Mais mulheres em cargos de liderança é uma prioridade, diz Diretora da ONU Mulheres

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Em entrevista reproduzida pelo Instituto Patrícia Galvão, a sul-africana Phumzile Mlambo-Ngcuka, diretora da ONU Mulheres, afirma que fazer com que as mulheres ocupem mais cargos de liderança é uma prioridade e incentivar participação dos homens é fundamental para avançar em direção à igualdade.

Phumzile Mlambo-Ngcuka, 65 anos, é a diretora global da ONU Mulheres desde que Ban Ki-moon, o então secretário das Nações Unidas, a indicou para o cargo em 2013. Nessa época, ela já tinha uma vasta experiência em quebrar tetos de vidro. Licenciada em Educação pela Universidade do Lesoto (1980), foi eleita Deputada ao Parlamento da África do Sul em 1994. Pouco mais de uma década depois, em 2005, foi a primeira mulher a ser vice-presidente do seu país até 2008, ano no qual ela criou uma fundação para apoiar escolas em áreas desfavorecidas na África do Sul e Malawi.

Este 2021 ela enfrenta outro desafio: liderar o fórum “Geração Igualdade”, que marcaria os 25 anos da Conferência de Pequim, realizada em 1995, e não pôde ser realizado no ano passado devido à pandemia e segue indefinido. E ela terá que fazê-lo em meio a uma crise econômica e de saúde que negligenciou qualquer outra agenda, principalmente a feminista. Os direitos das mulheres ficaram para trás em relação à política quando, segundo a ONU, elas correm sério perigo. Mas Mlambo-Ngcuka não parece ser do tipo que se cansa ou desiste. Nesta entrevista, conduzida por videoconferência, ela pacientemente suporta interrupções e se junta à conversa repetidamente até que termina com uma mensagem: “Quero convidar as pessoas a participarem do Dia Internacional da Mulher, com foco em sua liderança nestes tempos de crise.”

Por que o progresso em direção à igualdade de gênero é tão lento?

Phumzile Mlambo-Ngcuka: O avanço sofreu a resistência que existe no mundo contra os direitos das mulheres e, em certa medida, contra os direitos em geral. Os movimentos populistas não são partidários dos direitos das mulheres e temos visto um aumento de líderes que afirmam, por exemplo, que os direitos reprodutivos e à saúde da mulher devem ser combatidos. Quando os governos enfrentam dificuldades financeiras, também tendem a reduzir os serviços sociais, importantes para a qualidade de vida das mulheres, como os relacionados à creche, essenciais para que elas tenham a possibilidade de inserção no mercado de trabalho. Um dos desafios mais significativos é, por outro lado, a redução do espaço para a atuação democrática da sociedade civil. Os direitos das mulheres progridem mais rapidamente nos países onde existe maior liberdade de atividade para a sociedade civil, portanto, os cortes nesse sentido também têm impacto.

O progresso é lento e agora a pandemia vai reverter alguns avanços já conquistados.

Nenhuma pandemia é neutra em termos de gênero. E esta tampouco. As mulheres experimentaram o impacto de forma desproporcional. Por exemplo, na economia, dois terços dos empregos perdidos eram das mulheres. Isso porque eles atuam nos setores mais afetados pela pandemia, como a hotelaria. Em muitos casos, elas nem mesmo têm um contrato legal e são maioria no setor informal. Portanto, não puderam se beneficiar dos mecanismos de ajuda que os governos criaram.

E temos, é claro, o problema da violência contra as mulheres, que aumentou principalmente durante o confinamento. Muitos governos tomaram medidas para lidar com isso e queremos que elas continuem após a pandemia, para que nem mesmo voltemos aos níveis anteriores de violência. Devemos fazer mais para erradicá-la. Estamos particularmente preocupadas com as mulheres jovens, com o número de adolescentes que engravidaram durante o confinamento, as que não vão voltar à escola, o aumento do tráfico de meninas. Todos esses são desafios que mulheres e meninas enfrentam devido à Covid-19. A isso se soma a escassa representação e liderança feminina nas decisões que têm a ver com a pandemia, não só no setor saúde, mas em todos os aspectos.

A maioria dos líderes se diz a favor da igualdade de gênero, mas as políticas não a acompanham. Você acha que ficamos na retórica quando se trata dos direitos das mulheres?

Sim. É um campo muito irregular. Alguns países estão fazendo progresso e outros não estão fazendo nenhum progresso. Há alguns que até voltam um pouco, retrocedem. E o ritmo é lento. Vou dar um exemplo: quando as Nações Unidas foram formadas, não havia mulheres chefes de Estado. Na Conferência de Pequim, em 1995, eram 12. Em 2020, no 25º aniversário desse evento, eram 22. Podemos dizer que é um progresso. Mas lento, muito lento. Nesse ritmo, teremos de esperar além de 2050 para alcançar a paridade nos chefes de Estado. Na reunião de Pequim, havia 10% de mulheres parlamentares. Em 2020, a média mundial é de 23%. É um progresso, mas a passo de tartaruga. Devemos enfatizar a necessidade de acelerar e garantir que o progresso não seja facilmente reversível.

Fonte: Instituto Patrícia Galvão (O Globo/Celina | 16/02/2021 | Por Alejandra Agudo, do El País)

Receba conteúdos diariamente por e-mail

Grazieli Binkowski

Grazieli Binkowski

Grazieli Binkowski tem 37 anos, é mãe do Miguel e do Yorkshire Lilo, casada com o Erik. Vive em Porto Alegre (RS), gosta de ler (quase de tudo), curte jazz, vinhos e é apaixonada pela cultura francesa. É Jornalista, formada pela PUCRS, com uma especialização em Gestão Estratégica pela UFRGS. Tem transitado pelo mercado financeiro desde a universidade, quando começou a colaborar com o Acionista.com.br. Também tem uma história longa com Organizações Não-Governamentais. Acredita que a profissão que escolheu não é só um ganha pão. E essa impressão tem ficado cada vez mais forte ao passar dos anos. E foi por isso que surgiu o Mulheres em Ação.

Você pode se interessar por

Publicidade

Receba notícias pelo Telegram

Leia também

Tire dúvidas sobre investimentos

Últimas atualizações sobre

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.