Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tweet
Compartilhar no linkedin
Publique
Compartilhar no whatsapp
Encaminhe
Compartilhar no email
Envie

Newsletter

Tire dúvidas sobre investimentos

Receba notícias pelo Telegram

“Este resultado pode trazer a tona algumas mudanças que já tinham sido descartadas há algum tempo pelo setor financeiro”

Nesta sexta-feira, o mercado financeiro se surpreendeu com a divulgação do novo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que subiu 0,64% no mês de setembro, ficando 0,40 ponto percentual acima dos 0,24% de agosto. Esse é o maior resultado para o mês desde 2003. Assim como revelado no último dado, a maior variação de preços veio do grupo de alimentos e bebidas, com destaque para os produtos de consumo à domicílio, cujo os preços subiram 2,89%. Entre as alterações mais relevantes, estão o óleo de soja (27,54%) e o arroz (17,98%), que juntos acumulam altas de 51,30% e 40,69% ao ano. 

De acordo com Pedro Paulo Silveira, Economista-Chefe da Nova Futura Investimentos, a expectativa do mercado financeiro, que estava em torno de 0,54% para a inflação do último mês, foi surpreendente excedida. “A inflação estava incomodando muito mais a população de baixa renda, do que o mercado. Os preços dos alimentos, energia e combustíveis pesam bastante no orçamento das pessoas que estão sobrevivendo graças ao auxílio emergencial. No entanto, apesar de superado as probabilidades, o IPCA não parece ser capazes de comprometer as expecta tivas do mercado para o médio prazo, que estão em torno de 2,12% para 2020”, explica.

O Economista-Chefe completa que este resultado pode trazer a tona algumas mudanças que já tinham sido descartadas há algum tempo pelo setor financeiro. “Acho que essa mudança pode estimular algumas instituições a reverem suas estimativas para o ano fechado e para os 12 meses. Além disso, as taxas de juros mais curtas também podem sofrer mais algum ajuste, algo que parecia não estar nos planos mais recentes do Banco Central”, afirma.

Sobre a Nova Futura Investimentos

Sócia-fundadora da BM&BOVESPA, a Nova Futura Investimentos, foi fundada em 1983, atua nos mercados de commodities, renda fixa, renda variável e seguros. Com presença nacional, a instituição financeira conta com 21 escritórios espalhados por diversas cidades do país. Ao longo de quase quatro décadas de existência, se consolidou como uma das maiores e mais independentes casas de investimentos do Brasil.

Com tradição no mercado institucional, vem se tornando referência no varejo, oferecendo a mesma qualidade já ofertada ao mundo empresarial agora também para pessoas físicas. Em 2017, confirmando a tradição de excelência, a corretora recebeu o selo Nonresident Investor Broker, que reconhece a estrutura organizacional e tecnológica especializada na prospecção de clientes, prestação de serviços de atendimento consultivo assim como execução de ordens e distribuição de produtos da B3 para investidores não residentes.

Advertência

Declaramos que o Portal Acionista.com.br não se responsabiliza pelas informações divulgadas neste site e qualquer outro canal, tanto referente às matérias de produção própria , quanto matérias ou análises produzidas por terceiros ou reproduzidas de links autorizados, publicados nas nossas páginas a partir de uma seleção criteriosa, porém sem garantir sua integralidade e exatidão.
Matérias e  análises produzidas por terceiros são de inteira responsabilidade dos mesmos. As informações, opiniões, sugestões, estimativas ou projeções referem-se a data presente e estão sujeitas à mudanças conforme as condições do mercado, sem prévio aviso.
Informamos, ainda, que o Acionista.com.br não faz qualquer recomendação de investimento e que, portanto, não se responsabiliza por perdas, danos, custos e lucros cessantes decorrentes de operações financeiras de qualquer tipo, enfatizando que as decisões sobre investimentos são pessoais.
Importante lembrar sempre: ganhos passados, não são garantia de ganhos futuros.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Leia também