Investimentos atrelados ao IPCA e juros pré-fixados são os mais recomendados

O Brasil possui hoje a menor taxa de juros da sua história e segue com uma tendência de que se reduza ainda mais. Portanto reflete diretamente nos investimentos e elimina a grande rentabilidade conseguida nos anos anteriores. Isso faz com que os investidores sejam forçados a correr mais risco em busca de maiores ganhos. Entretanto, dentro de uma carteira equilibrada de ativos, a renda fixa sempre será essencial.

“Não existe um planejamento bem feito se a pessoa possuir apenas ativos de risco. Porém, para rentabilizar da melhor forma os ativos de baixo risco será necessário estar atento as ações governamentais”, explica André Alírio, especialista em Renda Fixa da Nova Futura Investimentos.

especialista ajuda ainda aquele que quer se organizar no mundo das finanças e montar uma carteira baseada em um investidor moderado.

“Vamos supor que uma pessoa possua um patrimônio de R$ 100 mil para a renda fixa. Esta pessoa deveria deixar R$ 65 mil alocados em títulos com juros pós-fixados, R$ 25 mil em ativos atrelados ao IPCA e R$ 15 mil em títulos pré-fixados. Agora é o momento de aumentar os investimentos em Pós e IPCA, como proteção”, ressalta Alírio.

A tendência para os juros de nosso país é que sigam com as projeções de queda. Onde só uma eventual surpresa ou forte turbulência, seria capaz de interromper este caminho.