Livro narra ascensão e queda da Odebrecht

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Receba notícias por Whatsapp

Receba notícias pelo Telegram

Na cartilha de Norberto Odebrecht, fundador de uma das maiores construtoras do Brasil, havia dois tipos de ética: o da consciência e o da responsabilidade. Essa última ele costumava explicar que era a “ética do sujeito que tem uma fatura de US$ 200 milhões e precisa do dinheiro para poder pagar 3 mil famílias”. Aí um funcionário público diz: “Se você deixar 10% comigo, eu te dou o resto. A ética da consciência diz: não dê. Mas a responsabilidade diz: dê. Eu olhava pela janela do canteiro e decidia dar”, diz Norberto.

O trecho acima faz parte do livro A Organização – A Odebrecht e o esquema de corrupção que chocou o mundo, escrito pela jornalista Malu Gaspar. Em 639 páginas, ela conta a ascensão e a queda do império do grupo baiano, criado em 1944 e que virou pivô da Operação Lava Jato, um dos maiores escândalos de corrupção do País.

Ao longo de três anos, Malu ouviu mais de 120 pessoas, entre executivos e familiares, delatores, concorrentes, políticos, advogados e investigadores. Segundo a jornalista, os fatos passaram por dupla ou tripla checagem em novas entrevistas, nas cerca de 200 horas de depoimentos gravados pelo Ministério Público ou pela Polícia Federal e em centenas de páginas de documentos. “Foi um processo difícil, trabalhoso e de grande responsabilidade para contar uma história dessa dimensão em off”, diz Malu.

O livro, disponível nas livrarias e na versão digital, é uma grande reportagem sobre a história da empresa e seu envolvimento com os diversos governos desde a sua fundação. Mas que isso: mostra como a relação entre a companhia e políticos quase sempre foi pautada por propinas chamadas pelos odebrechtianos – como Malu nomeia os executivos da empresa – como contribuição, ajuda, apoio ou suporte. Em 2013, a Odebrecht desembolsou US$ 730 milhões de caixa dois, relata o livro.

Para contar essas histórias, a jornalista faz um passeio pelas negociatas e obras mais importantes do Brasil, desde o Galeão, que alçou a construtora ao 13.º lugar no ranking das empreiteiras, passando pela Ferrovia Norte-Sul, Usina Nuclear Angra I, hidrelétricas do Madeira e Belo Monte até as plataformas da Petrobras e a Refinaria Abreu e Lima.

Em quase todas elas houve denúncias de corrupção ou entrevero com o governo e concorrentes. Quanto mais a carteira da Odebrecht crescia, maior era o volume de denúncias. Mas, até a Lava Jato, a empresa conseguiu escapar praticamente imune, pelo menos, sem nenhuma prisão de executivos. “O que mais me surpreendeu foi a forma natural como as operações eram tratadas e o tamanho que o departamento de operações estruturadas tomou (departamento de propinas da empresa)”, afirma a autora do livro.

Pai e filho

Apesar do início complicado para ser aceito na “elite” das empreiteiras, a Odebrecht não só conseguiu chegar ao topo como também passou a imprimir seu jeito de fazer negócios no setor, primeiro com Norberto e depois com Emílio e Marcelo. Aliás, a relação entre os três personagens principais da Odebrecht está descrita em quase todos os capítulos do livro. “Foi difícil mergulhar tão fundo na relação pai e filho sem se deixar levar pelos sentimentos”, diz Malu.

Embora tentasse evitar que sua relação com o pai Norberto se repetisse com Marcelo, Emílio não conseguia conter os ímpetos do primogênito, que tem o gênio difícil. Sucessor natural de Emílio, Marcelo sempre foi aplicado e dava prioridade total ao trabalho. Seu jeito de fazer negócio, no entanto, era bem diferente do jeito do pai. E sua paciência nas relações com os governos bem mais curta que a de Emílio, que gostava de colecionar ” amigos” no alto escalão.

Na verdade, Marcelo tinha pouco traquejo para cativar as pessoas e, por vezes, travou brigas com autoridades, como a queda de braço com Dilma Rousseff na disputa pelas hidrelétricas do Rio Madeira.

O pai tinha outro estilo. De acordo com o livro, Emílio gostava de comprar na baixa, ou seja, investir em alguém com potencial de crescer e depois colher os frutos dessa relação. Era dessa forma que ele se referia a Luiz Inácio Lula da Silva, que conheceu em 1985 por intermédio do então prefeito Mário Covas. Na época, o objetivo era aproximar os dois para tentar resolver as constantes ameaças de greves no Polo Petroquímico de Camaçari. Desse dia em diante, Emílio e Lula passaram a ter encontros recorrentes até o petista se tornar presidente da República. Na relação, muita troca de favores de ambos os lados, sendo um deles a construção do Itaquerão – estádio do Corinthians. O livro também relata o episódio da reforma do sítio de Atibaia, um pedido feito pela então primeira-dama, Marisa Letícia – um dos motivos que levaram o ex-presidente Lula para a prisão.

Para Malu, a história da família Odebrecht – que sempre almejou ser um dos maiores conglomerados do mundo – se confunde com a do próprio País. A impressão é que um definiu o rumo do outro, destaca a autora do livro.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

A organização: A Odebrecht e o esquema de corrupção que chocou o mundo por [Malu Gaspar]

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email