietê) se coloca. Em nota, a companhia justifica a posição, integrada à nova estratégia de negócios, agora pautada no desenvolvimento sustentável.

“Acreditamos que cada 1ºC é importante para revertemos o preocupante cenário atual, referente ao aquecimento global, a fim de construirmos o futuro que almejamos”, declarou o diretor-presidente da AES Brasil, Ítalo Freitas.

BNDES

A gestão de Gustavo Montezano tem se pautado por um outro dinamismo à frente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. Desinvestir R$ 110 BI nas companhias nacionais foi uma das decisões.

Metade disso já foi neste (em ações da Petrobras e Vale no início do ano e na Suzano mais recentemente) e no ano passado. Agora o banco cogita sair da Copel, onde tem 65, 5 milhões de ações, o que lhe renderia aproximadamente R$ 4,4 BI.

RESÍDUOS

A partir de 1º de Janeiro de 21 entra em vigor a portaria que instituiu o Manifesto de Transporte de Resíduos (MTR), documento autodeclaratório (online) e que será emitido pelo Sistema Nacional de Informações sobre a Gestão de Resíduos Sólidos (SINIR).

Proposta é estabelecer um rastreamento ordenado dos resíduos produzidos. O gerador será o responsável pela emissão do MTR.

AMBIENTAL

Klabin, Duratex, Marfrig (brasileiras), Vina Concha y Toro, CPMC, Mitsubishi Electric e HP Inc foram nomeadas na “A List” do CDP (organização ambiental internacional, sem fins lucrativos – antigo Carbon Disclosure Project) deste ano.  

Das 5.800 empresas avaliadas pelo CDP, em seus reportes sobre mudanças climáticas, preservação florestal e segurança hídrica, apenas 313 foram destacadas pela transparência e ação ambiental.

AMBIENTAL 2

Pela ordem, os setores com mais empresas na “A List” são os serviços financeiros, eletrônicos, e de equipamentos elétricos, processamento de alimentos e bebidas, TI e construção.

De acordo com a própria instituição, 515 investidores internacionais (com US$ 106 trilhões em ativos) e outros 150 grandes compradores (com US$ 4 trilhões) solicitaram a diversas empresas que divulgassem seus reportes junto ao CDP.  

TRÂNSITO

Veículos comerciais leves animaram a Ecorodovias, que registrou aumento de 4,5 % no fluxo de veículos na primeira semana deste mês, comparada com igual período de 2019. O crescente aumento de 14,8% dos comerciais compensou o recuo (7%) dos automóveis de passeio. Com isto, a companhia considera o tráfego em contínua recuperação e aposta em bons números no último trimestre do ano.  

Apesar da grata notícia, no entanto, o tráfego entre 16/março e 6/dezembro, comparado com igual período do ano passado, ainda está 11,4% abaixo. No acumulado do ano (2020 contra 2019) é de 8,7% o recuo.

VALOR

A BRF revelou o plano que batizou de “Visão 2030”. Trata-se de ambiciosa estratégia, com aporte de R$ 55 BI (em 10 anos), visando triplicar seu faturamento.

Segundo a companhia, a aposta será nos produtos de maior valor agregado.

EDUCAÇÃO

O grupo educacional Cruzeiro do Sul prepara seu IPO para o ano que vem. Há investidores interessados no papel da educação – literalmente isto.

ACESSO

A companhia AgriBrasil, originadora e exportadora de grãos, tem feito a lição de casa. Há três anos possui auditoria externa, tem Conselho com membros independentes, conta com uma competente executiva tocando suas operações no MT e agora prepara um Relatório de Sustentabilidade de primeira.

Ano passado seu faturamento foi de R$ 400 MM e para 2020 o objetivo era dobrar. Não deu certo essa conta. A companhia vai é triplicar o din din ao fim do exercício. Em fevereiro próximo pessoal estará visitando o prédio da B3 no centro velho de São Paulo, para listar a AgriBrasil no mercado de acesso (Bovespa Mais).

AUDITORIA

A CVM publicou Resolução Nº 14 (de 09.12.2020) instituindo auditoria para o Relato Integrado, em atendimento à Orientação CPC 09.

No texto, a Comissão de Valores Mobiliários explicita: “O Relato Integrado deverá ser objeto de asseguração limitada por auditor independente registrado na CVM, em conformidade com as normas emitidas pelo Conselho Federal de Contabilidade”.

A Resolução entrará em vigor no dia 1º de janeiro de 2021.

PACTO

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) comemora sua inserção no Pacto Global da Organização das Nações Unidas (ONU). “Passamos por um escrutínio cuidadoso de parte da ONU e agora fomos aceitos. Assumimos vários compromissos e hoje somos o primeiro regulador brasileiro que teve sua admissão”, disse, satisfeito, Marcelo Barbosa. 

IOF

O governo voltou a zerar o IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) relativamente a operações de crédito, até o final deste ano. A medida tinha sido adotada em função da pandemia, mas fora suspensa no finalzinho de novembro para bancar o descalabro energético no Amapá.

Publicada no D.O. de sexta última, medida irá vigorar de amanhã, 15, até 31 de dezembro. “Considerando que o aumento da arrecadação do IOF já compensou os gastos da operação, o Governo Federal decidiu reduzir novamente a alíquota do IOF a zero, como forma de mitigar o impacto provocado pela pandemia de Covid-19 sobre a economia brasileira”, afirmou a Secretaria-Geral da Presidência em nota à imprensa.

BRAND

A Interbrand divulgou o ranking das Marcas Brasileiras Mais Valiosas 2020. Entre os critérios de avaliação estão “origem nacional e divulgação de informações financeiras”. No “top 5” aparecem Itaú, Bradesco, Skol, Brahma e Natura.

DEBÊNTURE

O Conselho da Itaúsa aprovou, no último dia 10, a emissão de debêntures não conversíveis em ações, no valor de R$ 1,3 BI. O montante será destinado, majoritariamente, à liquidação da compra da Liquigás pela Copagaz.

SEGUROS

A Junto Seguros – seguradora digital, com mais de 1 milhão de apólices emitidas – e a B3 anunciam a implementação do serviço de registro eletrônico de contratos e apólices. Com isto, a Junto atende às exigências do Sistema de Registro de Operações (SRO), plataforma da Susep, visando maior transparência ao setor.

Se inscreva para ser notificado quando um novo post for publicado.

Além de diversos conteúdos do mercado financeiro em um lugar para você ler, comparar e decidir.

Nelson Tucci

Nelson Tucci

Repórter em veículos como Folha de S.Paulo e O Estado de S.Paulo, atuou também como apresentador do programa ECO Negócios, na ECO TV. É MBA em Comunicação e Relações com Investidores e diretor na Virtual Comunicação.

Você pode se interessar por

Publicidade

Receba notícias pelo Telegram

Leia também

Tire dúvidas sobre investimentos

Últimas atualizações sobre

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Fique por dentro

Se inscreva para ser notificado quando um novo post for publicado.

Além de diversos conteúdos do mercado financeiro em um lugar para você ler, comparar e decidir.

Já acessou o
Clube Acionista hoje?

A conexão certa para seus investimentos

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.